SPINOZA, UMA FILOSOFIA DA IMANÊNCIA DOS AFETOS

Autores

Palavras-chave:

Ética, Afetos, Potência de agir, Conatus, Liberdade

Resumo

A filosofia de Spinoza é voltada para ação na medida em que encoraja o sujeito a perder o medo de viver em ato, estimulando-o a desenvolver uma ciência intuitiva, que o leve a compreender as forças que lhe afetam. Uma filosofia que inspira os indivíduos a não serem mais escravos dos encontros fortuitos, mas que se esforce (conatus), que persevere na afirmação do seu ser, na busca dos bons encontros, que produzam paixões alegres que aumentem sua potência de agir. É neste sentido que Deleuze afirma que Spinoza “oferece uma imagem da vida positiva e afirmativa” (2002: 18). O estudo em tela tem por objetivo explorar algumas reflexões, métodos, conceitos e categorias desenvolvidas por Baruch Spinoza, no sentido de compreender a dinâmica dos afetos e suas implicações para a liberdade, atentado para sua obra de maior envergadura, Ética.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASSIS, M. Poesias completas. Rio de janeiro: Garnier, 2000.

BORGES, J. L. Espinosa. In: RIBEIRO, Cláudio. Spinoza por Borges, Prudhomme e Machado. Jornal Opção, 21 de março de 2017. Disponível em: <http://www.jornalopcao.com.br/opcao-cultural/spinoza-por-borges-prudhomme-emachado-de-assis-89910/>. Acesso em 13 de julho de 2017, às 19h45min.

CHAUÍ, M. Espinosa: Uma filosofia da Liberdade. São Paulo: Moderna, 1995.

CONIB - Confederação Israelita do Brasil. Carta de excomunhão de Baruch Espinoza. 2016. Disponível em: < http://www.conib.org.br/noticias/3438/carta-de-excomunho-debaruchespinoza#>. Acesso em: 28 de março de 2018, às 22h30min.

DELEUZE, G. Espinosa: filosofia prática. São Paulo: Escuta, 2002.

______. Spinoza y el problema de la expresión. Barcelona: Muchnik Editores, 1996.

FROMM, E. A Arte de Amar. Belo horizonte: Itatiaia, 1960.

GIACÓIA JÚNIOR, O. A Ideia de Liberdade em Espinosa, 2016. Disponível em:<https://www.youtube.com/watch?v=VZDx3MuE8B0>. Acesso em: 14 de julho de 2017, às 14h45min.

GUIMARAENS, F. Spinoza e o conceito de multidão: reflexões acerca do sujeito

constituinte. Direito, Estado e Sociedade, Rio de Janeiro, v. 9, n. 29, pp. 152-73, 2006.

Disponível em:<http://www.jur.pucrio.br/revistades/index.php/revistades/article/viewFile/291/263>. Acesso em: 13 de janeiro de 2018, às 21h30min.

KOSIK, K. Dialética do Concreto. São Paulo: Paz e Terra, 1976.

NEGRI, A. Anomalia Selvagem. Rio de Janeiro: 34, 1993.

PONCZEK, R. L. Deus ou seja a Natureza. Salvador: EDUFBA, 2009. Versão digital. Disponível em: <http://books.scielo.org/id/3bm/pdf/ponczek-9788523209049.pdf>. Acesso em: 27 de dezembro de 2017, às 19h35min.

PRUDHOMME, S. Um homem bom. In: RIBEIRO, Cláudio. Spinoza por Borges, Prudhomme e Machado. Jornal Opção, 21 de março de 2017. Disponível em:<http://www.jornalopcao.com.br/opcao-cultural/spinoza-por-borges-prudhomme-emachado-de-assis-89910/>. Acesso em: 13 de julho de 2017, às 19h45min.

SANTOS, V. R. Do belo platônico à potência do entendimento em Spinoza (A propósito do domínio das paixões). Labirinto. Porto Velho, Unir, nº 1, Junho, 2001. Disponível em: <http://www.cei.unir.br/artigo13.html>.

SÉVÉRAC, P. Spinoza: conhecimento e afetividade em Spinoza. In: MARTINS, André (org.). O conhecimento como o mais potente dos afetos. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

SILVEIRA, N. Cartas a Spinoza. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1995.

SPINOZA, B. Ética segundo a ordem geométrica. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

______. Tratado da reforma do entendimento. São Paulo: Escala, 2007.

______. Tratado Político. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2017.

ULPIANO, C. Pensamento: Lucrécio e Espinosa. Aula de 16/06/1994. Disponível em: <https://acervoclaudioulpiano.com/2016/11/10/aula-de-16061994-pensamento-lucrecioe-espinoza/>. Acesso em: 15 de janeiro de 2018, às 04h15min.

Downloads

Publicado

2020-12-30

Edição

Seção

Artigos