POR QUE A LEITURA DE TEXTOS FILOSÓFICOS EM SALA DE AULA É UMA PRÁTICA INDISPENSÁVEL?

Autores

  • Débora Cristina Martins de Souza Mestranda em ensino de Filosofia pelo PROF-FILO da Universidade Federal do Paraná (UFPR)

DOI:

https://doi.org/10.36311/1984-8900.2018.v10n24.06.p73

Palavras-chave:

Filosofia, Leitura, Referência, Verdade, Universalidade

Resumo

Este artigo tem em vista abordar a questão da leitura dos textos filosóficos no ensino de Filosofia. Por leitura, utilizaremos a problemática que Arthur Danto propõe a respeito do embate entre Filosofia e Literatura no que tange à questão da referência, abordagem esta que na conclusão do autor desvela uma dimensão referencial da leitura que não está vinculada à técnica ou a um método de leitura, como nos apontam os modos de leitura denominados como vertical e horizontal. A referência do texto que se tem em vista desvelar é a do leitor no ato de ler, referência que aponta uma universalidade diferente daquela que se obtém pela objetividade e particularidade da história ou ainda das ciências. A universalidade do texto a ser explorada neste artigo refere-se ao leitor que todo o texto filosófico ou literário exigem para que possam ser lidos, um “Eu” geral que ganha corpo durante a leitura. Esta dimensão pode nos elucidar respostas a respeito da presença da Filosofia no ensino, bem como a respeito da leitura de textos filosóficos em sala de aula, pois a leitura como este encontro com o “Eu” geral dado pela expressividade do texto possibilita que nos desloquemos da perspectiva de si, da individualidade, e então, fornece abertura a outrem; um primeiro passo para a criação da argumentação, do debate e do respeito à diversidade, algumas das chamadas habilidades fundamentais

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2018-12-11