A DISTINÇÃO FORTE ENTRE ATRIBUTOS PRINCIPAIS EM DESCARTES E A SUTIL INDIFERENÇA ENTRE ATRIBUTOS EM ESPINOSA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36311/1984-8900.2021.v13n34.p207-230

Palavras-chave:

Substância, Atributos, Deus, Ontologia

Resumo

Descartes afirma que cada substância tem um atributo principal do qual todos os seus atributos secundários dependem. A substância corpórea possui o atributo principal da extensão, do qual dependem a figura e até mesmo o movimento. Por outro lado, a substância pensante possui o atributo principal do pensamento, do qual dependem a imaginação, a sensação e a vontade. O que é corpóreo não pode apresentar o atributo principal do pensamento e vice-versa. Para ele, a alma é indivisível; o corpo, divisível. Uma coisa pensante não pode ser extensa e uma coisa extensa não pode ser pensante, pois não pode ser indivisível e divisível ao mesmo tempo. Tal argumentação encontra problemas. Espinosa oferece um contra-argumento com o qual pretende atingir em cheio a tese da exclusividade de atributo. Espinosa propõe uma distinção fraca de atributos, baseada somente na independência de concepção entre eles. A incomunicabilidade entre os atributos, dirá Espinosa, não é suficiente para o estabelecimento da incompatibilidade entre eles. Nosso objetivo é mostrar que Espinosa opõe-se a Descartes a respeito desse ponto valendo-se de argumentos que parecem encontrar certo respaldo em passagens do próprio texto cartesiano nos quais Descartes parece contradizer-se.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

DELLA ROCCA, M. Psicologia metafísica de Spinoza. In: GARRETT, D. (org.). Spinoza. Tradução de: Cassiano Terra Rodrigues. Aparecida: Ideias & Letras, p. 245-332, 2011. (Série: Companions & Companions).

DESCARTES, R. Notae in programma. In: ADAM, C.; TANNERY, P. (org.). Oeuvres de Descartes: Epistola ad. G. Voetius, Lettre Apologetique, Notae in programma. Paris: Léopold Cerf Imprimeur-Éditeur, 1905.

______. Meditationes de prima philosophia. In: ADAM, C.; TANNERY, P. (org.). Oeuvres de Descartes. Paris: Librairie philosophique J. Vrin, 1983.

______. Principia philosophiae. In: ADAM, C.; TANNERY, P. (org.). Oeuvres de Descartes. Paris: Librairie philosophique J. Vrin, 1982.

______. Princípios da filosofia. Tradução de: Ana Cotrim e Heloísa da Graça Burati. 2ª ed. São Paulo: Rideel, 2007.

______. Meditações metafísicas. Tradução de: Maria Ermantina de Almeida Prado Galvão e Homero Santiago. Introdução e notas: Homero Santiago. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

DUTTON, B. Descartes’s Dualism and the One Principal Attribute Rule. In: British Journal For The History Of Philosophy, [S.L.], v. 11, n. 3, p. 395-415, ago. 2003. Informa UK Limited. http://dx.doi.org/10.1080/0960878032000119646.

ESPINOSA, B. Ética. Tradução de: Tomaz Tadeu. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. Edição bilíngue: latim-português.

LEVY, L. O conceito cartesiano de atributo principal. In: Estudos de Filosofia Moderna, [S.L.], p. 69-79, jan. 2011. http://dx.doi.org/10.13140/RG.2.1.4322.0727.

WOOLHOUSE, R. S. Descartes, Spinoza, Leibniz: The concept of substance in seventeenth-century metaphysics. London: Routledge, 1993.

Downloads

Publicado

2021-07-08

Edição

Seção

Artigos