A CONCEPÇÃO DE ESTADO DE GEORG WILHELM FRIEDRICH HEGEL

Autores

Palavras-chave:

Filosofia Política, Filosofia do Direito, Estado, Liberdade, Dialética, Razão

Resumo

O presente artigo investigará a concepção de Estado do filósofo alemão Georg Wilhelm Friedrich Hegel (Stuttgart, 27 de agosto de 1770 – Berlim, 14 de novembro de 1831) a partir da obra “Filosofia do Direito” (1821), em especial, a sua terceira seção, que será a base para a análise da temática, por ser nela que Hegel discute, a miúde, os elementos constitutivos do Estado. A análise feita a partir desta discussão definirá a ideia de Estado hegeliano respeitando três estruturas básicas adotadas pelo filósofo naquela seção, que comporta: 1º) a natureza do Estado; 2º) a fundamentação da organização interna do Estado e 3º) o poder do príncipe. O objetivo da investigação proposta neste artigo é apresentar os elementos centrais e constitutivos do Estado à estrutura do direito interno que fundamenta sua política.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABBAGNANO, N. Dicionário de filosofia.2 ed. São Paulo: Mestre Jou, 2007.

BERNARDES, R.; MENEGHETTI, V. T. O logos de Heráclito e sua influência na

concepção da dialética hegeliana. Disponível em: < http://www.pucrs.br/edipucrs/XSalaoIC/Ciencias_Humanas/Filosofia/71003-TARCISIOVILTONMENEGHETTI. pdf>. Acesso em: 12 set. 2017.

BOBBIO, N.; MATTEUCCI, N.; PASQUINO, G. (orgs.). Dicionário de Política, Volume 1. Brasília: Editora UnB, 1998.

BORNHEIM, G. A. Dialética; teoria, práxis: ensaios para uma crítica da fundamentação ontológica da dialética. São Paulo: USP, 1983.

CIOTTA, T. Hegel: a fundamentação ética do Estado. Dissertação de Mestrado em Filosofia. PUCRS, novembro de 1994.

COUTINHO, C. N. Gramsci: um estudo sobre seu pensamento político. Rio de Janeiro:

Civilização Brasileira, 2007.

DRI, R. R. A filosofia do Estado ético. A concepção hegeliana do Estado. Enpublicacion: Filosofia política moderna. Departamento de Ciências Políticas, Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, USP, Universidade de São Paulo. 2006. ISBN: 978-987-1183-47-0.

ECONOMAKIS, G.; MILIOS, J. Classe operária e classes médias: situação de classe e posição de classe (Uma abordagem crítica da teoria de classes de NicosPoulantzas). 2011. Disponível em: <<https://www.ifch.unicamp.br/criticamarxista/arquivos_biblioteca/artigo233merged_d

ocument_243.pdf>> Acesso em 14 de novembro de 2017.

GARAUDY, R.. Para conhecer o pensamento de Hegel. Porto Alegre: L & PM, 1966.

HEGEL, G. W. F. A Razão na história: uma introdução geral à filosofia da história. São Paulo: Centauro, 2001.

______. A razão na história. Lisboa: Edições 70, 1995.

______. Enciclopédia das ciências filosóficas em compêndio: 1830. Trad. Paulo Meneses. Vol. I. São Paulo: Loyola, 1995a.

______. Enciclopédia das ciências filosóficas em compêndio: 1830. Trad. Paulo Meneses. Vol. II. São Paulo: Loyola, 1995b.

______. Enciclopédia das ciências filosóficas em compêndio: 1830. Trad. Paulo Meneses. Vol. III. São Paulo: Loyola, 1995c.

______. Filosofia do direito: 1821. Trad. Paulo Meneses. et al. São Leopoldo: Unisinos, 2010.

HYPPOLITE, J. Introdução à filosofia da história de Hegel. Lisboa: Edições 70, 1983.

HUXLEY, J. et al. O pensamento: filosofia, religião, moral. Lisboa:Publicações Europa-Americana, 1970 (Glossário).

IASI, Mauro Luís. As metamorfoses da consciência de classe. O PT entre a negação e o consentimento. São Paulo: Expressão Popular, 2006.

INWOOD, M. Dicionário Hegel. Trad. Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1997.

KANT, I. À paz perpétua. Trad. Marco Zingano. Porto Alegre: L&PM, 2010.

KERVÉGAN, J.-F. Hegel e o hegelianismo. São Paulo: Edições Loyola,2008.

KONDER, L. O que é dialética.1 ed. São Paulo: Abril Cultural/Brasiliense, 1985. (Coleção Primeiros Passos).

LÊNIN, V. I. Cadernos sobre a dialética de Hegel. Trad. José Paulo Neto. Rio de Janeiro, 2011.

LÉVI-BRUHL, L. A teoria do Estado em Hegel. Trad. Danilo Vaz-Curado Ribeiro de Menezes Costa. Princípios: Revista de Filosofia, UNICAP, Universidade Católica de Pernambuco. 2013. E-ISSN: 1983-2109.

LOSURDO, D. A hipocondria da antipolítica: história e atualidade na análise de Hegel. Tradução Jaime Clasen. Rio de Janeiro: Revan, 2014.

MORAIS, E. Marx, Estado e imprensa em 1842. Blog Esquerda Online, 2016. Disponível em: <http://blog.esquerdaonline.com/?p=7694>. Acesso em: 13 ago. 2017.

NÓBREGA, F P. Compreender Hegel. Petrópolis: Vozes, 2005.

PEIXINHO, M. M. Os direitos fundamentais nas constituições francesas. Disponível em: <http://www.publicadireito.com.br/artigos/?cod=b1bc40d056bad6ec>. Acesso em: 20 ago. 2017.

RANIERI, J. Trabalho e dialética: Hegel, Marx e a teoria social do devir. São Paulo: Boitempo Editorial, 2011.

REALE, G.; ANTISERI, D. História da filosofia. Antiguidade e idade média. Vol I. São Paulo: Paulus. 1990.

SADER, E. Estado e política em Marx. São Paulo: Boitempo, 2014.

SAES, D. A formação do Estado burguês no Brasil (1888-1891). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985. (Coleção Estudos brasileiros, v. 86).

SALGADO, J. C. A ideia de justiça em Hegel. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

SANFELICE, J. L. Dialética e pesquisa em educação. In: LOMBARDI, J. C; SAVIANI, D; NASCIMENTO, M. I. M. A escola pública no Brasil – Historia e Historiografia. 1 ed. Campinas: Autores Associados, 2005.

WEIL, E. Hegel e o Estado: cinco conferências seguidas de Marx e a filosofia do direito. São Paulo: É Realizações, 2011.

Downloads

Publicado

2020-12-30

Edição

Seção

Artigos