Educação das relações Étnico-Raciais no contexto pré-vestibular

uma análise do caso do CEUE PV

Autores

  • Carolina de Freitas Corrêa Siqueira Universidade Federal do Rio Grande do Sul- UFRGS http://orcid.org/0000-0002-2680-6083
  • Eduardo Cristiano Hass da Silva Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS

DOI:

https://doi.org/10.36311/2236-5192.2021.v22nesp.p9-22

Palavras-chave:

Educação das Relações Étnico-Raciais, Ensino de História em espaços não-escolares, Educação Antirracista, Pré-vestibular popular

Resumo

Neste artigo, apresentamos um estudo acerca da inserção do tema da Educação das Relações Étnico-Raciais (ERER) no âmbito do Curso Pré-vestibular popular CEUE– Porto Alegre –RS. Como estratégia metodológica, realizamos uma análise interpretativa documental dos conteúdos programáticos de um conjunto de palestras apresentados em atividades do preparatório, material fornecido por professores e direção da instituição. Para tanto, tomamos emprestado o aporte teórico dos Estudos Culturais enquanto recurso interpretativo das práticas de ensino antirracista mobilizadas no âmbito do referido Pré-vestibular. Entendemos a inserção da ERER enquanto um desdobramento importante no que tange o atendimento das demandas inclusivas das pautas identitárias. Ao abrir espaço de discussão acerca do tema da ERER, a instituição de ensino referida se coloca como aliada das lutas dos movimentos sociais negros e assume uma postura afirmativa e propositiva. Tal posicionamento produz efeitos potentes no que diz respeito a promoção da igualdade racial, bem como de práticas educativas inclusivas, contra-hegemônicas e problematizadoras das estruturas sociais.

Recebido em: 23/08/2020.
Aprovado em: 17/11/2020.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina de Freitas Corrêa Siqueira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul- UFRGS

Doutoranda em Educação pelo Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGEdu-UFRGS); integrante do NECCSO: Núcleo de Estudos Currículo, Cultura e Sociedade (UFRGS).

Eduardo Cristiano Hass da Silva, Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS

Doutorando em Educação na Universidade do Vale do Rio dos Sinos.

Referências

BARBOSA FILHO, E. L. Pré-Vestibulares Comunitários: Movimentos Sociais de educação da década de 1990. 2010. 134 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: <http://educacao.unirio.br/uploads/Disserta%C3%A7%C3%B5es/Disserta%C3%A7%C3%A3o%20PPGEDU%20-%20Elson%20Luiz.pdf>. Acesso em: 13 jan. 2016.

BRASIL. Lei 10.639. Institui a obrigatoriedade do Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana na Educação Básica. Presidência da República Federativa do Brasil. Brasília. DF. 2003.

BRASIL. Lei 12.711. Lei de cotas para o Ensino Superior. Presidência da República Federativa do Brasil. Brasília, DF. 2012.

CEUE Pré-Vestibular. Edital nº1/2020 – Seleção de alunos para o CEUE Pré-Vestibular. Disponível em: https://www.ceuepv.com.br/processo-seletivo. Acesso em 06/04/2020.

DOMINGUES, P. Espaço Aberto Ações afirmativas para negros no Brasil: o início de uma reparação histórica. Revista Brasileira de Educação, n. 29, p. 164-176, 2005.

GALLO, S. O pequeno cidadão: sobre a condução da infância em uma governamentalidade democrática. In: RESENDE, Aroldo de. (Org.). Michel Foucault: o governo da infância. Belo Horizonte: Autêntica, p.329-343, 2015.

HALL, S. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação & Realidade, v. 22, n. 2, 1997b.

HALL, S. O espetáculo do outro. Hall, S. Sin garantías: trayectorias y problemáticas en estudios culturales. Ecuador: Envión Editores, 1997a.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Desigualdades Sociais por Cor ou Raça no Brasil. 2019.

LOPES, M. C. Políticas de inclusão e governamentalidade. Educação e Realidade, v. 34, p. 153-170, 2009.

RIBEIRO, D. O que é lugar de fala? Letramento Editora e Livraria LTDA, 2018.

SILVA, C. B. Conhecimento Histórico Escolar. In: FERREIRA, Marieta Moraes de.; OLIVEIRA, Margarida Maria Dias de (Orgs.). Dicionário de Ensino de História, Rio de Janeiro, FGV Editora, 2019.

SPIVAK, G. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: UFMG, 2010.

THOMA, A. S. Educação Bilíngue nas Políticas Educacionais e Linguísticas para Surdos: discursos e estratégias de governamento. Educação & Realidade, v. 41, n. 3, 2016.

WHITAKER, D. C. A. Da "invenção" do vestibular aos cursinhos populares: um desafio para a orientação profissional. Revista Brasileira de Orientação Profissional, São Paulo, v. 11, n. 2, jul./dez. 2010. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rbop/v11n2/v11n2a13.pdf>. Acesso em: 05/04/2020.

WOODWARD, K. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomaz Tadeu da. Identidade e diferença: a perspectivados estudos culturais. Petrópolis: Vozes, p. 7-72, 2000.

Downloads

Publicado

2021-03-05

Edição

Seção

Artigos