AUTONOMIA DE KANT E AUTENTICIDADE EM HEIDEGGER: DAS POSSIBILIDADES DA LINGUAGEM

Autores

  • Angela Baggio LORENZ (UnB)

DOI:

https://doi.org/10.36311/1984-8900.2013.v5n10.4535

Palavras-chave:

Discurso. Logos. Autenticidade. Ser-com. Ser-para-a morte. Disposição.

Resumo

Este texto se propõe a abordar a questão da linguagem no pensamento heideggeriano a partir de sua ontologia fundamental. A linguagem é aquilo que é dito pelo ser do ente, é o pôr (legein) enquanto “pro-por” e “ex-por”, deixar mostrar, possibilitado pelas palavras frente à impessoalidade do mundo comunicativo. O que é dito situa-se na relação da condição existencial do ser-aí, posto que o dito realiza-se no mundo fático do ser em detrimento do
mundo dogmático das certezas. A diferença ontológica entre ser e ente nos acena para a autenticidade de sermos enquanto “unidade” mas também para a finitude da própria condição de ser, seja a de “ser-com” o outro e do “ser-para-a morte”. Ou seja, a linguagem enquanto algo que é dito pela condição existencial do ser-aí proporciona pensarmos o logos como uma forma mais originária de nos aproximarmos da verdade enquanto encobrimento e desencobrimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Angela Baggio LORENZ (UnB)

O Laboratório Editorial foi instituído com o objetivo de criar condições e oportunidades para a difusão de pesquisas e tornar públicos os resultados dos trabalhos do corpo docente da FFC. Constitui-se num órgão adjunto à Diretoria da FFC e vinculado à SAEPE, com o apoio da Seção Gráfica, da Diretoria, da Biblioteca, e das Seções de Finanças, Compras e Técnica Acadêmica. A função do Laboratório Editorial é a de assessorar, planejar, realizar e distribuir livros, periódicos e outras publicações elaboradas na FFC.

E-mail: labeditorial@marilia.unesp.br 

Downloads

Publicado

2014-12-19

Edição

Seção

Artigos