O CONCEITO DE FORÇA VITAL NA MODERNIDADE: A CONSTITUIÇÃO DE UM SABER SOBRE O VIVENTE

  • Leonel Tractenberg Psicólogo, Professor Adjunto da Faculdade de Administração e Finanças da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) https://orcid.org/0000-0002-9871-9309
  • Cristiane Daniel Psicóloga, Supervisora clínica da Divisão de Psicologia Aplicada do Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
Palavras-chave: Modernidade, Ciências da Vida, Força Vital, Vitalismo, Mecanicismo

Resumo

A modernidade foi um período em que se organizou um saber sobre o vivente em meio aos ideais do Iluminismo. Constituindo esse saber encontramos noções cuja história reflete tensionamentos entre concepções de ciência, humano e vida. Estas consolidaram modelos distintos para se pensar a construção de um sujeito entre valores éticos, sociais e morais. Uma dessas noções foi a ideia de força vital. Sua formulação moderna consiste no solo teórico no qual muitas ideias da filosofia, da biologia e da medicina estão enraizadas. Ao que corresponde essa ideia? Como é apropriada pelos pensadores da modernidade? Hoje a vida, as ciências da vida são igualmente um campo privilegiado de investimentos de toda ordem: tecnológica, científica, política, mercadológica e estética, dentre outras. Essa discussão teórica, explorada em profundidade, nos remeterá a ideias e pressupostos fundamentais, envolvendo as próprias visões contemporâneas sobre vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABOUD, A.C.S.V.; MOURA, M.M.D. e MENEZES, R.A. Perspectiva histórica dos fenômenos da vida e da morte: mecanicismo e vitalismo. Rio de Janeiro: UERJ, IMS, 1999. (Série Estudos em Saúde Coletiva, n.195)

BEZERRA JUNIOR, B. C. O impacto das biotecnologias: um ponto de vista. Ide, São Paulo, v.43, p.50-56, nov., 2006.

BIRMAN, J. Arquivos do mal-estar e da resistência. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

______. Cadernos sobre o mal. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009. CANGUILHEM, G. La conaissance de la vie. Paris: Hachette, 1952.

______. O normal e o patológico. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002.

______. Vida. Veritas - Revista de filosofia da PUCRS, Porto Alegre, v.60, n.2, p. 264286, maio-ago., 2015.

CASTIEL, L.D. Complexidade e biologia. Revista da SBHC, n.8, p.21-30, Rio de Janeiro, 1992.

CHAUÍ, M. Convite à filosofia. São Paulo: Ática, 2000.

______. Filosofia moderna. In: OLIVEIRA, A.M. de et al. Primeira Filosofia: aspectos da História da Filosofia. São Paulo: Brasiliense, 1984.

DESNÉ, R. A filosofia francesa no século XVIII. In: CHATELÊT, F. (org.) História da Filosofia Vol. II. Lisboa: Dom Quixote, 1981.

DONATELLI, M.C. de O.F. Sobre o Tratado de Mecânica de Descartes. Scientiae Studia, v.6, n.4, p. 639-54, 2008.

______. A ‘oscilação’ de La Mettrie: o modelo mecânico e o processo fisiológico. Trabalho apresentado no IV Seminário de História da Filosofia da Ciência, 2010.

DUCHESNEAU, F. Les modèles du vivant de Descartes à Leibniz. Paris: Vrin, 1998.

FERREIRA, M. A. A teleologia na biologia contemporânea. Scientiae Studia, v.1, n.2, p.183-193, 2003.

FOUCAULT, M. Nietzsche, Freud e Marx. São Paulo: Princípio, 1997.

______. As palavras e as coisas. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

FREUND, J. Sociologia de Max Weber. Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária, 2003.

HIMMELFARB, G. Os caminhos para a modernidade - os iluminismos britânico, francês e americano. São Paulo: Realizações, 2011.

KOYRÉ, A. Estudos de história do pensamento científico. Rio de Janeiro: Forense Universitária; Brasília: Universidade de Brasília, 1982.

______. Do mundo fechado ao universo infinito. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

KUMAR, K. Da sociedade pós-industrial à pós-moderna: novas teorias sobre o mundo contemporâneo. Rio de Janeiro: Zahar, 1997.

JANCZUR, Christine; PRESTES, Maria Elice Brzezinski. Reflexões de Claude Bernard sobre o lugar da fisiologia experimental no debate vitalismo versus materialismo. Boletim de História e Filosofia da Biologia, n.11, v.3, p.4-10, setembro, 2017.

LACERDA, T. M. Leibniz: O infinito no corpo orgânico. Cadernos Espinosanos, n.31, p.28-56, jul-dez 2014.

LOSEE, J. Introdução histórica à filosofia da ciência. São Paulo: EdUSP, 1979. MORA, J. F. Dicionário de filosofia. Edição revisada, aumentada e atualizada por Josep-Maria Terricabras. São Paulo: Loyola, 2001.

PIERUCCI, A. F. O desencantamento do mundo. Todos os passos do conceito em Max Weber. São Paulo: Editora 34, 2013.

PIGNATARO, A. Le lien entre sensibilité et pensée dans la critique de l´automatisme animal de Descartes. Les Cahiers antispécistes, n.26, 2005.

PUTTINI, R.F.; PEREIRA JR., A. Além do mecanicismo e do vitalismo: a “normatividade da vida” em Georges Canguilhem. Physis, Rio de Janeiro, v.17, n.3, p.451-464, 2007.

ROSS, G. M. Leibniz. São Paulo: Loyola, 2001. ROSSI, P. Naufrágios sem espectador. A ideia de progresso. São Paulo: Unesp, 1996.

RUSSO, M. Irritabilidade e Sensibilidade: fisiologia e filosofia de Albrecht von Haller. In: MARTINS, R.A. et al. (orgs.). Filosofia e História da Ciência no Cone Sul. 3o Encontro. Campinas: AFHIC, 2004, v.1, p. 310-319.

SILVA, G., DUARTE, L.F.D. Epigênese e epigenética: as muitas vidas do vitalismo ocidental. Horizontes Antropológicos, n.46, Julho 2016.

STAROBINSKI, J. Ação e reação. Vida e aventuras de um casal. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

TAVARES, L. A. James Watt: A trajetória que levou ao desenvolvimento da máquina a vapor vista por seus biógrafos e homens de ciências. 2008. Tese (Mestrado em História da Ciência). Universidade Católica de São Paulo, PUC-SP. São Paulo, SP.

TELL, F. Histoire de la notion de vie. 2006. Disponível em: http://www.juliepatris.univ-cezanne.fr/cours/DP1/vie.pdf. Acesso em: 28/jan/2016.

WAISSE, S.; AMARAL, M.T.C.G. do; ALFONSO-GOLDFARB, A.M. Raízes do vitalismo francês: Bordeu e Barthez, entre Paris e Montpellier. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.18, n.3, p.625-640, jul.-set. 2011.
Publicado
2019-12-31
Seção
Artigos