O acolhimento dos primeiros grupos de venezuelanos interiorizados em Belo Horizonte

Autores

  • Uiara Lopes Miranda UFMG
  • Carla Bronzo Fundação João Pinheiro

DOI:

https://doi.org/10.36311/2237-7743.2021.v10n2.p410-435

Palavras-chave:

Acolhimento Institucional, Administração Pública, Venezuelanos, Imigrantes, Refugiados

Resumo

O deslocamento de venezuelanos pelo continente tem se aprofundado, e o Brasil, que historicamente recebe poucas solicitações de refúgio, viu esse número crescer exponencialmente a partir de 2018. Uma resposta que o Estado Brasileiro tem dado a esse fluxo consiste no processo de interiorização, ou seja, no deslocamento voluntário de venezuelanos instalados no estado de Roraima, para outros estados do Brasil. Assim, este artigo busca responder a seguinte pergunta: como foi o acolhimento dos primeiros grupos de venezuelanos interiorizados em Belo Horizonte, em 2019? Para isso, a pesquisa se utilizou de um vasto referencial teórico (ZUZARTE E MOULIN, 2018; MILESI, 2003; HADDAD, 2008; FACUNDO, 2014; HAMID, 2012; PENNINX, 2015; STRANG ET AL, 2019), bem como de uma pesquisa de campo baseada em análises qualitativas de entrevistas semi-estruturadas realizadas com atores do poder público e atores não governamentais (três atores do poder público a nível federal, estadual, e municipal; representante das Nações Unidas e representantes das redes de acolhimento locais). Os resultados da pesquisa apontam para um acolhimento federal emergencial, mas a não continuidade dessas políticas a nível local, promovendo uma espécie de abandono dessas pessoas em momento posterior ao da interiorização. Os espaços institucionais são escassos e não existem políticas públicas adequadas voltadas as populações migrantes e refugiadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Uiara Lopes Miranda, UFMG

Mestra em Administração Pública pela Escola de Governo da Fundação João Pinheiro, especialista em Gestão de Projetos, e bacharel em Administração pela Puc Minas. Administradora da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), atuando na área de gestão de pessoas. Experiência profissional no setores público e privado, com trabalhos desenvolvidos em estudos de viabilidade de projetos, planejamento estratégico, análises econômicas e financeiras, auditoria externa e interna, e análise de conformidade às normas (compliance). Experiência ainda com estudos para o aprimoramento de desempenho organizacional. Interesse por assuntos ligados a administração e gestão pública, e estudos sobre migrações e refúgio. Inglês e francês intermediários.

Carla Bronzo, Fundação João Pinheiro

Graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Minas Gerais (1987), mestrado em Sociologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (1994) e doutorado em Sociologia e Política pela Universidade Federal de Minas Gerais (2005), com tese sobre o tema da pobreza e políticas de proteção social. Pesquisadora e professora da Escola de Governo/Fundação João Pinheiro/MG, nos cursos de graduação, especialização e mestrado em administração pública. Leciona disciplinas de sociologia, metodologia, desenho e avaliação de políticas sociais, bem estar e proteção social. Desenvolve pesquisas no campo das políticas para infancia e juventude e no campo das políticas de proteção social, principalmente relacionadas com o tema da pobreza, vulnerabilidade e proteção social não contributiva.

Referências

ACNUR. Refugiados. Disponível em: <https://www.acnur.org/portugues/quem-ajudamos/refugiados/>. Acesso em: 17 mar. 2019a.

ACNUR. Convenção de 1951. Disponível em: <https://www.acnur.org/portugues/convencao-de-1951/>. Acesso em: 8 fev. 2019b.

ACNUR; OIM. Plataforma Regional de Coordinación Interagencial para Refugiados y Migrantes de Venezuela. Disponível em: <https://r4v.info/es/situations/platform>. Acesso em: 29 out. 2019.

ANDRADE, J. H. F. Aspectos Históricos da Proteção de Refugiados no Brasil (1951-1997). In: Refúgio no Brasil - Comentário à lei 9.474/97. São Paulo: Quartier Latin/ACNUR, 2017. p. 41 - 81.

