Subjetividade e fracasso escolar

um estudo de caso a partir de uma abordagem da psicanálise

Autores

  • Marcello Vieira Lasneaux Instituto Federal de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.36311/2236-5192.2021.v22esp2.p93

Palavras-chave:

Fracasso escolar, Inclusão, Educação especial

Resumo

O fracasso escolar se realiza quando a exigência da escola ultrapassa a capacidade momentânea de aprendizagem do aluno. A partir da perspectiva psicanalítica e um estudo de caso, procurou-se reconhecer a relação entre subjetividade e fracasso escolar. Os dados foram obtidos de entrevistas e análise de laudo de uma aluna de 17 anos com queixa de baixo desempenho acadêmico. Embasado pela literatura, sugere-se que o fracasso escolar estaria formulado por questões de ritmos e tensões - que dizem respeito ao expediente pedagógico das instituições de ensino, mas também aos conflitos edipianos, da castração simbólica, das disputas derivadas da relação sujeito-objeto. O fracasso escolar poderia ser visualizado como um triângulo cujo baricentro é a aprendizagem. Nos vértices estariam: o aluno - reivindicador dessa subjetividade; as relações familiares - que
se organizam em torno das tensões das relações objetais, particularmente da mãe; a instituição de ensino - que deve se apropriar e se conscientizar oferecendo um ambiente favorável e personalizado para a aprendizagem acontecer. O fracasso resultaria da impossibilidade desse equilíbrio e a solução poderia partir da convocação da psicoterapia e do envolvimento-aceitação-adaptação escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcello Vieira Lasneaux, Instituto Federal de Brasília

Doutor em Educação (Unb, 2021), docente no Instituto Federal de Brasília (campus Brasília).

Referências

BRASIL. LDB: Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: lei no. 9.394, 20 de dezembro de 1996 que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. 6 ed. Brasília: Câmara de Deputados, Edições Câmara, 2001.

CASTRO, J. E.; SILVEIRA, M. G. O sintoma da criança: produção compósita de desejo e de gozo. Opção lacaniana online. Ano 7, n. 20. 2016. Disponível em <http://www.opcaolacaniana.com.br/pdf/numero_20/O_sintoma_da_crianca.pdf> Acesso em 01 dez 2018.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. PARECER CNE/CEB 17/2001. Despacho do Ministro em 15/8/2001, publicado no Diário Oficial da União de 17/8/2001, Seção 1, p.46. BRASÍLIA, 2001.

CORDIÉ, A. Los retrasados no existen: psicoanálisis de niños con fracaso escolar. Buenos Aires: Ediciones Nueva Visión, 1994.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O anti-édipo: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Ed. 34, 2010.

ESPANHA. MINISTERIO DE EDUCACIÓN Y CIENCIA ESPAÑA – Organización de las Naciones Unidas para la Educación, la Ciencia y la Cultura. Conferência Mundial sobre Necesidades Educativas Especiales: Acceso y calidad. España: Salamanca, 1994.

KEHL, M. R. Por que Freud hoje? São Paulo: Ed. Zagodoni, 2017.

LAJONQUIÈRE, L. Sigmund Freud e o interesse pedagógico da psicanálise. in KEHL, M. R. Por que Freud hoje? São Paulo: Ed. Zagodoni, 2017.

LIBÂNEO, J. C. Democratização da Escola Pública: a pedagogia crítico-social dos conteúdos. São Paulo: Loyola, 1990.

MANNONI, M. A criança retardada e a mãe. São Paulo: Martins Fontes, 1985.

MARCUSE, H. Guerra, Tecnología y Fascismo. Medelin: Editorial Universidad de Antioquia, 2001.

RODRIGUES, G. A. Educação Anarquista em cultura visual. Brasília: Editora UnB, 2014.

ROUDINESCO, E.; PLON, M. Dicionário de psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

SAFATLE, V. O circuito dos afetos – Corpos políticos, desamparo e o fim do indivíduo. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

SANTIAGO, A. L. A inibição intelectual na psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

TALAFERRO, A. Curso básico de psicanálise. São Paulo: Martins Fontes, 2016.

Downloads

Publicado

2021-12-22