GRAMÁTICA DOS JOGOS DE LINGUAGEM E SIGNIFICADO NO SEGUNDO WITTGENSTEIN

Autores

  • Ícaro Gomes Silva Mestrando em Estudos da Tradução, Mestre em Filosofia, Bacharel em Filosofia e Licenciado em Letras pela Universidade Federal do Ceará (UFC)
  • Edivaldo Simão de Freitas Mestrando em Educação e Bacharel em Filosofia pela Universidade Federal do Ceará (UFC)

DOI:

https://doi.org/10.36311/1984-8900.2018.v10.n25.09.p128

Palavras-chave:

Significado, Jogo de Linguagem, Gramática, Wittgenstein

Resumo

O artigo tem o objetivo de discutir a noção de significado (Bedeutung) na fase tardia de Wittgenstein recorrendo, majoritariamente, às Investigações Filosóficas. Buscando esclarecer o paradigma semântico associado à concepção pragmática da linguagem, realizamos algumas observações pontuais sobre o paradigma lógico-referencialista disposto pelo Tractatus Logico- Philosophicus, o qual considerou que o significado das palavras é o objeto que elas substituem e nomeiam. Em seguida, analisamos a definição ostensiva e aquilo o que Wittgenstein chamou de imagem agostiniana da linguagem, destacando as suas repercussões na noção de significado e evidenciando a predominância do nominalismo na tradição ocidental. Em substituição a essa
concepção, Wittgenstein realizou a passagem da perspectiva do referencialismo lógico para uma pragmática da linguagem, isto é, a linguagem mediante o uso (Gebrauch). A nova posição passa a inseri-la em relação às formas de vida (Lebensformen), exigindo critérios públicos e objetivos para a explicação e aprendizado dos jogos de linguagem (Sprachspiele), tal qual o significado. Por outro lado, não podemos analisar estas questões desconsiderando o novo posicionamento de Wittgenstein frente aos problemas filosóficos: trata-se de uma filosofia descritiva que visa desfazer estes problemas mediante a composição de gramáticas profundas. Analisaremos as implicações deste posicionamento para a noção de significado que envolve, basicamente, uma semântica da descrição mediante a explicação do uso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2019-01-09

Edição

Seção

Artigos