PROMOVENDO CRENÇAS DE AUTOEFICÁCIA DOCENTE PARA O ENSINO DE ARTE: RESULTADOS DE UMA EXPERIÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA

Autores

  • Gisele Carvalho Rodrigues Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - Campos Rio Claro
  • Roberto Tadeu Iaochite Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - Campos de Rio Claro

DOI:

https://doi.org/10.36311/2236-5192.2018.v19n2.10.p143

Palavras-chave:

Autoeficácia docente, Ensino, Arte

Resumo

 A percepção que o professor tem em sua capacidade para ensinar Arte é mediadora das ações que desenvolvem em sala de aula. A maneira como os professores se percebem para ensinar, os guiará para comportamentos de enfrentamento, persistência, seleção e afetará a própria motivação. Buscou-se mensurar o nível de autoeficácia e as fontes de autoeficácia em professores que ensinam Arte na Rede Municipal de Educação no município de Rio Claro/SP. Especificamente, antes, durante e após a realização de um curso formação continuada na modalidade presencial. Trata-se de um estudo de natureza quantitativa, no qual participaram do estudo, 29 professores. Os resultados revelam que antes do curso os níveis de autoeficácia docente no geral eram de 4,68 numa escala de 6 pontos; durante o processo de formação continuada o nível de autoeficácia foi de 5,01 e, após o curso, 5,16 pontos. Em relação às fontes, as experiências vicárias e a persuasão social foram as que mais se revelaram significativas para os professores. Como aponta a literatura os processos de formação continuada podem contribuir para a construção e fortalecimento da autoeficácia para ensinar Arte na escola. 

Recebido em: 22/10/2017.
Aprovado em: 09/10/2018.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gisele Carvalho Rodrigues, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - Campos Rio Claro

Formada em Artes pela Faculdade de Belas Artes de São Paulo, em Pedagogia pela Unicoc e, especialista em Psicopedagogia. É mestra pelo Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Estadual Paulista - Júlio de Mesquita Filho (Campus de Rio Claro). Atua como professora de Arte há 25 anos na Educação Básica e tem experiência com a formação inicial e continuada de professores da Educação Básica. Atuou até 2016 como Coordenadora Pedagógica do Ensino Fundamental II da rede Municipal de Rio Claro e atualmente é vice diretora de escola. Sua pesquisa focalizam as crenças de autoeficácia docente no ensino de Arte e formação de professores para esse contexto.

Roberto Tadeu Iaochite, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - Campos de Rio Claro

Licenciado em Educação Física pela Universidade Estadual Paulista (1994), Mestre em Ciências da Motricidade pela Universidade Estadual Paulista (1999) e Doutor em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (2007). Realizou Estágio de Pesquisa na área de Educação Física, Currículo e Saúde no Pedagogy Laboratory - Departament of Kinesiology of the University of North Carolina at Greensboro, EUA (2014), no Department of Kinesiology - University of Maryland, EUA (2012) e na área de Formação de Professores no Instituto de Educação da Universidade do Minho, Portugal (2011). É Professor Assistente Doutor no Departamento de Educação da Universidade Estadual Paulista, campus Rio Claro. É líder do Núcleo de Estudos em Teoria Social Cognitiva e Práticas Educativas (DGP/Lattes) e tem investigado o construto da autoeficácia ao longo da formação inicial, desenvolvimento da carreira docente e diferentes contextos no campo da Educação Física. Além disso, investiga o tema dos hábitos saudáveis na escola sob o referencial da Teoria Social Cognitiva. Participa como Pesquisador do NEPEF/Unesp e DOFPPEN/Unesp.

