ESTÉTICA E LINGUAGEM EM WITTGENSTEIN: CRÍTICA À ONTOLOGIA DO BELO E À CAUSALIDADE

Autores

  • Daniel Pala Abeche Doutorando em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e Professor da Escola de Comunicação e Artes da mesma Instituição

DOI:

https://doi.org/10.36311/1984-8900.2018.v10n22.09.p68

Palavras-chave:

Wittgenstein, Estética, Linguagem, Causalidade

Resumo

Wittgenstein não se dedicou estreitamente à estética, entretanto, o tema perpassa o itinerário epistemológico do filósofo de forma fulcral. No Tractatus Logico-Philosophicus, a estética –assim como a ética- é relegada à inefabilidade, posteriormente esta assume caráter crucial no pensamento tardio do autor e é representada pelo conceito de ver aspectos nas Investigações Filosóficas. Mas é nas Aulas e Conversas Sobre Estética, Psicologia e Fé Religiosa que encontramos um olhar crítico do autor em relação a uma possível ontologia do belo e à causalidade estética. Para o autor, no combate ao nominalismo, ao expressar-se sobre arte há necessidade de se compreender os jogos de linguagem e formas de vida. Assim, Wittgenstein critica o belo como objeto da estética e sugere que a normatividade substitua o adjetivo interjetivo como manifestação da expressão estética. Outrossim, o filósofo atribui a compreensão da arte ao fluxo da vida, às impressões relacionadas com as vivências e experiências de quem é exposto a uma obra de arte, e não à causalidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BUCHHOLZ, K. Compreender Wittgenstein. Petrópolis: Ed. Vozes, 2008.

CHAUVIRÉ, C. Wittgenstein. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1991.

DUFRENNE, MMikel. Estética e filosofia. São Paulo: Perspectiva, 2015.

CRESPO, N. Wittgenstein e a estética. Lisboa: Assírio e Alvim, 2011.

GLOCK, H. J. Dicionário Wittgenstein. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

GEBAUER, G. O pensamento antropológico de Wittgenstein. São Paulo: Edições Loyola, 2013.

GOEHR, A. Schoenberg and Kraus: The idea behind the music. Music Analysis, London: v.4, n.1/2, p. 59-71, março - julho, 1985.

JANIK, A; TOULMIN, S. A Viena de Wittgenstein: A Viena dos Habsburgos antes da I Guerra Mundial e as fascinantes pessoas que a compunham: Sigmund Freud, Gustav Klimt, Adolph Loos, Oskar Kokoschka, Arnold Schonberg e Ludwig Wittgenstein, um dos mais importantes filósofos do século. Rio de Janeiro: Campus, 1991.

JANKÉLÉVITCH, V. La musique et l’ineffable. Paris: Seuil, 1983.

SALLES, J. C. O retrato do vermelho e outros ensaios. Salvador: Ed. Quarteto, 2006.

SCHORSKE, C. E. Viena fin-de-siécle: política e cultura. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

SCHROEDER, S. Wittgenstein and aesthetics. A companion to Wittgenstein. John Wiley & Sons, 2017.

TOLSTOI, L. O que é arte? São Paulo: Ed. Nova Fronteira, 2016.

VALLE, B. Wittgenstein: a forma do silêncio e a forma da palavra. Curitiba: Champagnat, 2003.

______. Cultura e cotidiano: variações a partir de Investigações Filosóficas de Ludwig Wittgenstein. Wittgenstein em Retrospectiva. Florianópolis: UFSC, 2012.

WITTGENSTEIN, L. Aulas e conversas sobre estética, psicologia e fé religiosa. Lisboa: Cotovia, 1991. [AC]

_____. Anotações sobre as cores. Campinas: Editora Unicamp, 2008.

______. Cultura e valor. Lisboa: Edições 70, 1996. [CV]

______. Fichas (ZETTEL). Lisboa: Edições 70, 1981. [Z]

______. Gramática filosófica. São Paulo: Loyola, 2003. [GF]

______. Investigações filosóficas. Petrópolis: Vozes, 2009. [IF]

______. Tractatus logico-philosophicus. São Paulo: EDUSP, 1993. [TLP]

Downloads

Publicado

2018-07-28

Edição

Seção

Artigos