A comunicação científica em movimento

das origens aos debates atuais

Autores

  • Karen Santos-d'Amorim Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.36311/1940-1640.2021.v15.e02103

Palavras-chave:

Periódico científico, Artigo científico, Sistema da comunicação científica, Acesso aberto, Revistas predatórias

Resumo

Descreve a dinâmica temporal do sistema da comunicação científica, partindo desde a concepção das primeiras atividades de compartilhamento de pesquisas até os debates atuais, que têm culminado em novas formas de comunicação e no aparecimento de novas conjunturas, e contextualiza os atores envolvidos neste sistema. Como metodologia, esta pesquisa exploratória parte da revisão de literatura especializada no domínio estudado e utiliza do método de revisão narrativa, não sistemático e não exaustivo. Como conclusões, citam-se algumas recentes transformações decorrentes das demandas e esforços da Academia para mitigação dos problemas causados pelo novo coronavírus na pandemia de COVID-19, como a aceleração de processos de revisão por pares, e a explosão dos preprints como dispositivos de divulgação de acesso aberto e de rápida disseminação dos resultados das pesquisas. Por fim, destaca a premência da comunicação da ciência para além da Academia, observando-se o processo de tradução do conhecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

About Philosophical Transactions. The Royal Society, 2019, https://royalsocietypublishing.org/rstl/about. Acessado em 05 jan. 2020.

Adams, R. J., Smart, P., and Huff, A. S. “Shades of Grey: Guidelines for Working with the Grey Literature in Systematic Reviews for Management and Organizational Studies”. International Journal of Management Reviews, vol. 19, 2017, pp. 432-454. Acessado 20 dez. 2020.

Bolaño, C. Indústria Cultural: Informação e Capitalismo. Hucitec/Polis, 2000.

Bolaño, C. R. S., Kobashi, N., and Santos, R. N. M. dos. “A lógica econômica da edição científica certificada”. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, 2006, pp. 119-131. Acessado 04 abr. 2019.

Bourdieu, P. Lições da aula. Ática, 1994.

Budapest Open Access Initiative. Budapest Open Access Initiative, 2002, https://www.budapestopenaccessinitiative.org/boai-10-translations/portuguese-brazilian-translation. Acessado 08 nov. 2020

Bufrem, L. S., and Garcia, T. M. “A editora universitária e o compromisso da universidade com as práticas de divulgação do conhecimento produzido”. Em Questão, vol. 20, no. 1, 2014. Acessado 20 abr. 2019

Capes. Avaliação Multidimensional, 2019. Disponível em: https://www1.capes.gov.br/36-noticias/9979-avaliacao-medira-impacto-social-e-insercao-regional-das-pesquisas. Acessado em: 2 jan. 2021

Carpenter, Maria, et al. "Envisioning the Library's Role in Scholarly Communication in the Year 2025." portal: Libraries and the Academy, vol. 11 no. 2, 2011, p. 659-681. Acessado em: 2 jan. 2021

Das, A. K. Scholarly communication. Unesco, 2015.

Data paper instructions. Ecological Society of America, 2020, https://esajournals.onlinelibrary.wiley.com/hub/journal/19399170/resources/data_paper_inst_ecy. Acessado em: 05 set. 2020

Eriksson, S., and Helgesson, G. “The false academy: predatory publishing in science and bioethics”. Medicine, Health Care and Philosophy, vol. 20, 2017, pp. 163-170. Acessado em: 10 set. 2020

Freitas, M. H. “Considerações acerca dos primeiros periódicos científicos brasileiros”. Ci. Inf., vol. 35, no. 3, 2006, pp. 54–66. Acessado em: 05 abr. 2020

Garfield, E. “What do we know About fraud and other forms of intellectual dishonesty in science? Part 2. Why Does Fraud Happen and What Are Its Effects?”. Current Contents, vol. 10, 1987, pp. 93–100. Acessado em: 15 abr. 2020

Garousi, V., Felderer, M., Mäntylä, M. V. “Guidelines for including grey literature and conducting multivocal literature reviews in software engineering”. Information and Software Technology, vol. 106, 2019, p. 101-121. Acessado em: 20 dez. 2020

Garvey, W. D. Communication, the essence of science: facilitating information exchange among librarians, scientists, engineers, and students. Pergamon Press, 1979.