Referências

Allison, A. No art teacher left behind: Professional development that really matters in an age of accountability. Art Education Policy Review, London, v.114, n.4, p.178-190, dec., 2013. Disponível em: <https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/10632913.2013.826042>. Acesso em 17 mai. 2017.
BARBOSA, A. M. T. (Orgs.) Arte-educação: leitura no subsolo. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2005.
BANDURA, A. Self-efficacy: the exercise of control. New York: Freeman, 1997.
CARVALHO, C.; FREITAS, A. A.; NEITZEL, A. A. Salas de Arte: espaço de formação estética e sensível na escola. Revista Educação, Sociedade e Culturas, Porto, n.42, p.67-86, 2014. Disponível em: <http://www.fpce.up.pt/ciie/sites/default/files/ESC42_07CarlaCarvalho.pdf>. Acesso em: 13 maio.2017.
CRUZ, S.P.S; NETO, J.B. A polivalência no contexto da docência nos anos iniciais da escolarização básica: refletindo sobre experiências de pesquisas. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 17, n. 50, 385-398, maio/ago. 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v17n50/v17n50a08.pdf>. Acesso em: 26 out. 2015.
DAMIANI, M. F. Entendendo o trabalho colaborativo em educação e revelando seus benefícios. Educar em revista, Curitiba, v.24, n. 31, p. 213-230, ago./dez, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/er/n31/n31a13. Acesso em: 18 mar. 2016.
FERREIRA, D.M.A.P. Ensino de Arte e Educação Estética: Vivências de professores que lecionam nesta disciplina. 2013. 128 f. Dissertação (Mestrado em Educac?a?o, Processos So?cioeducativos e Pra?ticas Escolares). Universidade Federal de São João del-Rei, 2013.
FISK, T. Teaching artists and their level of teacher efficacy. Dissertation of Doctor of Philosophy. University of Birmingham. Alabama, 2012. Disponível em: <https://search.proquest.com/openview/55f5760539058d5cb8dcb81e53611ed5/1?pq-origsite=gscholar&cbl=18750&diss=y>. Acesso em 27 mar. 2017.
FREITAS, J. A. C.; OLIVEIRA, A. O. Análise da autoeficácia percebida pelos professores de escolas públicas e privadas de Natal. Revista INTERFACE, Natal, v.7, n. 2, 63-78, jul./dez. 2010. Disponível em: <http://www.spell.org.br/documentos/ver/6720/analise-da-auto-eficacia-percebida-pelos-profes>.Acesso em: 13 jul.2016.
GARCIA, J. Criatividade e indisciplina nas aulas de Arte. In: VII SEMINÁRIO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO DA REGIÃO SUL. 2008. Anais...Itajaí, SC. UNIVALE, 2008. Disponível em: <http://www.portalanpedsul.com.br/admin/uploads/2008/Educacao_e_arte/Trabalho/01_47_20_CRIATIVIDADE_E_INDISCIPLINA_NAS_AULAS_DE_ARTE.pdf.>. Acesso: 13 maio. 2017.
Garvis, S. Establishing the theoretical construct of pre-service teacher self-efficacy for arts education. Australian Journal of Music Education, Nedlands, n.1, p.29-3, 2009.
Garvis, S.; TWIGG, D.; Pendergast, D. Breaking the negative cycle: The formation of self-efficacy belief in the arts. A focus on professional experience in pre-service teacher education. Australian Journal of Early Childhood, Western Australia, v.36, n.2, p.36-41, 2011.
IAOCHITE, R. T. Auto-eficácia de docentes de educação física. 2007. 175 f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007.  
IAOCHITE, R. T.; AZZI, R. G. Escala de fontes de autoeficácia docente: estudo exploratório com professores de educação física. Psicologia Argumento, Curitiba, v. 30, n. 71, p.659-669, jan. 2012.
IAOCHITE, R. T.; COSTA FILHO, R. A. Autoeficácia docente para o ensino de ginásticana escola: resultados de um projeto de extensão. Revista Triângulo, Uberaba, v. 7, n. 1, p. 77-95, set. 2015. Disponível em: <http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/revistatriangulo/article/view/499>.Acesso em: 20 maio 2017.
Linek, W. M.,et al. The impact of teacher preparation: A study of alternative certification and traditionally prepared teachers in their first year of teaching. Issues in Teacher Education, California, v.21, n.2, p.67-82, 2012.
MARTIN, J.J. et al. The impact of a social cognitive theory-based intervention on
