Agora o Brasil tem uma Base! A BNCC e as influências do setor empresarial. Que Base?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36311/2236-5192.2020.v21n02.06.p65

Palavras-chave:

BNCC, Público-privado, Política educacional

Resumo

Este artigo aborda a relação entre público e privado, os sujeitos que atuaram na elaboração da Base Nacional Comum Curricular-BNCC e o percurso até a promulgação. A educação básica passa a ser alvo dos interesses dos grupos da base empresarial, que visam direcionar as políticas educacionais e seu conteúdo. Os dados foram levantados através de análise documental, pesquisas já realizadas, sites, estabelecendo relações entre o público e o privado na BNCC. Os resultados apontam de um lado, a educação a serviço do mercado, por outro o esvaziamento da educação como processo de construção coletiva e a forte influência de grupos privados atuando na direção e no conteúdo da proposta educacional.

 Recebido em: 29/03/2020.
Aprovado em:15/05/2020. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Raquel Caetano, IFSUL

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2013); professora no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia, atua no Campus Sapucaia do Sul.

Referências

ANPED. Associação Nacional de Pós graduação e Pesquisa em Educação. Carta Aberta a comunidade acadêmica e aos representantes de secretarias e órgãos do Ministério da Educação sobre Avaliação em larga escala de habilidades não cognitivas de crianças e jovens.6/11/2014. Disponível em: <http://www.anped.org.br/sites/default/files/resources/carta_aberta_avaliac_a_o_habilidades_na_o_cognitivas.pdf> Acesso em: 15 jun. 2019
BALL, Stephen. Educação Global S.A. Novas redes políticas e o imaginário neoliberal. Ponta Grossa, UEPG, 2014.

BALLL, Stephen; OLMEDO, Antônio. A Nova Filantropia, o Capitalismo Social e as Redes de Políticas Globais em Educação. In: PERONI, Vera Maria Vidal (Org.). Redefinições das Fronteiras entre o Público e o Privado: implicações para a democratização da educação. Brasília: LíberLivro, 2013,p. 33-47.
BRASIL. Ministério da Educação. Resolução nº 2, de 22 de dezembro de 2017. Institui e orienta a implantação da Base Nacional Comum Curricular, a ser respeitada obrigatoriamente ao longo das etapas e respectivas modalidades no âmbito da Educação Básica. Diário Oficial da União. Seção 1. Brasília, DF, 22 dez. 2017. Disponível em < http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?data=22/12/2017&jornal=515&pagina=41& totalArquivos=416 > Acesso em: 28 fev. 2020.
_________ Constituição Federal. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.
_________ Ministério da Educação. Lei n. 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996.
__________ Ministério da Educação. Lei 13.005 de 25 de junho de 2014 (PNE). Diário Oficial da União - Seção 1 – Brasília, DF, Edição Extra , 2014.
CAETANO.M.R. Discutindo o público e o privado nas políticas educacionais brasileiras: a BNCC em foco. In: Santos, Arlete Ramos dos.et all. (Org.). Educação e Movimentos Sociais: análises e desafios. 1ed.Jundiai: Pacco Editorial, 2019, v. 4, p. 233-258.
CIAVATA. Maria. Estudos Comparados: sua epistemologia e sua historicidade. Revista Trabalho, Educação e Saúde. Rio de Janeiro, v. 7, suplemento, p. 129-151, 2009.

DALE, R. Globalização e Educação: demonstrando a existência de uma “cultura educacional mundial comum” ou localizando uma “agenda globalmente estruturada para a educação”? Educação, Sociedade & Culturas. Porto, número 16, 2004, p. 423-460.

DOURADO, Luiz Fernandes; OLIVEIRA, João Ferreira de. (2009) A qualidade da educação: perspectivas e desafios. Caderno Cedes, Campinas, vol. 29, n. 78, p. 201-215.
EVANGELISTA. Olinda. Apontamentos para o Trabalho com Documentos de Política Educacional.In: ARAÚJO. Ronaldo Marcos de Lima; RODRIGUES. Doriedson S.(Org). A Pesquisa em Trabalho, Educação e Políticas Educacionais. Alínea Editora.2012.
FREITAS. Luis Carlos de. Crítica da organização do trabalho pedagógico e da didática. Campinas: Papirus, 1995.

FUNDAÇÃO LEMANN. Disponível em https://fundacaolemann.org.br/transformamos Acesso em: 20 fev. 2019.

FUNDAÇÃO LEMANN. Relatório 2002. Disponível em: https://fundacaolemann.org.br/materiais/relatorio-anual-2002.Acesso em: 22 de jan. de 2020.

FUNDAÇÃO LEMANN. Relatório 2014. Disponível em: https://fundacaolemann.org.br/materiais/relatorio-anual-2014.Acesso em: 22 de jan. de 2020.

GRUPO SANTILLANNA. Disponível em: <https://www.gruposantillana.com.br/santillana>. Acesso em: 20 fev.2019.

INSTITUTO AYRTON SENNA. Como atuamos. Disponível em: <https://www.institutoayrtonsenna.org.br/pt-br/Atuacao.html#atuacao/Acesso>. Acesso em: 20 fev.2019.

LEMANN CENTER. Base Nacional Comum Curricular 2016. Parte I: Implementação da BNC: Lições do “Common Core” Por David Plank – 17 de Fevereiro de 2016. Disponível em http://movimentopelabase.org.br/wp-content/uploads/2016/06/Implementacao-david-plank-portg.pdf.Acesso em 26 jun 2018.
MOVIMENTO PELA BASE. Quem somos. Disponível em:<http://movimentopelabase.org.br/quem-somos/>.Acesso em: 30 jun.2018.

MÉSZÁROS, István. Para além do Capital. São Paulo: Boitempo Editorial; Campinas: Editora da UNICAMP, 2002.
NEVES. Rosa .M.C.;PICCININI. Cláudia L.Crítica do imperialismo e da reforma curricular brasileira da educação básica: evidencia histórica da impossibilidade da luta pela emancipação da classe trabalhadora desde a escola do Estado. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 10, n. 1, p. 184-206, mai. 2018.
PERONI V. M; CAETANO, M. R. O público e o privado na educação Projetos em disputa? Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 9, n. 17, p. 337-352, jul./dez. 2015.
PERONI, V.M.V. Reforma do Estado e a tensão entre o público e o privado. In: Revista SIMPE – RS, p. 11-33. Porto Alegre, 2007.
_____________ As Implicações da relação público-privada para a democratização da educação no Brasil. Tese (promoção a Professor Titular da Carreira do Magistério Superior), UFRGS. 2016.
RAVITCH, Diane. Vida e Morte do Grande Sistema Escolar Americano: como os testes padronizados e o modelo de mercado ameaçam a Educação. Porto Alegre, Sulina, 2011, 318p.

TARLAU. Rebecca; MOELLER, Kathryn. ‘Philanthropizing’ consent: how a private foundation pushed through national learning standards in Brazil. Journal of Education Policy, jan.2019.
THOMPSON, E. P. A miséria da teoria ou um planetário de erros. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.
TUTTMAN. Malvina T.; AGUIAR. Marcia Angela. A construção da BNCC da Educação Infantil e do Ensino Fundamental: uma visão crítica. In: SIQUEIRA. Ivan C.P.(org). BNCC: educação infantil e ensino fundamental. Processos e demandas no CNE (Conselho Nacional de Educação). São Paulo : Fundação Santillana, 2019.

Downloads

Publicado

2020-07-03

Edição

Seção

Artigos