Convergências e divergências entre a Diplomática Digital e a Ciência Forense Digital

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36311/1940-1640.2020.v14n4.10528

Palavras-chave:

Diplomática Digital, Ciência Forense Digital, Documento arquivístico digital, Autenticidade

Resumo

Fundamentando-se em recentes discussões no âmbito dos estudos arquivísticos acerca do aporte teórico-metodológico da Diplomática na criação, manutenção e preservação de documentos arquivísticos digitais autênticos, o que se convencionou denominar de Diplomática Digital, o presente artigo busca contribuir para os estudos dos documentos arquivísticos digitais ao propor uma análise conjunta à também emergente Ciência Forense Digital. A pesquisa constitui-se de uma sistematização dos conceitos, definições e, sobretudo, de projetos existentes sobre a Diplomática Digital comparando-a com a Ciência Forense Digital. Para tanto, foi realizou-se uma análise da literatura científica da área encontrada em bases de dados internacionais, dos conceitos, definições e, sobretudo, de projetos existentes sobre a Diplomática Digital comparando-a com a Ciência Forense Digital, a fim de delimitar os aspectos que as unem e os que as separam no tocante à análise da autenticidade de documentos digitais. Os resultados demonstram que as áreas convergem no tocante ao uso de ferramentas, na compreensão do contexto jurídico no qual os documentos estão inseridos, na busca por identificar de forma imparcial o contexto de seus objetos digitais, na aplicação de conceitos e métodos semelhantes e na capacidade que seus profissionais possuem de atestar a integridade, autenticidade e confiabilidade de objetos digitais em audiência jurídica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raquel Torrão Valentim, Universidade Federal Fluminense

Bacharel em Arquivologia pela Universidade Federal Fluminense - UFF

Natalia Bolfarini Tognoli, Universidade Federal Fluminense

Professora do Departamento de Ciência da Informação e do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal Fluminense - UFF