BARBOSA, R. F. Integrando imigrantes e refugiados: em busca de definições. Caderno Eletrônico de Ciências Sociais, v. 6, n. 1, p. 24–43, 2018.

BARICHELLO, S. E.; ARAUJO, L. E. B. DE. Aspectos históricos da evolução e do reconhecimento internacional do status de refugiado. Universitas Relações Internacionais, v. 12, n. 2, p. 63–76, 2014.

BRASIL. Lei no 6.815, de 19 de agosto de 1980. Define a situação jurídica do estrangeiro no Brasil, cria o Conselho Nacional de Imigração. 1980. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L6815.htm>. Acesso em: 02 abr. 2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil., 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 10 set. 2019

BRASIL. Política Nacional de Assistência Social - PNAS/2004. Ministério do desenvolvimento social e combate à Fome. Brasília, 2004. Disponível em: <http://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/assistencia_social/Normativas/PNAS2004.pdf>. Acesso em: 02 abr. 2020.

BRASIL. Resolução no 126, de 02 de março de 2017. Dispõe sobre a concessão de residência temporária a nacional de país fronteiriço. 2017. Disponível em: <https://www.legisweb.com.br/legislacao/?id=338243>. Acesso em: 18 mar. 2019

BRASIL. Presidência da República - Casa Civil: 8a Reunião Comitê Federal de Assistência Emergencial. Brasília. 2018a. Disponível em: <https://www.gov.br/casacivil/pt-br/assuntos/operacao-acolhida/documentos/apresentacao-8a-reuniao-comite-federal-4-12-2018/view>. Acesso em: 12 mar. 2020.

BRASIL. Lei no 13.684, de 21 de junho de 2018. Dispõe sobre medidas de assistência emergencial para acolhimento a pessoas em situação de vulnerabilidade decorrente de fluxo migratório provocado por crise humanitária; e dá outras providências. 2018b. Disponível em: . Acesso em: 4 jun. 2019.

FACUNDO, A. Êxodos e Refúgios: colombianos e refugiados no sul e sudeste do Brasil. 2014. 388 f.Tese. [Doutorado em Antropologia]. Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, 2014.

FIGUEIRA, R. R. Razões da xenofobia: ensaio sobre os fatores contribuintes da violência xenofóbica contra imigrantes e refugiados venezuelanos em Roraima. In: Migrações Venezuelanas. Campinas: Núcleo de Estudos de População “Elza Berquó” – Nepo/Unicamp, 2018.

FRAZÃO, S. M. Política (i)migratória brasileira e a construção de um perfil de migrante desejado: lugar de memória e impasses. Antíteses, v. 10, n. 20, p. 1103-1128, 2017.

HADDAD, E. The refugee in international society: between sovereigns. Cambridge: Cambridge University Press, 2008.

HAMID, S. C. (Des)integrando Refugiados: os processos do reassentamento de palestinos no Brasil. 2012. 326 f.Tese. [Doutorado em Antropologia Social]. Universidade de Brasília (UnB), Brasília, 2012.

JACOBSEN, K. The forgotten solution : local integration for refugees in developing countries. New Issues in Refugee Research, n. 45, p. 1–42, 2001.

JUBILUT, L. L. A Acolhida da População Refugiada em São Paulo: a sociedade civil e a proteção aos refugiados. In: Refugiados. Vila Velha/Espírito Santo: NUARES – Centro Universitário Vila Velha; ACNUR; IMDH, 2005. p. 95–129.

KERBER, E. da C. A superação do estatuto do estrangeiro sob a ótica dos direitos humanos: discutindo a legislação brasileira sobre migrações. 2015. 55 f. Monografia. [Bacharelado em Direito]. Universidade Federal do Rio Grande (FURG), Rio Grande do Sul, 2015.

LAPA, R. C. C.; MENDES, V. A.; NASCIMENTO, L. S. DO. Acesso à saúde pelos migrantes forçados venezuelanos no Brasil: análise internacional jurídico-política do caso de Roraima. Unisanta Law anda Social Science, v. 7, n. 3, p. 417–422, 2018.

MORAES, A. L. Z. de. A Formação da política imigratória brasileira: da colonização ao estado novo. Revista da Faculdade de Direito da UFRGS, v. Especial, 2014.

