DESFAZENDO SEXO: UMA GENEALOGIA DOS CONCEITOS DE SEXO BIOLÓGICO E GÊNERO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36311/1984-8900.2021.v13n34.p231-252

Palavras-chave:

Gênero, Sexo, Genealogia, Corpo, Feminismo

Resumo

O conceito de gênero costuma ser utilizado para se referir aos aspectos socioculturais inscritos no feminino e no masculino, opondo-se às visões biologizantes sobre a distinção sexual. Apesar da vasta importância crítica do conceito, especialmente para os estudos feminista, percebe-se que, com alguma regularidade, sua definição é relacionada ao chamado sexo biológico – uma instância natural ou anterior à construção social dos gêneros. Na tentativa de compreender os efeitos derivados dessa relação, considera-se esses conceitos desde um prisma genealógico, abrindo duas linhas de análise entrelaçadas. Com a primeira delas, realiza-se uma incursão por literaturas feministas e estudos dedicados ao gênero que aproximam – ou distanciam – o sexo biológico do gênero. Na segunda linha é realçado o caráter artificial da distinção sexual e da noção de natureza, concluindo-se pela recusa da relação dualista firmada entre sexo e gênero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, J. E. D. “Gênero e linguagem na cultura brasileira: elementos para reflexão sobre uma diferença”. In: LOYOLA, M. A. (org.). Bioética: reprodução e gênero na sociedade contemporânea. Rio de Janeiro/Brasília: Letras Livres, 2005. p. 233-256.

BENTO, B. Transviad@s: gênero, sexualidade e direitos humanos. Salvador: EDUFBA, 2017.

BETIM, F. As vozes da pequena grande batalha do Sesc Pompeia. In: EL PAÍS. Disponível em: https://goo.gl/C5t1AU. Acesso em: 20 dez. 2018.

BOTTON, A; et al. “Sexo/sexismo”. In: COLLING, A. M.; TEDESCHI, L. A. (orgs.). Dicionário crítico de gênero. Mato Grosso do Sul: Ed. Universidade Federal da Grande Dourados, 2019. p. 666-669.

BUTLER, J. “Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do ‘sexo’”. In: LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013. p. 151-172.

______. Judith Butler escreve sobre sua teoria de gênero e o ataque sofrido no Brasil. In: FOLHA DE SÃO PAULO. Disponível em: https://goo.gl/EZfBNo. Acesso em: 20 jun. 2019.

______. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

______. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

CAMILLOTO, L. S. B. Transgeneridade e direito de ser: relação entre o reconhecimento de si e o reconhecimento jurídico de novos sujeitos de direito. 263f. 2019. Dissertação (Mestrado em Direito) – Universidade Federal de Ouro Preto, Minas Gerais, 2019.

DELEUZE, G. Espinosa: filosofia prática. São Paulo: Escuta, 2002.

______. Lógica do sentido. São Paulo: Perspectiva, 1974.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O anti-édipo: capitalismo e esquizofrenia 1. Lisboa: Assírio e Alvim, 2004.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2006.

HARDY, E.; JIMÉNEZ, A. L. “Masculinidad y Gênero”. Revista Cubana Salud Pública, Ciudad de la Habana, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), v. 27, n. 2, p. 77-88. 2001. julho/dezembro. Disponível em: http://twixar.me/FwRn. Acesso em: 13 mai. 2018.

LAQUEUR, T. Inventando o sexo: corpo e gênero dos gregos a Freud. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 1997.

MACHADO, L. Z. “Perspectivas em confronto: relações de gênero ou patriarcado contemporâneo?”. Série Antropológica, Brasília, n. 284, p. 2-19. 2000. Disponível em: http://twixar.me/zwRn. Acesso em: 13 abr. 2018.

MATHIEU, N.-C. “Sexo e gênero”. In: HIRATA, H.; FRANÇOISE, L.; DOARÉ, H.;SENOTIER, D. (orgs.). Dicionário crítico do feminismo. São Paulo: Editora da UNESP (FEU), 2009. p. 222-231.

MISSÉ, M. “Não há nada de biológico em ser trans, como não há nada de biológico em ser homem ou mulher”. In: RESISTA! Observatório de ciências plurais. Disponível em: http://bit.ly/2SDibNh. Acesso em: 13 ago. 2019.

NADER, M. B. “A condição masculina na sociedade”. Dimensões, Espírito Santo, n. 14, p. 461-480. 2002. Disponível em: http://twixar.me/HwRn. Acesso em: 13 abr. 2018.

NICHOLSON, L. “Interpretando o gênero”. Revista de Estudos Feministas, Florianópolis, v. 8, n. 2, p. 9-41. 2000. Disponível em: http://twixar.me/BbQn. Acesso em: 20 abr. 2019.

PERES, W. S. “Travestis brasileiras: construindo identidades cidadãs”. In: GROSSI, M. P.; et al. (Orgs.). Movimentos Sociais, educação e sexualidade. Rio de Janeiro: Editora Garamond, 2005. p. 53-68.

PERROT, M. Minha história das mulheres. São Paulo: Contexto, 2015.

PISCITELLI, A. “Feminismos e Prostituição no Brasil: uma leitura a partir da antropologia feminista”. Cuadernos de Antropología Social, n. 36, p. 11-31, 2012. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/1809/180926074002.pdf. Acesso em: 13 dez. 2019.

POMBO, M. F. “Estrutura ou dispositivo: como (re)pensar a diferença sexual hoje?”. Revista de Estudos Feministas, Florianópolis, v. 27, n. 2, p. 1-11, 2019. Disponível em: http://bit.ly/2OJwhf6. Acesso em: 11 fev. 2019.

PRECIADO, P. B. Manifesto Contrassexual: práticas subversivas de identidade sexual. São Paulo: n-1 edições, 2014.

______. Testo Junkie: sexo, drogas e biopolítica na era farmocopornográfica. São Paulo: n-1 edições, 2018.

ROSA, W. “Sexo e cor: categorias de controle social e reprodução das desigualdades socioecônomicas no Brasil”. Revista de Estudos Feministas, Florianópolis, v. 17, n. 3, p. 889-899. set./dez. 2009. Disponível em: http://twixar.me/j9Rn. Acesso em: 20 mai. 2018.

RUBIN, G. Políticas do sexo. São Paulo: Ubu editora, 2017.

SCOTT, J. “Gênero: uma categoria útil para a análise histórica”. In: HOLLANDA, H. B. (Org.). Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do tempo, 2019. p. 48-80.

Downloads

Publicado

2021-07-08

Edição

Seção

Artigos