Referências

Bardin, Laurence. Ana?lise de conteu?do. Lisboa: Edic?o?es 70 Ltda, 1977.
Bellotto, Heloísa Liberalli. Como fazer análise diplomática e análise tipológica de documento de arquivo. São Paulo: Arquivo do Estado; Imprensa Oficial do Estado, 2002, www.arquivoestado.sp.gov.br/site/assets/publicacao/anexo/como_fazer_analise_diplomatica_e_analise_tipologica.pdf. Acessado 22 set. 2019.
Calazans, Carlos Henrique, e Calazans, Sandra Maria Pereira. "Ciência Forense: das Origens à Ciencia Forense Computacional”. In: XV Seminário Regional de Informática, 2005, Santo Ângelo. Anais do 15º Seminário Regional de Informática. Santo Ângelo: Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, 2005.
Chaui, Marilena. Convite à Filosofia. 14. ed. São Paulo: editora ática. 2012. ISBN: 978-85-08-13469-4.
Chemello, Emiliano. “Ciência Forense: impressões digitais”. Química Virtual. 11 p, 2006, www.quimica.net/emiliano/artigos/2006dez_forense1.pdf. Acessado 02 nov. 2019.
Cohen, Frederick B. “Digital diplomatics and forensics: going forward on a global basis”. Records Management Journal. v. 25, n. 1, p. 21-44, 2015.
Cohen, Fred. Digital Forensic Evidence Examination. 5. ed. Livermore, CA: Fred Cohen & Associates, 2013, 517 p.
Conselho Nacional De Arquivos. Camara Tecnica De Documentos Eletronicos. Glossário de documentos arquivísticos digitais. 7ª versão, 2016, conarq.gov.br/images/ctde/Glossario/2016-CTDE-Glossario_V7_public.pdf. Acessado 04 jul. 2020.
Dietrich, Dianne, and Adelstein, Frank. “Archival Science, digital forensics, and new media art”. Elsevier. p.137-145, 2015.
Digital Forensics Research Workshop, 2001, https://dfrws.org/sites/default/files/session-files/a_road_map_for_digital_forensic_research.pdf. Acesso em: 04 jul. 2020.
Duranti, Luciana, and Endicott-Popovsky, Barbara. “Digital Records Forensics: A New Science and Academic Program for Forensic Readiness”, Journal of Digital Forensics, vol. 5, 2010, Security and Law, commons.erau.edu/jdfsl/vol5/iss2/4/. Acessado 03 nov. 2018.
Duranti, Luciana. “From Digital Diplomatics to Digital Records Forensics”. Archivaria, vol. 68, p. 39-66, 2009.
Duranti, Luciana, and Rogers, Corinne. “Educating for trust”. Arch Sci, p. 373-390, 2011.
Fachone, Patricia de Cassia Valerio. Ciencia e justiça: a institucionalização da ciencia forense no Brasil. 2008. 163f. Instituto de Geociencias, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008, www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/286843. Acessado 11 ago. 2018.
Fachone, Patrícia, and Velho, Léa. “Ciência Forense: Interseção, Justiça, Ciência e Tecnologia”. Revista Tecnologia e Sociedade, vol.3, no.4, p. 139-161, 2007.
Guimarães, José Augusto Chaves, and Sales, Rodrigo de. “Análise documental: concepções do universo acadêmico brasileiro em Ciência da Informação”. DataGramaZero – Revista de Ciência da Informação, vol. 11, no. 1, s/p, 2010, www.brapci.inf.br/index.php/article/download/8293. Acessado 27 nov. 2019.
Interpares Project. InterPARES: International Research on Permanent Authentic Records in Electronic Systems, 2020, www.interpares.org. Acessado 27 nov. 2019.
Irons, Alastair. “Computer Forensics and Records Management – Compatible Disciplines”. Records Management Journal. vol. 16, no. 2, p. 102-112, 2006.
Lungarzo, Carlos. O que é ciência. 7. ed. São Paulo: editora brasiliense. 1995. ISBN: 85-01220-6.
Mogollón, Juan Bernardo Montoya, and Rodríguez, Sonia Maria Troitiño. “Diplomática Forense: revisão histórica para a abordagem do documento nato-digital de arquivo”. Ivestigación Bibliotecológica. México: vol. 33, no. 78, p. 47-62, 2019.
Oliveira, João Luiz Moreira de. Perícia e investigação criminal: uma proposta de melhoria do modelo organizacional visando a otimização de resultados, 2013, bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/11868/PER%C3%8DCIA%20E%20INVESTIGA%C3%87%C3%83O%20CRIMINAL.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Fundação Getulio Vargas, Dissertação Mestrado. Acessado 18 fev. 2020.
Reis, Marcelo Abdalla dos, and Geus, Paulo Lício de. Análise Forense de Intrusões em Sistemas Computacionais: Técnicas, Procedimentos e Ferramentas, 2002, www.truzzi.com.br/blog/wp-content/uploads/2010/07/Monografia_AnaliseForense.pdf. Universidade Estadual de Campinas, Monografia Mestrado. Acessado 30 out. 2019.
Rodrigues, Ana Célia. “Identificação como requisito metodológico para a gestão de documentos e acesso a informações na administração pública brasileira”. Ciência da Informação, vol. 1, no. 42, 2015, p. 64-80.
Rogers, Corinne. “Diplomatics of born digital documents – considering documentar for in a digital environment”. Records Management Journal, vo. 25, p. 6-20, 2015.
Rogers, Corinne. “From time theft to time stamps: mapping the development of digital forensics from law enforcement to archival authority”. International Journal of Digital Humanities: p. 13-28, 2019, https://doi.org/10.1007/s42803-019-00002-y. Acessado 20 jan. 2020.
Sales, Rodrigo de. Tesauros e ontologias sob a luz da Teoria Comunicativa da Terminologia, 2008. Universidade Federal de Santa Catarina, Dissertação Mestrado.
Scientific Working Group On Digital Evidence. Digital & Multimedia Evidence Glossary, vol 3, 2016, https://www.swgde.org/documents/published. Acessado 05 jul. 2020.
Sickel, Theodor Von. Acta regum er imperatorum Karolinorum digesta et enarrata. Wien: Duck und Verlag Von Carl Gerold’s Sohn, 1867.
Silva, Anelise Barbosa da, and Tognoli, Natália Bolfarini. “Diplomática digital: uma nova abordagem?” In: BARROS, T.H.B. ET AL (Org). A pesquisa e o ensino da Arquivologia: perspectivas na era digital. Belém: Editora da UFPA, 2019. p. 98-107.
Tessier, Georges. Leçon d’ouverture du cours de diplomatique à L’Ecole des chartes. In: Bibliothèque de l’Ecole des Chartes, 1930, tome 91, p. 241-263.
Tognoli, Natália Bolfarini. A construção teórica da Diplomática: em busca da sistematização de seus marcos teóricos como subsídios aos estudos arquivísticos. 1. ed. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014.
Tognoli, Natália Bolfarini. “Diplomática: dos diplomas aos documentos digitais”. Revista do Arquivo, no. 6, p. 34-46, 2018.
Tognoli, Natália Bolfarini. “Metateoria e Diplomática: a construção de um novo modelo de análise para a identificação de documentos de arquivo”. Scire. p. 75-81, 2015.
United Nations Office On Drugs And Crime. Conscientização sobre o local de crime e as evidências materiais em especial para pessoal não-forense. New York, 2010, www.novo.justica.gov.br/sua-seguranca/seguranca-publica/analise-e-pesquisa/download/estudos_diversos/6manual_pericia_nao-forense-1.pdf. Acessado 18 fev. 2020.
Xie, Sherry L. “Building Foundations for Digital Records Forensics: A Comparative Study of the Concept of Reproduction in Digital Records Management and Digital Forensics”. The American Archivist, vol. 74, no. 2, p. 576-599, 2011, https://www.jstor.org/stable/23079051?seq=1. Acessado 14 jan. 2020.

Downloads

Publicado

2020-09-25

Como Citar

Valentim, R. T., e N. B. Tognoli. “Convergências E Divergências Entre a Diplomática Digital E a Ciência Forense Digital”. Brazilian Journal of Information Science: Research Trends, vol. 14, nº 4, setembro de 2020, p. e020011, doi:10.36311/1940-1640.2020.v14n4.10528.
Bookmark and Share