SOBRE O CONCEITO DE IMORTALIDADE EM ARENDT E FEUERBACH: AMOR, POLÍTICA E FINITUDE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36311/1984-8900.2021.v13n34.p81-98%20

Palavras-chave:

Política, Imortalidade, Individualismo, Amor

Resumo

O presente artigo assume o desafio de dialogar com dois filósofos de épocas distintas e interesses investigativos aparentemente distintos, Arendt e Feuerbach, diálogo não enunciado nas obras dos referidos autores, mas possível, no nosso entender. A pergunta que norteia esta aproximação é a seguinte: é possível localizar no jovem Feuerbach de Pensamientos sobre muerte e inmortalidad (1993) e de De ratione, uma, universali, infinita (1995), na senda da crítica à imortalidade da alma, uma abertura para a inserção da reflexão política? Pensamos que tal abertura, apesar de não tematizada tacitamente, comparece na crítica ao individualismo moderno, crítica também presente em Arendt, notadamente em A condição humana (2014). Para o diálogo entre os dois pensadores, dividimos o trabalho em três partes: primeiro, a relação entre política e imortalidade, em seguida, as implicações do declínio da crença na imortalidade da alma e, por fim, o conceito de amor como categoria política fundamental para pensar a crítica de ambos ao solipsismo moderno.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, V. S. Amor mundi e educação: reflexões sobre o pensamento de Hannah Arendt. 2009. 193 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-graduação em Educação, Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009. Disponível em: http:/www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-08122009-

/ptbr.php. Acesso em: 29 out. 2018.

AQUINO, J. E. F. Feuerbach e a fundação sensível da filosofia: imediatidade e mediação na relação eu-tu. Kriterion, Belo Horizonte, n. 129, jun., p. 247-263. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/kr/v55n129/14.pdf. Acesso em: fev. 2020.

ARENDT, H. A ação e a busca da felicidade. Trad. Virginia Starling. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2018.

______. Escritos judaicos. Trad. Laura Degaspare M. Mascaro, Luciana Garcia de Oliveira, Thiago Dias da Silva. Barueri: Amarilys, 2016.

______. A condição humana. Trad. Adriano Correia. 12. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014.

______. Origens do totalitarismo. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

______. Compreender: formação, exilio e totalitarismo (ensaios). Trad. Denise Bottman. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

______. Entre o passado e o futuro. Trad. Mauro W. Barbosa. 5. ed. São Paulo: Perspectiva, 2001.

______. A vida do espírito. Trad. Antônio Abranches, César Augusto R. de Almeida, Helena Martins. 4. ed. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2000.

______. Eichmann em Jerusalém: um relato sobre a banalidade do mal. Trad. José Rubens Siqueira. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

ARISTÓTELES. Trad. Mário Gama Kury. 3. ed. A Política. Bauru: Editora Universidade de Brasília, 1997.

CHAGAS, E. F. A vontade é livre? Natureza e ética em Ludwig Feuerbach. Revista Dialectus, Fortaleza, ano 2, n. 6, p. 1-34, jan./ago. 2015. Disponível em: http://periodicos.ufc.br/dialectus/article/view/5200/3832. Acesso em: fev. 2020.

FEUERBACH, L. Pensamientos sobre muerte e inmortalidad. Madrid: Alianza Editorial, 1993.

_____. De ratione una, universali, infinita. In: FEUERBACH, Ludwig. Abelardo y Heloísa. Granada: Editorial Comares, 1995.

HOMERO. Ilíada. São Paulo: Abril Cultural, 2009. Disponível em: iliadadeodorico.wordpress.com. Acesso em: 17 maio 2020.

JAEGER, W. W. Paideia: a formação do homem grego. Trad. Artur M. Pereira. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

NUNES, I. V. B. Amor mundi e o espírito revolucionário: Hannah Arendt entre política e ética. Cadernos de filosofia alemã: crítica e modernidade, São Paulo, v. 21, n. 3, p. 67-78, dez. 2016. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v21i3p67-78. Acesso em: out. 2018.

PASCAL, B. Pensamentos. Trad. Olívia Bauduh. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

RÚA, J. L. G. Estudio preliminar. In: FEUERBACH, Ludwig. Pensamientos sobre muerte e inmortalidad. Madrid: Alianza Editorial, 1993.

YOUNG-BRUEL, E. Por amor ao mundo: a vida e a obra de Hannah Arendt. Trad. Antônio Trânsito. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1997.

Downloads

Publicado

2021-07-08

Edição

Seção

Artigos