Arquivo paradigmático

uma reflexão sobre as propriedades universais das Instituições Arquivísticas a partir do Arquivo Geral das Índias

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36311/1940-1640.2020.v14n4.9987

Palavras-chave:

Arquivo, Ontologia, Propriedade, Propriedades arquivísticas, Formas, Modelos, Usos institucionais

Resumo

Este artigo objetiva apresentar as propriedades universais dos Arquivos, pensados como instituição arquivística, a partir de uma reflexão filosófica a priori, estabelecer fundamentos para determinar a gradação dessas propriedades – e seu nível máximo no Arquivo Paradigmático – e confirmar essas propriedades a partir das formas observadas no Arquivo Geral das Índias, que as exibe em certo grau. Com isso, almeja-se construir um modelo para os Arquivos, determinando como eles devem ser. A abordagem interdisciplinar, entre ontologia e arquivologia, foi adotada, integrando o método de reflexão filosófica aos procedimentos de pesquisa documental, com base em peças de fundos do Arquivo Geral das Índias, coleção pessoal de imagens fotográficas do autor e fontes. A discussão aborda aspectos de práticas, formas e funções, que indicam a essência dos Arquivos e seu caminho para a sua idealidade paradigmática. O Arquivo Geral das Índias é apresentado como um particular que exemplifica essas propriedades essenciais. Nossa conclusão é que há certas propriedades universais essenciais dos Arquivos, ou instituições arquivísticas, que são: a acessibilidade, a durabilidade e a praticabilidade. Somado a isso, o modelo proposto é aplicável para a institucionalização de Arquivos e também para a construção, as reformas, as implantações, a criação de novos espaços, as adaptações, as reestruturações em edifícios e usos institucionais dos espaços do Arquivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alcaide, Antonio. “Rehabilitación y ampliación del Archivo de Indias.”Organizado por María. Albajar. La Casa Lonja de Sevilla: una casa de ricos tesoros. Archivo General de Indias, 2005, pp 63-77.

Aparac-Jeluši?, Tatjana. "The Convergence Paradigm as the Basis for the Design of New Programs in the Field of the Information Sciences." Annual Review of Cultural Heritage Informatics. Edited by Jennifer Arns. Rowman & Littlefield, 2016 pp.42-68

Araújo, Carlos Alberto Ávila. “Ciência da Informação, Biblioteconomia, Arquivologia e Museologia: relações institucionais e teóricas.” Encontos Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Florianópolis, vol. 16, no. 31, 2011, pp.110-130 DOI: https://doi.org/10.5007/1518-2924.2011v16n31p110. Acessado 1 jul. 2020.

Beck, Ingrid. Recomendações para construção de Arquivos. Câmara Técnica de Conservação de Documentos do Conselho Nacional de Arquivos, 2000. http://conarq.gov.br/images/publicacoes_textos/recomendaes_para_construo_de_arquivos.pdf Acessado 1 jul. 2020.

Beck, Ingrid. O ensino da preservação documental nos cursos de arquivologia e biblioteconomia: perspectivas para formar um novo profissional. 2006. Universidade Federal Fluminense em convênio com o Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, Dissertação de Mestrado.

Bellotto, Heloísa. Arquivística: objetos, princípios e rumos. Associação de Arquivistas de São Paulo. 2002.

Bothe, Alina. Meeting Survivors Online: Negotiating Memory in the Virtual In-Between. USC Shoah Foundation. 2016. https://sfi.usc.edu/events/meeting-survivors-online-negotiating-memory-%E2%80%9Cvirtual-between%E2%80%9D Acessado 07 abr. 2020.

Carlin, David and Laurene, Vaughan. Performing Digital: Multiple Perspectives on a Living Archive. Routledge, 2016.

Couture, Carol et al. Les fonctions de l'archivistique contemporaine. Presses de l'Université du Québec. 2011.

Figueiredo, Rodrigo Alexandre de. Uma caracterização das noções de particulares e universais, 2017. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Tese de doutorado.

Gonzalvo, Ana and Francisca, Gonzalvo?. Archivo General de Indias de Sevilla: bóvedas en escalera principal. Original datiloscrito. 1977.?

Gracy, David et al. “Where Function Meets Form: Observations And Thoughts On Housing For The Archival Enterprise.” Provenance: Journal of the Society of Georgia Archivists, vol.18, no.1, 2000, pp 105-154?. https://digitalcommons.kennesaw.edu/provenance/vol18/iss1/9/. Acessado em: 08 jan. 2020.

Heredia Herrera, Antonia. “Gestión de documentos y administración de archivos” Revista Códice vol. 4 no. 2, Jul.-Dez. 2008, pp. 43-50

Meneses, Ulpiano. “O campo do patrimônio cultural: uma revisão de premissas”. Anais do Fórum nacional de patrimônio cultural. Iphan, 2010. https://bit.ly/2pAsqTX. Acessado em: 7 jan. 2020.

Rosa, Maria de Lurdes (Org.) Arquivos de família, séculos XIII-XX: que presente, que futuro? Instituto de Estudos Medievais, 2012.

Trant, Jennifer. “Emerging Convergence? Thoughts on museums, archives, libraries and professional training.” Museum Management and Curatorship, vol. 24, no. 4, pp. 369-386, 2009.

Valenti, Filippo. Nozione di base per un'Archivistica come euristica delle fonti documentarie. Ministero per i Beni e le Attività Culturali Ufficio centrale per i Beni Archivistici, pubblicazioni degli Archivi di Dtato n.57, 2016.

Venâncio, Renato Pinto. Ser e não ser: as relações históricas entre arquivologia e ciência da informação. Brazilian Journal of Information Science: Research Trends. v.11, no.4. 2017. pp 23-32.

Downloads

Publicado

2020-09-19

Como Citar

Aldabalde, T. V., e R. L. Cid. “Arquivo paradigmático: Uma reflexão Sobre As Propriedades Universais Das Instituições Arquivísticas a Partir Do Arquivo Geral Das Índias”. Brazilian Journal of Information Science: Research Trends, vol. 14, nº 4, setembro de 2020, p. e020010, doi:10.36311/1940-1640.2020.v14n4.9987.
Bookmark and Share