“Os professores não sabiam o que fazer comigo!”

reflexões interseccionais de uma mulher negra com deficiência

Autores

  • Josiane Eugênio Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC
  • Alex Sander da Silva UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE- UNESC

DOI:

https://doi.org/10.36311/2236-5192.2022.v23n1.p27

Palavras-chave:

Deficiência, Intersecções, Capacitismo

Resumo

Este estudo, de cunho qualitativo, teve como objetivo analisar as intersecções entre gênero, deficiência e raça/etnia que compõe aspectos identitários de uma mulher negra com deficiência, acadêmica do curso de pedagogia. Nesse sentido, buscou-se refletir sobre as seguintes questões centrais: De que maneira as questões de gênero, raça/etnia e deficiência produziram e produzem aspectos identitários na trajetória de vida desta mulher? Como os estudos feministas da deficiência podem contribuir para a compreensão das intersecções entre gênero, deficiência, raça/etnia do ponto de vista analítico e político? No que se refere ao instrumento de coleta de dados, optou-se pela utilização de uma entrevista semiestruturada, dialógica, com perguntas abertas, respondidas por áudios de WhatsApp em função do momento pandêmico causado pelo vírus Covid-19. Ao longo do percurso investigativo percebeu-se que o capacitismo ancora todos os sistemas interdependentes e interconstitutivos de exclusão e opressão, juntamente com o racismo, sexismo, constituem a narrativa da participante, estando presente nos mais diversos espaços e âmbitos, relatados a partir de suas experiências e vivências. As reflexões aqui desenvolvidas, apontaram para importância da transversalidade da deficiência nas políticas de gênero e na necessidade de incorporação dos debates sobre esta temática na história dos feminismos de forma interseccional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Josiane Eugênio, Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC

Doutoranda em Educação, em Universidade do Extremo Sul Catarinense – UNESC. Docente de
Educação Especial no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina - IFSC.

Alex Sander da Silva, UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE- UNESC

Doutor em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande de Sul (2010). Pós-Doutorado
PNPD/CAPES no PPGE/UNIMEP no Núcleo de História e Filosofia da Educação (2014). Professor
do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC).

Referências

BAILEY, M.; MOBLEY, I. A. Work in the intersections: A black feminist disability framework. Gender & Society, v. 33, n. 1, 2019, p. 19-40.

BRASIL. Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf. Acesso: 08. jul. 2021.

BIROLI, F.; MIGUEL, L. F. Gênero, raça, classe: opressões cruzadas e convergências na reprodução das desigualdades. Mediações - Revista de Ciências Sociais, v. 20, p. 27-55, 2015. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/mediacoes/article/view/24124. Acesso: 02. ago. 2021.

CAMPBELL, F. K. (2008). Refusing Able(ness): A Preliminary Conversation about Ableism. M/C Journal, 11(3). Disponível em: http://journal.mediaculture.org.au/index.php/mcjournal/article/view/46. Acesso: 05. ago. 2021.

COLLINS, P. H. Black feminist thought: knowledge, consciousness and the politics of empowerment. New York; London: Routledge, 1990.

CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência: Decreto Legislativo nº 186, de 09 de julho de 2008: Decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009. 4ª Ed., rev. e atual. Brasília : Secretaria de Direitos Humanos, 2010. 100p. Disponível em: https://crianca.mppr.mp.br/arquivos/File/publi/sedh/convencaopessoascomdeficiencia_2012.pdf. Acesso: 10. jul. 2021.

CRENSHAW, K. (2002). Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas, Florianópolis, 10 (1), 171-188.

DAVIS, Angela. A Mulher Raça e Classe. Boitempo. 2016.

DIAS, Adriana. Por uma genealogia do capacitismo: da eugenia estatal à narrativa capacitista social. Anais II Simpósio Internacional de Estudos sobre Deficiência, p. 1-14, 2013.

IVANOVICH, A. C.F; GESSER, M. Deficiência e capacitismo: correção dos corpos e produção de sujeitos (a) políticos. Quaderns of Psicologia, v. 22, n. 3, 2020.

GESSER, M.; NUERNBERG, A. H.; TONELI, M. J. F. Gênero, sexualidade e a experiência da deficiência em mulheres do sul do Brasil. Annual Review of Critical Psychology (ONLINE), v. 11, p. 417-432, 2014. (Português e English): (open access).

BÖCK, G.L.K.; GESSER, M.; NUERNBERG, A. H. - Revista Educação, Artes e Inclusão, 2020. Disponível em: https://scholar.google.com.br/citations?view_op=view_citation&hl=pt-BR&user=0_DCGfMAAAAJ&citation_for_view=0_DCGfMAAAAJ:Zph67rFs4hoC. Acesso: 06. ago. 2021.

KELLER, Coletivo Feminista Helen. Mulheres com Deficiência: Garantia de Direitos para Exercício da Cidadania.: União Europeia; 2020. Disponível em: https://www.crmpr.org.br/uploadAddress/Guia-Feminista-Helen-Keller[4447].pdf. Acesso: 23.set. 2020.

LOURO, G. L. A construção escolar das diferenças. In: LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 5 ed. Petropólis, RJ: Ed. Vozes, 2003. p.57-87. Disponível em:

https://bibliotecaonlinedahisfj.files.wordpress.com/2015/03/genero-sexualidade-e-educacao-guacira-lopes-louro.pdf. Acesso: 20. set. 2020.

MARCONDES, M. Mazzini Organizadora et al. Dossiê mulheres negras: retrato das condições de vida das mulheres negras no Brasil. - Brasília : Ipea, 160 p. 2013. 2013.Disponível: https://www.gov.br/mdh/pt-br/centrais-de-conteudo/igualdade-racial/dossie-mulheres-negras-retrato-das-condicoes-de-vida-das-mulheres-negras-no-brasil. Acesso: 10. ago. 2021.

MELLO, A. G. de.; NUERNBERG, A. H. Gênero e deficiência: interseções e perspectivas. Revista Estudos Feministas [online]. 2012, v. 20, n. 3 [Acessado 11 Agosto 2021] , pp. 635-655. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2012000300003. Epub 12 Dez 2012. ISSN 1806-9584. Acesso: 10. ago.2021.

MINAYO, M. C. de S. (2010). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. Hucitec.

NICHOLSON, L. Interpretando o gênero. Revista Estudos Feministas. Florianópolis, CFH/CCE/UFSC, v.8. nº. 2, p.09-41, 2000. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/11917/11167. Acesso: 12. ago.2021.

Downloads

Publicado

2022-03-04