ALTERIDADE COMO DIMENSÃO ÉTICO-POLÍTICA DA PRÁXIS DE ANTONIO GRAMSCI

Autores

  • Claudio Reis UNESP

DOI:

https://doi.org/10.36311/2526-1843.2020.v5n7.p104-125

Palavras-chave:

Alteridade, Antonio Gramsci, Escritos Políticos

Resumo

Neste trabalho são ressaltados, a partir dos Escritos Políticos d[1]e Antonio Gramsci, os elementos que compõem uma concepção de alteridade fundamental para o avanço do movimento operário e dos grupos subalternos. Para o autor italiano, a construção de uma nova configuração ético-moral humana é necessária para a concretização do projeto direcionado a um novo mundo. Novas relações, novos sentimentos e novos valores, são indispensáveis para a organização de uma nova vida integral. Para tanto, a alteridade é ponto-chave. É por meio dela que se viabiliza grande parte dos processos voltados para a efetivação do amplo e complexo conjunto de situações favoráveis às classes e aos grupos dominados pela ordem burguesa. A alteridade é uma dimensão ético-política da práxis de Antonio Gramsci e o objetivo deste texto é demonstrá-la.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudio Reis, UNESP

Professor de Teoria Política da FCH/UFGD e Coordenador do Grupo de Estudos Antonio Gramsci/UFGD. Membro da IGS/Brasil.

Downloads

Publicado

2020-12-18

Edição

Seção

Artigos