Biblioeducação, Rompendo Paradigmas

transversalidade e verticalidade na Era da Informação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36311/1981-1640.2023.v17.e023055

Palavras-chave:

Biblioteca e Educação, Biblioeducação, Biblioteconomia, Memória Cultural

Resumo

Trabalho apresentado em evento comemorativo dos 25 anos do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, da UNESP/Marília. Trata das relações entre transversalidade e verticalidade no âmbito da Biblioteconomia, considerada em seus vínculos com a Educação.  Sob perspectivas político culturais, são contextualizadas questões históricas que implicam na redefinição do estatuto social e científico da Biblioteconomia, seus processos e articulações e, especialmente, a problemática da memória cultural, categoria central que a legitima e lhe confere consistência enquanto campo autônomo de conhecimento e de práticas socioeducativas e culturais. O método utilizado é a apresentação das origens e do percurso desenvolvido, desde finais dos anos 1980, por equipes inter e transdisciplinares, na ECA/USP, sob coordenação de Perrotti, e que conduziram, em 2015, à proposta da Biblioeducação. Tendo como pressuposto a existência de um hiato histórico e recorrente entre Biblioteca e Educação, no Brasil, sucessivas pesquisas colaborativas, envolvendo parcerias da Universidade com múltiplos territórios e instituições socioeducativas e culturais, foram realizadas, oferecendo resultados que, articulados, levaram à percepção da necessidade de desenvolvimento de linha de estudos englobante e permanente, denominada de Biblioeducação. O neologismo aponta para a importância da superação da atomização e do isolamento dos saberes, como condição de sua verticalização, tomando o diálogo entre transversalidade e verticalidade como elemento de construção de conhecimentos necessários ao enfrentamento de graves fraturas culturais que marcam a vida brasileira. Fenômeno recorrente, inscrito e articulado a paradigmas vivos na cultura, a superação do hiato Biblioteca e Educação significa, assim, processo permanente de lutas que, além de políticas, sociais e culturais, são científico-acadêmicas, exigindo práticas e construções epistemológicas dinâmicas e orgânicas, assentadas em relações entre transversalidade e verticalidade que não são somente pontuais ou residuais, mas estruturais, estruturantes e criadoras de possibilidades de avanços científicos e sociais significativos, como a Biblioeducação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Sao Paulo: Companhia das Letras, 2001.

BELTRÃO, Tatiana. Reforma tornou ensino profissional obrigatório em 1971. Senado Notícias, Agência Senado, 3 mar. 2017. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2017/03/03/reforma-do-ensino-medio-fracassou-na-ditadura. Acesso em 2 ago. 2023.

BENJAMIN, Walter. Experiência e pobreza. In: BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1993. p. 114-119.

BOLLE, Willi. Formação na modernidade. In: GHIRALDELLI JR, Paulo. Infância, Escola e Modernidade. São Paulo: Cortez Editora, 1997. p. 9-32

BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. 3 ed. São Paulo: Cultrix, 1987.

CANCLINI, Néstor García. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: EDUSP, 1997.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. [S.l.]: Paz e Terra, 1970.

FREITAG, Michel. Le naufrage de l'université. Paris: Editions de la Découverte, 1996.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, Revista dos Tribunais, 1990.

HAN, Byung-Chul. Infocracia, digitalização e a crise da democracia. São Paulo: Vozes, 2022.

HOGGART, Richard. As utilizações da cultura: aspectos da vida cultural da classe trabalhadora. Lisboa: Presença, 1973. v. 1 e 2.

NORA, Pierre. Entre mémoire et histoire: la problématique des lieux. In: NORA, Pierre (org). Les lieux de mémoire. Paris: Gallimard, [1984]. v.1 La République. p. xxiv-xlii.

PERROTTI, Edmir. Do direto à cultura letrada. Cartas de Maria da Graça Teixeira. Livro: Revista do Núcleo de Estudos do Livro e da Edição. São Paulo, n. 9-10, p. 557-574, nov. 2021

PERROTTI, Edmir. Sobre informação e protagonismo cultural. In: GOMES, Henriette Ferreira; NOVO, Hildenise Ferreira (Orgs.). Informação e protagonismo social. Salvador: EDUFBA, 2017. p. 11-26.

PERROTTI, Edmir; PIERUCCINI, Ivete. Infoéducation: ceci n´est pas une pipe. À la recherche d´une troisième rive. Mediadoc Apden, Paris, n.16, p. 18-21, juin, 2016.

PIERUCCINI, Ivete. A ordem informacional dialógica: estudo sobrre a busca da informação em educação. 2004. Tese (Doutoado em Ciência da Informação e Documentação) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27143/tde-14032005-144512/pt-br.php. Acesso em 12 julho 2023

POMBO, Olga. Interdisciplinaridade e integração dos saberes. Liinc em Revista, v. 1, n. 1, 2005. Disponível em: https://revista.ibicit.br/liinc/article/view/3082. Acesso em 12 julho 2023.

PRIGOGINE, Ilya. O fim das certezas: tempo, caos e as leis da natureza. São Paulo: UNESP, 2011.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina. Anuário Mariateguiano, Lima: Amatua, v. 9, n. 9, p. 201-246, 1997. https://www.decolonialtranslation.com/espanol/quijano-colonialidad-del-poder.pdf. Acesso em 12 julho 2023.

RICHTER, Nöe. La lecture et ses institutions: la lecture populaire, 1700-1918. Bassac: Éd. Plein chant, 1987.

WIENER, Norbert. Cybernetics; or Control and Communication in the Animal and the Machine. New York: Wiley & Sons, 1948.

Downloads

Publicado

2023-12-06

Como Citar

Perrotti, E. “Biblioeducação, Rompendo Paradigmas: Transversalidade E Verticalidade Na Era Da Informação”. Brazilian Journal of Information Science: Research Trends, vol. 17, dezembro de 2023, p. e023055, doi:10.36311/1981-1640.2023.v17.e023055.

Edição

Seção

Dossiê "Transversalidade e Verticalidade na Ciência da Informação"