Physical education teacher self-efficacy. Professional Development in Education, London, v. 35, n.4, p.511-529, dez. 2009. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1080/19415250902781814>.Acesso em: 09 mar. 2017.
MACEDO, I. C.; BZUNECK, J. A. Motivação de professores, autoeficácia e fatores do contexto social. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO –EDUCER; ENCONTRO DE PSICOPEDAGOGIA, 9;3., 2009, Curitiba. Anais... Curitiba: PUCPR, 2009. p.7335 – 7344. Disponível em: http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2009/anais/pdf/3103_1586.pdf Acesso em: 26 mar.2016.
MARCONDES, V.V. Políticas Públicas: o ensino de arte na educação básica. 2012. 142f. Universidade Estadual Paulista - UNESP “Júlio de Mesquita Filho” - Instituto de Artes – I.A. São Paulo, 2012.
MONTEIRO, L.P. O professor de Arte na rede pública municipal de Santos: tensões entre a formação e a atuação profissional. 2011. 125 f. Dissertação (Mestrado em Educação)- Universidade Católica de Santos, Santos, 2011.
NASCIMENTO, G.; RIBEIRO, M. R. Arte na Escola: desafios e impasses, um estudo de caso. InCantare: Revista do Núcleo de Estudos e Pesquisas Interdisciplinares em Musicoterapia. Curitiba, v.6, 49-64, dez. 2014. Disponível em: <periodicos.unespar.edu.br/index.php/incantare/article/download/355/pdf_21> Acesso em: 13maio 2017.
NAVARRO, L. P. El análisis de lãs crencias de autoeficacia: un avance hacia El desarrolloprofesional de docente. Miscelânea Comillas, Madrid, v.60, n.117, p.591-612, jul-dec. 2002.
ORECK, B. A. The arts in teaching: an investigation of factors influencing teachers’ use of the arts in the classroom. 2001. 231f. Dissertation (Doctor of Philosophy) - University of Connecticut. Connecticut, 2001. Disponível em: <https://search.proquest.com/docview/304689717>. Acesso em: 28 jun. 2017.
PARDINI, M. R.S. O ensino das Artes na educação básica em tempos de avaliação institucional: um estudo de caso na escola pública estadual paulista. 2010. 238f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - USP Ribeirão Preto, Ribeirão Preto, 2010.
RUZZA, J. A. P. Professores de Artes: formação continuada e os reflexos na sala de aula das séries iniciais. 2008. 192f. Dissertação (Mestrado em Artes) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Artes, São Paulo, 2008. Disponível em: <https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/86922/ruzza_jap_me_ia.pdf?sequence=1>. Acesso em 29 mai. 2017.
SILVA, J. C.; SILVA, M. M. Colaboração entre professores e autoeficácia docente: Que relações? Revista Portuguesa de Educação, Minho, v. 28, n.2, p.87-109, jun, 2015, . Disponível em:< http://biblioteca.versila.com/5134722>.Acesso em: 26 mar. 2016.
SIMÃO, A. M. V. et al. Formação de Professores em contextos colaborativos: Um projecto de investigação em curso. Revista de Ciências da Educação, Porto, n.8, p.61-73, jan./abr. 2009. Disponível em: <http://centrorecursos.movimentoescolamoderna.pt/dt/3_2_formacao_professores/32_22_fom_prof_cont_colabortativos_amvsimao.pdf >.Acesso em: 18 mar. 2016.
SPANAVELLO, C. S.; BELLOCHIO, C. R. Educação musical nos anos iniciais do ensino fundamental: analisando as práticas educativas de professores unidocentes. Revista ABEM, Porto Alegre, v. 13, n.12, p.89-98, mar. 2005.
TSCHANNEN-MORAN, M.; WOOLFOLK HOY, A. Teacher efficacy: Capturing an elusive construct. Teaching and Teacher Education. London, v.17, n.7, p. 783-805, oct, 2001. Disponível em: <http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0742051X01000361> Acesso em: 19 jan. 2016.
WOOLFOLK HOY, A., BURKE SPERO, R. Changes in teacher efficacy during the early years of teaching: A comparison of four measures. Teaching and Teacher Education, London, v.21, n.4, p.343-356, may, 2005.
WOOLFOLK HOY, A.; DAVIS, H. A. Teacher self-efficacy and its influence on the Achievement of adolescents. In: PAJARES, Frank; URDAN, Tim. Self-efficacy beliefs of adolescents. Information Age Publishing, Greenwich, 2006. 117-137.
WELCH, A. The self-efficacy of primary teachers in art education. Issues In Educational Research, Western Australia, v.5, n. 1, p.71-84, 1995. Disponível em: <http://www.iier.org.au/iier5/welch.html>. Acesso em: 19 jan. 2016.

Downloads

Publicado

2018-11-19

Edição

Seção

Artigos