PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE INDIVÍDUOS COM LESÃO MEDULAR ATENDIDOS PELO PROGRAMA DE ATIVIDADES MOTORAS PARA DEFICIENTES NA CIDADE DE MANAUS

Autores

Palavras-chave:

lesão medular, perfil epidemiológico, reabilitação, paraplegia, tetraplegia

Resumo

Este estudo tem como objetivo descrever o perfil epidemiológico de indivíduos com lesão medular, participantes de uma equipe de reabilitação multiprofissional desenvolvida por um Programa de Extensão da Universidade Federal do Amazonas, durante o período de 2014 a 2016, buscando caracterizar e classificar a amostra quanto ao sexo, idade, grau de instrução escolar, zona da cidade na qual reside, etiologia da lesão e segmento medular lesionado. A pesquisa se caracteriza como documental, os dados foram analisados a partir da ficha cadastral de 50 participantes, os dados foram analisados por meio do software Microsoft Excel e organizados em planilha, gráficos e tabelas, para o tratamento dos dados foi empregada a estatística descritiva. Os resultados apontaram que a prevalência de indivíduos é do sexo masculino, com idade entre 22 e 69 anos. Considerando que os indivíduos são moradores da cidade de Manaus, a maior prevalência foi de residentes da zona leste, a etiologia predominante se constituiu por lesão de arma de fogo, a escolaridade prevalente foi o ensino médio, e o nível da lesão foi a torácica. Por meio dos resultados apresentados, acredita-se que é possível desenvolver ações de prevenção a Lesão Medular, no intuito de sensibilizar a atitudes antiviolentas, e também definir políticas públicas para a reabilitação motora e funcional dessas pessoas visando uma melhor qualidade de vida, e a reinserção das mesmas no mercado de trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Fórum Brasileiro de Segurança Pública.Atlas da violência. Rio de Janeiro, 2017.


BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estimativas da População para Estados e Municípios. Diário oficial. Nº 167.2017


BRASIL. Ministério da Saúde. Diretrizes de atenção à Pessoa com Lesão Medular. Brasília 2 ed, p. 7-62, 2015.


BRUNOZI, A.; SILVA, A.; GONÇALVES, L.; VERONEZI, R. Qualidade de vida na lesão medular traumática. Rev. Neurocienc, n. 19(1), p. 139-144, 2011.


CARVALHAL, S. A intensidade do exercício prévio influencia na degeneração muscular em indivíduos submetidos à lesão medular? Mestre—[s.l.] Universidade Federal do Paraná, 2017.


COSTA, J.; LOPES, M. Revisão sobre úlceras por pressão em portadores de lesão medular. Rev. RENE., v. 4, n. 1, p. 109-115, 2003.


COSTA, V.; MELO, M.; GARANHANI, M.; FUJISAWA, D. Representações sociais da cadeira de rodas para a pessoas com lesão da medula espinhal. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v. 18, n. 4, 2010.


CUSTÓDIO, N. et al. Lesão medular no Centro de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo (CRER- GO). Coluna/Columna, v. 8, n. 3, p. 265-268, 2009.


DEVIVO, M. Epidemiology of traumatic spinal cord injury: trends and future implications. Spinal Cord, v. 50, n. 5, p. 365-372, 2012.


FRANÇA, I. et al. Qualidade de vida de adutos com lesão medular: um estudo com WHOQOL- bref. Rev. Esc. Enferm USP, n. 45(6), p. 1364-71, 2011.


GASPAR, A. et al. Avaliação epidemiológica dos pacientes com lesão medular atendidos no Lar Escola São Francisco. Acta Fisiátrica, v. 10, n. 2, p. 73-77, 2003.


IBRAHIM, A. et al. Epidemiology of Spinal Cord Injury in Hospital Kuala Lumpur. Spine, v. 38, n. 5, p. 419-424, 2013.


KNÚTSDÓTTIR, S. et al. Epidemiology of traumatic spinal cord injuries in Iceland from 1975 to 2009. Spinal Cord, v. 50, p. 123-126, 2012.


LEMOS, H.; NEVES, S.; LIMA, Thyara M.; CARVALHO, A. Epidemiological profile of patients with spinal cord injury attended at a rehabilitation center. ReonFacema, v. 3, n. 3, p. 557-560, 2017.


LI, H. et al. Epidemiology of traumatic spinal cord injury in Tianjin, China: An 18-year retrospective study of 735 cases. The Journal of Spinal Cord Medicine, v. 42, n. 6, p. 778-785, 2018.


MCDONALD, J.; SADOWSKY, C. Spinal-cord injury. The Lancet, v. 359, n. 9304, p. 417-425, 2002.


MORAIS, D. et al. Perfil epidemiológico de pacientes com traumatismo raquimedular atendidos em hospital terciário. Coluna/Columna, v. 12, n. 2, p. 149-152, 2013.


NETO, F.; GENTIL, P. Treinamento resistido como intervenção na reabilitação em pacientes com LM: uma revisão de literatura. Acta Fisiatr, v.18, n.2, p. 91 – 96 , 2011.


NORONHA, J. Levantamento epidemiológico dos casos de lesão medular espinhal traumática atendidos em unidade de reabilitação de Goiânia- GO. Mestre—[s.l.] Universidade Católica de Goiás, 2008.


NULLE, A.; TJURINA, U.; ERTS, R.; VETRA, A. A profile of traumatic spinal cord injury and medical complications in Latvia. Spinal Cord Series and Cases, v. 3, n. 1, 2017.


PEREIRA, C.; DE JESUS, R. Epidemiologia do Traumatismo Raquimedular. Jornal Brasileiro de Neurocirurgia, v. 22, n. 2, p. 26-31, 2011.


PEREIRA, E.; GOMES, A.; RODRIGUES, D. Epidemiologia do traumatismo raquimedular por projéteis de armas de fogo em um hospital de referência no estado do Pará. Arq Bras Neurocir, v. 34, n. 1, p. 13-19, 2015.


PRASAD, L. et al. Epidemiological profile of spinal cord injuries at a tertiary rehabilitation center in Kuwait. Spinal Cord Series and Cases, v. 4, n. 7, 2018.


ROTHMAN, K.; GREENLAND, S.; LASH, T. Epidemiologia Moderna. 3ª ed.- Porto Alegre: Artmed Editora, 2011.


SHIN, J. et al. Epidemiologic Change of Patients With Spinal Cord Injury. Annals of Rehabilitation Medicine, v. 37, n. 1, p. 50-56, 2013.

Downloads

Publicado

2021-01-13