A EPISTEMOLOGIA SUBJACENTE AO TRABALHO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL POR MEIO DE MATERIAIS MANIPULÁVEIS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36311/1984-1655.2020.v12n2.p96-138

Palavras-chave:

Matemática, Educação Infantil, Epistemologias

Resumo

A presente investigação teve por objetivo analisar os pressupostos epistemológicos que sustentam a escolha e a mediação dos materiais manipuláveis para o processo da construção do número na Educação Infantil a fim de evidenciar o viés pedagógico adotado para esses materiais. Em vista disso, constituiu-se um grupo com princípios colaborativos com professoras da Educação Infantil que participavam do curso de formação continuada “O ensino da Matemática através do uso de materiais manipuláveis na Educação Infantil” a fim de coletar os dados. A pesquisa discorre sob o delineamento de um Estudo de Caso, utilizando múltiplas fontes de evidências, tais como a observação colaborativa, os diários reflexivos, a análise dos planejamentos e a entrevista semiestruturada. Diante da análise dos dados abordou-se as epistemologias emergentes das práticas pedagógicas das professoras, dentre elas a epistemologia empirista, apriorista e construtivista. A partir disso, foi possível compreender, no que que tange à epistemologia das professoras, que seus pressupostos apresentam-se nas escolhas de materiais, nos métodos aplicados, bem como na postura adotada em sala de aula, evidenciando que possuem um viés epistemológico flutuante.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Traduzido por: Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2011.

BECKER, Fernando. Entrevista: Escola e Epistemologia do professor. RPD – Revista Profissão Docente, Uberaba, v.3, n.9, p. 40 -46, set/dez. 2003b – ISSN 1519-0919.

BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003.

BECKER, Fernando. Educação e construção do conhecimento. 2 ed. Porto Alegre: Penso, 2012b.

BECKER, Fernando. Epistemologia do professor de Matemática. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012a. BOGDAN, Roberto C.; BIKLEN, Sari Knopp. Investigação Qualitativa em Educação. Traduzido por: Maria João Alvarez, Sara Bahia dos Santos e Telmo Mourinho Baptista. Porto Editora, 1994.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/CNE, 2018.

CURI, Edda. Matemática para crianças pequenas. São Paulo: Editora Melhoramentos, 2015. KAMII, Constance. A teoria de Piaget e a Educação Pré-escolar. 3ª ed. Lisboa: Instituo Piaget, 2003.

LUDKE, Menga; ANDRÉ, Marli E. D. A. (orgs). Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 2012.

PIAGET, J. Problemas de Psicologia Genética. Rio de Janeiro: Forense, 1973.

ROVEDA, Crislaine de Anunciação. Avaliação em matemática na pré-escola: um estudo de caso de uma escola no extremo sul gaúcho. 2018. 134f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde). Universidade Federal do Rio Grande- FURG. Rio Grande, 2018.

Ruiz; BARTELMEBS, Roberta Chiesa; SILVEIRA, Janaína Borges da. Sensação e percepção no contexto dos estudos em Epistemologia Genética. Revista Eletrônica de Psicologia e Epistemologia Genéticas – Schème. Volume 6 Número 2 – AgoDez/2014.

SEBER, Maria da Glória. PIAGET: o diálogo com a criança e o desenvolvimento do raciocínio. São Paulo: Scipione, 1997.

SILVA, João Alberto da.; MARINHO, Julio Cesar Bresolin. SILVA, Grasiele SOUZA, Simone de.; FRANCO, Valdeni Soliani. Geometria na Educação Infantil: da manipulação empirista ao concreto Piagetiano. Ciência & Educação, v. 18, n. 4, p. 951- 963, 2012.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Edição

Seção

Artigos