INTERLOCUÇÕES COM A REVOLUÇÃO PASSIVA

Autores

  • Andreas Bieler Universidade de Nottingham, Reino Unido.
  • Adam Morton Universidade de Sydney, Australia.

DOI:

https://doi.org/10.36311/0102-5864.2021.v58n1.p61-77

Palavras-chave:

Antonio Gramsci, revolução passiva, Leon Trotsky, desenvolvimento desigual e combinado

Resumo

Este artigo se engaja criticamente com os debates sobre o desenvolvimento desigual e combinado e particularmente a falta de atenção dada nesta literatura às considerações da diversidade espacial na expansão externa do capitalismo, bem como as questões de eurocentrismo. Por meio de interlocuções com Antonio Gramsci sobre sua teorização da formação do Estado e da modernidade capitalista e a noção de revolução passiva, extraímos a relação interna entre a condição estruturante do desenvolvimento desigual e combinado e a agência de classe da revolução passiva. A interlocução com a revolução passiva coloca Antonio Gramsci firmemente dentro de uma corrente de teoria social clássica que molda considerações sobre a modernidade capitalista. Como resultado, baseando-se na teorização cognata em outros lugares, a revolução passiva pode então ser estabelecida como um campo lateral de causalidade que necessariamente apreende dinâmicas espaço-temporais ligadas às práticas de transformação de classes sociais e subalternas nas relações de propriedade social, situadas dentro das condições estruturantes de desenvolvimento desigual e combinado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2021-06-30