González de Gómez, M. N. G., and Machado, R. R. “A ciência invisível: o papel dos relatórios e as questões de acesso à informação científica”. DataGramaZero, vol. 8, no. 5, 2007. Acessado em: 20 dez. 2020

Guedón, J. C. “Sustaining the ‘Great Conversation’: The future of scholarly and scientific journals”. The future of the academic journal. Edited by B. Cope, and A. Phillips. Chandos Publishing, 2014. pp. 85-112.

Hassan-Montero, Y., Guerrero-Bote, V., and Moya-Anegón, F. “Graphical interface of the SCImago Journal and Country rank: an interactive approach to accessing bibliometric information”. El profesional de la información, vol. 23, no. 3, 2014, pp. 272-278. Acessado em: 20 dez. 2020

Houghton, B. Scientific Periodicals: Their Historical Development, Characteristics, and Control, Bradford. Bingley, 1975.

Hurd, J. M. “The transformation of scientific communication: A model for 2020”. Journal of the American Society for Information Science, vol. 60, no. 8, 2009, pp. 1635-1651.

Institute. Institute for scientific information, 2020, https://en.wikipedia.org/wiki/Institute_for_Scientific_Information#:~:text=The%20Institute%20for%20Scientific%20Information,a%20field%20pioneered%20by%20Garfield. Acessado em 29 jun 2020.

Journal, 2020, https://en.wikipedia.org/wiki/Journal_des_s%C3%A7avans. Acessado em 30 mar 2020

Kent, A., and H. Lancour. Encyclopedia of Library and Information Science, v.48, Supplement II. M. Dekker, 1968–2003.

Larivière, V., Haustein, S., and Mongeon, P. “The Oligopoly of Academic Publishers in the Digital Era”. PLOS ONE, vol. 10, no. 6: e0127502, 2015. Acessado em: 10 abr. 2019

Mabe, M. “Does journal publishing have a future?” Academic and Professional Publishing. Edited by Campbell, R, Pentz, E, and Borthwick, I. Chandos Publishing, 2015.

Martins, H. C. Open Science: os caminhos da produção científica aberta no Brasil. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2020, https://humanas.blog.scielo.org/blog/2020/02/06/open-science-os-caminhos-da-producao-cientifica-aberta-no-brasil/. Acessado em 15 mar. 2020

Meadows, A. J. A comunicação científica. Briquet de Lemos, 1999.

Merton, R. K. “Priorities in Scientific Discovery: A Chapter in the Sociology of Science”. American Sociological Review, vol. 22, no. 6, 1957. Acessado em: 10 dez. 2019

Merton, R. K. The Sociology of Science: Theoretical and Empirical Investigations. University of Chicago Press, 1962.

Mueller, S. P. M., and Caribé, R. C. V. “A comunicação científica para o público leigo: breve histórico”. Informação & Informação, vol. 15, n. 1, 2010, pp. 13-30.

Mueller, S. P. M. “A comunicação científica e o movimento de acesso livre ao conhecimento”. Ci. Inf., vol. 35, no. 2, 2006, pp. 27–38.

O’Donnell, M. Understanding Predatory Publishers, 2019, https://instr.iastate.libguides.com/predatory. Acessado em 06 mar. 2019

Downloads

Publicado

2021-03-05

Como Citar

Santos-d’Amorim, K. “A comunicação científica Em Movimento : Das Origens Aos Debates Atuais”. Brazilian Journal of Information Science: Research Trends, vol. 15, março de 2021, p. e02103, doi:10.36311/1940-1640.2021.v15.e02103.