UMA EXPLICAÇÃO NÃO-CONTEXTUALISTA A FAVOR DA COMPATIBILIDADE ENTRE O PRINCÍPIO DE FECHAMENTO E A CONDIÇÃO DE SENSIBILIDADE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36311/1984-8900.2021.v13n34.p187-206

Palavras-chave:

Fechamento, Sensibilidade, CAER

Resumo

A tensão entre o princípio de fechamento (PF) e a condição de sensibilidade foi originalmente notada por Fred Dretske (1979) e Robert Nozick (1981). Essa tensão é frequentemente utilizada pelos contextualistas semânticos a fim de oferecerem um caso a favor da ideia de que as atribuições de conhecimento são sensíveis ao contexto, uma vez que, somente se este for o caso, a tensão é solucionada. Meu objetivo neste artigo é apresentar uma explicação não-contextualista a favor da compatibilidade entre diferentes versões da condição de sensibilidade e o PF, de modo a resolver a tensão que leva alguns epistemólogos a adotarem o contextualismo. Farei isso recorrendo à resposta de Stephen Wykstra (2007) a Andrew Graham e Stephen Maitzen (2007) que objetaram afirmando que o Princípio de Condição de Acesso Epistêmico Razoável (CAER), uma versão da condição de sensibilidade, viola o PF. Wykstra apela a uma distinção feita por Rudolph Carnap (1962) na lógica indutiva para demonstrar que PF funciona adequadamente com CAER e, consequentemente, com a condição de sensibilidade. A contribuição de Wykstra a este debate é desconhecida entre os epistemólogos por se situar na sua discussão sobre o problema evidencial do mal na Filosofia da Religião. Por essa razão, contextualizarei o seu argumento para demonstrar a aplicabilidade dele à questão do relacionamento conflituoso entre a condição de sensibilidade e o PF.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDREW, G.; STEPHEN, M. “Cornea and Closure”. Faith and Philosophy, v. 24, p. 83-86, 2007.

BAUMANN, P. “Epistemic Closure”. In: The Routledge Companion to Epistemology, Routledge. P. 597-608, 2011.

CARNAP, R. Logical Foundations of Probability. Chicago, p. 468-478, 1962.

COHEN, S. “Contextualism and Skepticism”. Philosophical Issues, v. 10, p.84-107, 2000.

DAVID, M.; WARFIELD, T. A. “Knowledge-Closure and Scepticism”. In: Epistemology: New Essays, Oxford University Press, p. 137-187, 2008.

DRETSKE, F. Epistemic Operators. Journal of Philosophy, v. 67, p. 1007-1023, 1970. Reimpresso In: Skepticism: A Contemporary Reader. DEROSE, K; WARFIELD, T. (eds). Oxford University Press, 1999.

FELDMAN, R. “Contextualism and Skepticism”. Philosophical Perspectives, v.13, p. 91-114, 1999.

FUMERTON, R. “Nozick’s Epistemology,” In: The Possibility of Knowledge, Rowman & Littlefield Publishers, p. 163-181, 1987.

NOZICK, R. Philosophical explanations. Belknap Press, 1981.

SWINBURNE, R. The Existence of God, revised edition. Oxford: Clarendon Press, 1979.

WILLIAMSON, T. Knowledge and Its Limits. Oxford University Press (2000).

WYKSTRA, S. “The Humean Obstacle to Evidential Arguments from Suffering: On Avoiding the Evils of ‘Appearance’”. International Journal for Philosophy of Religion, v. 16, p. 73-93, 1984.

______. “CORNEA, Carnap, and Current Closure Befuddlement”. Faith and Philosophy, v. 24, p. 87-98, 2007.

Downloads

Publicado

2021-07-08

Edição

Seção

Artigos