O uso de jogos didáticos para a prevenção de ISTs na adolescência

Autores

  • Mayara dos Santos Silva Universidade Federal do Maranhão
  • Camila Campelo de Sousa Universidade Federal do Maranhão

DOI:

https://doi.org/10.36311/2236-5192.2021.v22n2.p121

Palavras-chave:

Doenças sexualmente transmissíveis, Saúde Pública, Jogos Didáticos

Resumo

As infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) se constituem um sério problema de Saúde Pública no país e os jovens estão mais vulneráveis a essas infecções, fazendo-se necessária uma maior sensibilização desse público. Pesquisadores da área de ensino afirmam que o uso de jogos didáticos têm sido uma das estratégias mais utilizadas para que os alunos compreendam o conteúdo escolar de forma significativa. O presente trabalho abordou a prevenção de ISTs por meio de jogos didáticos, em adolescentes em idade escolar. Foi realizada uma pesquisa bibliográfica no Portal de Periódicos da Capes e no Google para a busca de artigos e sites educativos que abordavam o tema da pesquisa. Realizou-se também um levantamento de jogos didáticos utilizados como atividades práticas em sala de aula, confeccionados com materiais de fácil acesso e baixo custo e que têm por objetivo trabalhar o conteúdo de ISTs. Os autores pesquisados descrevem que as atividades práticas com materiais de baixo custo despertam nos alunos grande interesse e permitem maior assimilação do conteúdo, se constituindo uma ferramenta didática facilitadora a ser utilizada pelas escolas para a prevenção de ISTs na adolescência, uma vez que a informação garante o maior uso de medidas sexuais protetivas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mayara dos Santos Silva, Universidade Federal do Maranhão

Estudante do curso de Licenciatura Interdisciplinar em Ciências Naturais/ Biologia da Universidade Federal do Maranhão.

Camila Campelo de Sousa, Universidade Federal do Maranhão

Docente Adjunto 3 do curso de Licenciatura Interdisciplinar em Ciências Naturais/ Biologia da Universidade Federal do Maranhão. 

Referências

BARBOSA, S. M.; DIAS, F. L. A.; PINHEIRO, A. K. B.; PINHEIRO, P. N. C.; VIEIRA, N. F. C. Jogo educativo como estratégia de educação em saúde para adolescentes na prevenção às DST/AIDS. Revista Eletrônica de Enfermagem [Internet], v. 12, n. 2, p. 337-41, 2010.

BEZERRA, E. P.; TORRES, C. A.; BARROSO, M. G. T. Dialogando com professores na escola sobre sexualidade e doenças sexualmente transmissíveis. Revista Rene, v. 9, n. 4, p. 151-57, 2008.

BROTTO, F. O. Jogos Cooperativos. 6. ed. rev. São Paulo, 2001.

EISENSTEINS, E. Adolescência: Definições, conceitos e critérios. Adolescência & Saúde, v. 2, n. 2, p. 6-7, 2005.

FAÇANHA, M. C. et al. Conhecimento sobre reprodução e sexo seguro de adolescentes de uma escola de ensino médio e fundamental de Fortaleza. Jornal Brasileiro de Doenças Sexualmente Transmissíveis. v.16, n. 2, p. 5-9, 2004.

GONTIJO, D. T. et al. Validação do jogo digital PREVINIX para prevenção de Infecções Sexualmente Transmissíveis na adolescência. Revista de Saúde Digital e Tecnologias Educacionais, v. 4, n. 2, p. 163-178, 2019.

GRANDO, R.C. O conhecimento Matemático e o uso de jogos na sala de aula. 2000. Campinas: Universidade de Campinas. Tese de Doutorado, 2000. 183 p.

MARTINS, D. C. et al. Comportamento sexual e infecções sexualmente transmissíveis em mulheres de apenados. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 26, e3043, 2018.

MARTINS; L. B. M.; COSTA, L. H. S.; PAIVA, M. J. D. O.; SOUSA, M. H.; PINTO-NETO, A. M.; TADINI, V.. Fatores associados ao uso de preservativo masculino e ao conhecimento sobre DST/AIDS em adolescentes de escolas públicas e privadas do Município de São Paulo. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 22, n. 2, p. 315-323, 2006.

MINISTÉRIO DA SAÚDE DO BRASIL. O que são IST?. Disponível em:< http://www.aids.gov.br/pt-br/publico-geral/o-que-sao-ist#:~:text=As%20Infec%C3%A7%C3%B5es%20Sexualmente%20Transmiss%C3%ADveis%20(IST,uma%20pessoa%20que%20esteja%20infectada.>. Acesso em: 29 nov. 2020.

OPAS. A cada dia, há 1 milhão de novos casos de infecções sexualmente transmissíveis curáveis. Disponível em: < https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5958:a-cada-dia-ha-1-milhao-de-novos-casos-de-infeccoes-sexualmente-transmissiveis-curaveis&Itemid=812> Acesso em: 20/02/2021.

SANTOS, L. H. EDUCAÇÃO SEXUAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: Construindo uma unidade didática; proposta de ensino “falando de sexo”. 2019. TCC (Pós-Graduação) – Pós-graduação em Ensino de Ciências e Matemática, Faculdade de Educação, Universidade Federal de pelotas do Rio grande do sul, Pelotas, 2019.

TAQUETTE, S. R. Sexualidade na adolescência. IN: BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Saúde do adolescente: competências e habilidades. Brasília: Ministério da Saúde. 2008. 754p. (Série B. Textos Básicos de Saúde.

WEREBE, M. J. G. Sexualidade política e educação. 1. ed. Campinas: Autores associados, 1998.

Downloads

Publicado

2021-08-13

Edição

Seção

Artigos