Tesauros e ontologias como modelos de sistemas de organização do conhecimento

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36311/1981-1640.2019.v13n1.03.p15

Palavras-chave:

Sistemas de organização do conhecimento, Tesauros, Ontologias, Organização e representação do conhecimento

Resumo

Discute os conceitos de organização e representação do conhecimento como subsídios para a compreensão dos tesauros e das ontologias enquanto modalidades de sistemas de organização do conhecimento. A análise das relações de complementaridade entre ambos os instrumentos faz-se necessária para reafirmar a concepção de que o aspecto tecnológico e, principalmente, categorial mais os aproxima do que os isola. Subordinando, portanto, os conceitos de tesauro e de ontologias ao conceito mais amplo de sistemas de organização do conhecimento, reflete sobre algumas de suas implicações teóricas e aplicadas. Tais reflexões são orientadas pelo modo como cada instrumento compreende as relações conceituais associativas. Conclui-se que o aparato tecnológico que se utiliza para a caracterização dos conceitos e de suas relações nas ontologias contribui para a construção de tesauros mais sofisticados do ponto de vista da explicitação dos conceitos e das relações conceituais que visa estabelecer. Em outra direção e de modo complementar, o modelo de análise categorial e facetado empregado na construção de tesauros também contribui para a construção de ontologias semântica e estruturalmente mais densas.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Walter Moreira, Universidade Estadual Paulista (UNESP)

Universidade Estadual Paulista (Unesp) Faculdade de Filosofia de Ciências (FFC) Departamento de Ciência da Informação (DCI)

Referências

Barité, Mario (2001). Organización del conocimiento: un nuevo marco teórico-conceptual en Bibliotecología y Documentación.// Carrara, K. (Org.). Educação, Universidade e Pesquisa. Marília: Unesp-Marília-Publicações; São Paulo: FAPESP, 2001. 35-60.
Borst, Willem N (1997). Construction of engineering ontologies for knowledge sharing and reuse. Thesis (Ph.D) –Dutch Graduate School for Information and Knowledge Systems, Enschede, 1997.
Branquinho, João (2006). Compromisso ontológico. // Branquinho, João; Murcho,Desidério; Gomes, Nelson G. (Dir.). Enciclopédia de termos lógico-filosóficos. São Paulo: Martins Fontes, 2006.Clarke, Stella G. D.; Zeng, Marcia L. (2012). From ISO 2788 to ISO 25964: the evolution of thesaurus standards towards interoperability and data modeling.// Information Standards Quarterly 24:1 (Winter 2012).
Dahlberg, Ingetraut (1978). Teoria do conceito. // Ciência da informação 7:2 (1978) 101-107.
Dahlberg, Ingetraut (1995). Current trends in knowledge organization.// Garcia Marco, Francisco Javier (org.). Organización del conocimiento ensistemas de información y documentación. Zaragoza: Universidad de Zaragoza,1995.7-25.
Dahlberg, Ingetraut (2006). Knowledge organization: a new science?// Knowledge Organization 33:1 (2006) 11-19.
Davis, Randall; Shrobe, Howard; Szolovits, Peter(1993). What is a knowledge representation?// AI Magazine14:1 (Spring 1993) 17-33.
Gruber, Thomas R (1993). A translation approach to portable ontology specifications. // Knowledge Acquisition5:2 (1993) 199-220.Hjørland, Birger (2015). Arerelations in thesauri “context-free, definitional and true in all possible worlds”? // Journal of the As-sociation for Information Science and Technology 66:7 (2015) 1367-1373.
Hjørland, Birger (2003). Fundamentals of knowledge organization.// Knowledge Organization 30:2 (2003) 87-111.
Hjørland, Birger (2008). What is knowledge organization (KO)?// Knowledge Organization 35:2/3 (2008) 86-101.
International Organization for Standardization (2011). ISO 25964: information and documentation: thesauri and interoperability with other vocabularies -part 1: thesauri for information retrieval. Genebra, 2011.
Panse, Fabian (2014). Duplicate detection in proba-bilistic relational databases. Dissertation (PHD in Informatik) -Universität Hamburg, Hamburg, 2014.
Pickler, Maria Elisa V (2007). Web semântica: ontologias como ferramentas de representação do conhecimento. // Perspectivas em Ciência da Informação 12:1 (jan./abr. 2007) 65-83.
Quine, Willard van (1975). De um ponto de vista lógico. São Paulo: Abril, 1975.
Slavic, Aida; Civallero, Edgardo. (Eds.) (2011). Classification and ontology: formal approaches and access to knowledge: proceedings of the International UDC Seminar, 19-20 September 2011, The Hague, The Netherlands. Würzburg: Ergon Verlag, 2011.
Wallenius, Kalle (2010). Video annotation for studying the brain in naturalistic settings. Thesis (Master of Science in Technology) -Aalto University, Helsinki, 2010.

Downloads

Publicado

2019-03-29

Como Citar

Moreira, W. “Tesauros E Ontologias Como Modelos De Sistemas De organização Do Conhecimento”. Brazilian Journal of Information Science: Research Trends, vol. 13, nº 1, março de 2019, p. 15-20, doi:10.36311/1981-1640.2019.v13n1.03.p15.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)