ORIGENS DO CETICISMO FRANCÊS DO SÉCULO XVI: HUMANISMO, AVERROÍSMO, NOMINALISMO E FIDEÍSMO

Autores

  • Guilherme José SANTINI (Faculdade São Bento)

DOI:

https://doi.org/10.36311/1984-8900.2014.v6n11.4569

Palavras-chave:

Filosofia do século XVI. Renascimento Francês. História do Ceticismo. Origens da Modernidade.

Resumo

Há uma posição na História da Filosofia em relação a Descartes que aponta ter sido o ceticismo, largamente disseminado na França desde o século XVI, a principal motivação que lhe conduziu à formulação do cogito. Contudo, qual terá sido a motivação que conduziu os filósofos e intelectuais franceses anteriores a Descartes à adesão ao ceticismo radical, pouco visto desde a Antiguidade? Responder a esta pergunta é uma exigência para a compreensão de um período frequentemente ignorado pela História da Filosofia, não obstante sua importância como o
período de gestação da Modernidade. O objetivo do artigo que se segue é fazer uma leitura histórico-filosófica desse período, colocando em evidência as origens do ceticismo francês do século XVI tardio que antecipou o cogito cartesiano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guilherme José SANTINI (Faculdade São Bento)

O Laboratório Editorial foi instituído com o objetivo de criar condições e oportunidades para a difusão de pesquisas e tornar públicos os resultados dos trabalhos do corpo docente da FFC. Constitui-se num órgão adjunto à Diretoria da FFC e vinculado à SAEPE, com o apoio da Seção Gráfica, da Diretoria, da Biblioteca, e das Seções de Finanças, Compras e Técnica Acadêmica. A função do Laboratório Editorial é a de assessorar, planejar, realizar e distribuir livros, periódicos e outras publicações elaboradas na FFC.

E-mail: labeditorial@marilia.unesp.br 

Downloads

Publicado

2014-12-19

Edição

Seção

Artigos