EDUCAÇÃO DO CAMPO E MOVIMENTOS SOCIAIS NO CONTEXTO NEOLIBERAL PÓS REFORMA DO ESTADO DE 1995

Autores

  • Rodrigo Evaristo PRESTES

DOI:

https://doi.org/10.36311/2236-5192.2016.v17n02.07.p85

Palavras-chave:

Educação do campo, Neoliberal, Reforma do Estado

Resumo

O presente artigo apresenta uma relexão sobre os conceitos da Educação do Campo na perspectiva dos Movimentos Sociais, principalmente das políticas e práticas educacionais vinculadas ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST. O arcabouço teórico e metodológico compreendeu o levantamento bibliográico e a análise de obras de pesquisadores que discutem a Educação do Campo, dentro de um recorte histórico a partir da Reforma de Estado de 1995. Como resultado, observou-se uma “adaptação” dessa modalidade de ensino e de suas práticas educativas e sociais dentro do contexto neoliberal que se estabeleceu no mundo globalizado a partir dos anos de 1990. Concluiu-se que as novas demandas do capital estrangeiro inluenciaram na educação do campo dentro dos movimentos sociais em relação à nova realidade econômica globalizada que se apresentava.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Evaristo PRESTES

O Laboratório Editorial foi instituído com o objetivo de criar condições e oportunidades para a difusão de pesquisas e tornar públicos os resultados dos trabalhos do corpo docente da FFC. Constitui-se num órgão adjunto à Diretoria da FFC e vinculado à SAEPE, com o apoio da Seção Gráfica, da Diretoria, da Biblioteca, e das Seções de Finanças, Compras e Técnica Acadêmica. A função do Laboratório Editorial é a de assessorar, planejar, realizar e distribuir livros, periódicos e outras publicações elaboradas na FFC.

E-mail: labeditorial@marilia.unesp.br 

Downloads

Publicado

2016-09-06

Edição

Seção

Artigos