ÉTICA E ESTÉTICA NO ROMANCE JÚLIA OU A NOVA HELOÍSA DE JEAN-JACQUES ROUSSEAU

Palavras-chave: Belo, Bom, Muito Belo, Muito Bom, Estética, Romance

Resumo

Em 1761, o filósofo Jean-Jacques Rousseau publicou o romance epistolar Júlia ou a nova Heloísa, cujo principal tema é a virtude. Não obstante, ainda na primeira parte do romance, a personagem Saint-Preux propõe um método de estudos para a personagem Júlia, que consiste em cultivar o espírito por meio de uma singular educação moral e, sobretudo, estética. Entretanto, diferentemente dos outros escritos de Rousseau, é na Nova Heloísa que ele desdobra os conceitos de belo e de bom nos conceitos de muito belo e de muito bom, que são fundamentais para a concepção estética e moral do filósofo, assim como para a organização interna do romance. Este artigo tem por objetivo, portanto, circunscrever, no romance, um aspecto da estética de Rousseau, destacando sua ligação com a moral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ROUSSEAU, J-J. Julie ou la Nouvelle Héloïse, texte établi et annoté par B. Gagnebin et M. Raymond, Oeuvres Completes (O.C.). Paris : Gallimard, « Bibliothèque de la Pléiade », t. II, 1961.

______. Júlia, ou, A Nova Heloísa. São Paulo: Editora de Humanismo, Ciência e tecnologia HUCITEC em coedição com a Universidade Estadual de Campinas UNICAMP, 1994.

______. Emílio, ou, Da Educação. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

______. Discurso sobre as ciências e as artes. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

______. Discurso sobre a Origem e os Fundamentos da Desigualdade entre os Homens. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

______. Prefácio de Narciso. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

______. Carta a d’Alembert sobre os espetáculos Campinas, SP: Editora Unicamp, 2015.

______. Confissões. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2018.

DIDEROT, D. Elogio a Richardson. São Paulo: Perspectiva, 2000.

______. Ensaios sobre a pintura. Campinas, SP: Papirus: Editora da Universidade de Campinas, 1993.

______. O sobrinho de Rameau. São Paulo: Perspectiva, 2006.

CASSIRER, E. A questão Jean-Jacques Rousseau. São Paulo: Editora Unesp, 1999.

DUFLO, Colas, Les aventures de Sophie. La philosophie dans Le Roman au XVIII siècle. Paris: CNRS Éditions, 2013.

FORT, B. “Peinture et féminité chez Jean-Jacques Rousseau”. In: Reveu d’Histoire littéraire de la France. Nº2, 2004, p. 362-294.

GILSON, E. Heloísa & Abelardo. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2007.

JAUSS, H. R. Pour une herméneutique littéraire, Paris: Éditions Gallimard, 1982.

JOST, F. Richardson Rousseau et le roman épitolaire. In: Cahiers de l’associoation internationale des études françaises, 1977, nº 29, p. 173- 185.

KANT, I. Crítica da faculdade de julgar. Petrópolis, RJ: Vozes; Bragança Paulista, SP: Editora Universitária São Francisco, 2019.

MALL, L. Émile ou les figures de la fiction. Oxford, The Voltaire Foundation : 2002.

PLUTARCO. As vidas dos homens ilustres. Terceiro tomo. São Paulo: Editora das Américas, 1954.

STAROBINSKI, J. Jean-Jacques Rousseau a transparência e o obstáculo. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

______. Accuser et Séduire. Essais sur Jean-Jacques Rousseau. Paris : Gallimard, 2012.
Publicado
2020-07-20
Seção
Artigos