MILESI, R. (ORG). Refugiados: Realidade e Perspectivas. Brasília: CSEM/IMDH: Edições Loyola, 2003.

MILESI, R.; COURY, P.; ROVERY, J. Migração Venezuelana ao Brasil: discurso político e xenofobia no contexto atual. Aedos, v. 10, n. 22, p. 53–70, 2018.

MJ. Processos de Reconhecimento da Condição de Refugiado. Disponível em: <https://www.justica.gov.br/seus-direitos/refugio/perguntas-frequentes>. Acesso em: 29 jan. 2020.

OLIVEIRA, A. T. R. de. Nova lei brasileira de migração: avanços, desafios e ameaças. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 34, n. 1, p. 171-179, 2017.

PBH. Decreto no 15.517, de 31 de março de 2014. Disponível em: < https://leismunicipais.com.br/a/mg/b/belo-horizonte/decreto/2014/1552/15517/decreto-n-15517-2014-dispoe-sobre-a-1a-conferencia-municipal-de-migracoes-e-refugio>. Acesso em: 12 mar. 2020.

PENNINX, R. Integration of migrants. Economic, social, cultural and political dimensions. In: M. MACURA, A. L. MACDONALD, W. H. (Ed.). The new demographic regime: Population challenges and policy responses. New York: United Nations, 2005. p. 137–151.

PERIN, V. “Um Campo de Refugiados sem Cercas”: Etnografia de um Aparato de Governo de Populações Refugiadas. Horizontes Antropológicos, v. 20, n. 41, p. 303–330, 2014.

RUSEISHVILI, S.; CARVALHO, R. C. DE; NOGUEIRA, M. F. S. Construção social do estado de emergência e governança das migrações. O decreto estadual no 24.469-E como divisor de águas. In: Migrações Venezuelanas. Campinas: Núcleo de Estudos de População “Elza Berquó” – Nepo/Unicamp, 2018. p. 57–67.

SEDESE. Comitrate. Disponível em: <http://www.direitoshumanos.mg.gov.br/pagina/conselhos-e-comites/comitrate>. Acesso em: 20 out. 2019.

SILVA, S. A. DA. Imigração recente na região norte: impactos e desafios às políticas públicas. In: Impacto dos Fluxos imigratórios recentes no Brasil. Santo André: Universidade Federal do ABC, 2017. p. 10–28.

SILVA, J. C. J. Uma política migratória reativa e inadequada - a migração venezuelana para o Brasil e a resolução N. 126 do Conselho Nacional de Imigração (CNIG). In: Migrações Sul-Sul. Campinas: Unicamp, 2018. p. 637.

SJMR. Serviço Jesuíta à Migrantes e Refugiados - Acolhe Brasil. Disponível em: <https://sjmrbrasil.org/>. Acesso em: 8 nov. 2019.

STRANG, A. et al. Home Office Indicators of Integration framework 2019. Brighton: 2019. Disponível em: <https://www.gov.uk/government/publications/home-office-indicators-of-integration-framework-2019>. Acesso em: 12 mar. 2020.

VENTURA, D. F. L. La trampa: a política migratória dos Estados Unidos e a ascensão mundial da xenofobia. [Entrevista]. Instituto de Relações Internacionais PUC-Rio, pronunciada dia 21 de março de 2017. Disponível em: . Acesso em: 22 set. 2021.

ZUZARTE, A. De Davi à Golias: Uma breve história do ACNUR. 2018. Disponível em: <https://www.cafehistoria.com.br/breve-historia-acnur/.>. Acesso em: 21 maio. 2019.

ZUZARTE, A.; MOULIN, C. Refugiados urbanos: política, polícia e resistência nas fronteiras da cidade. REMHU: Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana, v. 26, n. 53, p. 219–234, 2018.

Downloads

Publicado

2021-11-30

Como Citar

MIRANDA, U. L.; BRONZO, C. O acolhimento dos primeiros grupos de venezuelanos interiorizados em Belo Horizonte. Brazilian Journal of International Relations, Marília, SP, v. 10, n. 2, p. 410–435, 2021. DOI: 10.36311/2237-7743.2021.v10n2.p410-435. Disponível em: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/bjir/article/view/10341. Acesso em: 30 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos