Barreiras no processo de desenvolvimento de repositórios institucionais nos Institutos Federais do Brasil

Autores

  • Deise Lourenco de Jesus Instituto Federal de Brasília
  • Angelica Sousa Instituto Federal de Brasília
  • Juliana Detoni Instituto Federal de Brasília
  • Murilo Cunha Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.36311/1981-1640.2021.v15.e02111

Palavras-chave:

Repositório institucional, Instituto Federal, Acesso aberto, Biblioteca universitária

Resumo

Este artigo objetiva identificar quais são as dificuldades encontradas pelas instituições de ensino da rede federal no Brasil no momento de implantar seus repositórios institucionais. Metodologia: foi enviado um questionário via e-mail aos institutos federais do Brasil no período de dezembro de 2020 a janeiro de 2021, foram obtidas 70 respostas. A análise dos dados revela que 90% dos Institutos tentaram em algum momento iniciar a implantação de um repositório institucional, apenas 17% concluíram com êxito. As principais barreiras apontadas remetem a dificuldades referentes ao conhecimento técnico de software por parte da equipe de tecnologia de informação, a falta de recursos humanos, conhecimento técnico da equipe da biblioteca e desinteresse das instâncias superiores. Conclui-se, portanto, que as bibliotecas, apesar de estarem engajadas e reconhecerem a importância do repositório institucional, precisam melhorar a comunicação entre os setores, a qualificação dos profissionais de tecnologia da informação e da biblioteca e a visibilidade deste serviço para concluir com sucesso seus projetos de implantação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Angelica Sousa, Instituto Federal de Brasília

Bibliotecária do Instituto Federal de Brasília, mestre em Educação Profissional e Tecnológica

Juliana Detoni, Instituto Federal de Brasília

Bibliotecária do Instituto Federal de Brasília

Murilo Cunha, Universidade de Brasília

É graduado em Biblioteconomia pela Universidade de Brasília (UnB, 1968), mestrado em Administração de Bibliotecas pela Universidade Federal de Minas Gerais (1978), doutor (Ph. D.) em Library Science pela University of Michigan ( EUA,1982), e estágio de pós-doutorado na University of Michigan (1996-97). Professor titular aposentado da UnB, professor permanente do Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação da UnB, líder do Grupo de Pesquisa sobre Biblioteca digital (UnB-FCI). Editor da Revista Ibero-americana de Ciência da Informação [http://periodicos.unb.br/index.php/RICI/index]; editor do blog Biblioteca do Bibliotecário [ https://www.facebook.com/bibliotecadobibliotecario/].

Referências

Alves, C. G. M. and Del pino, J. C. “A atuação dos IFs frente ao Sistema Nacional de Pós-graduação: um comparativo entre 2008 – 2014”. HOLOS, Natal, vol. 5, pp. 379-400, out. 2015, http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/view/3090. Acessado: 2 out. 2020.

Bankier, J. G. and Perciali, I.” The institutional repository rediscovered: what can a university do for open access publishing?” Serials review, vol. 34, no. 1, pp. 21-26, 2008, https://www-tandfonline.ez54.periodicos.capes.gov.br/doi/full/10.1080/00987913.2008.10765147. Acessado: 10 dez. 2020.

Bomfim, A. M. and Rôças, G. “Educação superior e educação básica nos Institutos Federais: a verticalização e a capilaridade do ensino a partir da avaliação dos docentes.” Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, vol. 1, no. 14, pp. 1-19, jun. 2018, http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/6697. Acessado: 24 nov. 2020.

Brasil. Ministério da Educação. PNP 2020: ano base 2019. Brasília: MEC, 2020, http://plataformanilopecanha.mec.gov.br/2020.html Acessado: 2 nov. 2020.

Brasil. Ministério da Educação. Rede Federal Profissional, Científica e Tecnológica, http://portal.mec.gov.br/rede-federal-inicial/: Acessado: 9 out. 2020.

Brasil. Ministério da Educação. Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica ao longo de todo o território nacional. MEC, 2019, http://portal.mec.gov.br/rede-federal-inicial/instituicoes. Acessado: 21 nov. 2020.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Análise dos Indicadores de Gestão das Instituições Federais de Educação Profissional e Tecnológica: períodos Letivos 2009 e 2010. SETEC, 2011, http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download&gid=17982&Itemid=. Acessado: 22 nov. 2020.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria De Educação Profissional e Tecnológica. Relatório anual de análise dos indicadores de gestão das Instituições Federais de Educação Profissional, Científica e Tecnológica: exercício 2015. SETEC, 2016, https://www.gov.br/mec/pt-br/media/seb-1/pdf/rede_federal/relatorios_publicacoes/setec_analise_de_indicadores_2015.pdf. Acessado: 2 nov. 2020.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria De Educação Profissional e Tecnológica. Relatório anual de análise dos indicadores de gestão das Instituições Federais de Educação Profissional, Científica e Tecnológica: exercício 2018. SETEC, 2019, http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=117321-caderno-de-indicadores-2019-tcu&category_slug=julho-2019-pdf&Itemid=30192. Acessado: 22 nov. 2020.

Camargo, L. S. de A. de and Vidotti, S. A. B. G. “Arquitetura da informação para repositórios científicos digitais”. In: SAYÃO, Luís et al. Implantação e gestão de repositórios institucionais: políticas, memória, livre acesso e preservação. EDUFBA, 2009, https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ufba/473/3/implantacao_repositorio_web.pdf. Acessado: 28 out. 2020.

Campos, M. M. S. “A expansão da Rede Federal de Educação Profissional, Técnica e Tecnológica no período 2003-2014: uma análise a partir da abordagem das capacitações”. Economia e desenvolvimento, Santa Maria, vol. 28, no. 2, pp. 497-516, jul./dez. 2016, https://periodicos.ufsm.br/eed/article/view/26166/pdf. Acessado: 28 out. 2020.

Conde, S. C. O. et al. “Os Institutos Federais em três dimensões de análise”. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, Natal, vol. 1, no. 10, pp. 2-11, jun. 2016, http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/3463. Acessado: 2 nov. 2020.

Costa, S. M. de S. and Leite, F. C. L. “Insumos conceituais e práticos para iniciativas de repositórios institucionais de acesso aberto à informação científica em bibliotecas de pesquisa”. In: Sayão, Luís et al. Implantação e gestão de repositórios institucionais: políticas, memória, livre acesso e preservação. EDUFBA, 2009, https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ufba/473/3/implantacao_repositorio_web.pdf. Acessado: 28 out. 2020.

Crow, R. The case for institutional repositories: a SPARC position paper. ARL, 2002, http://www.arl.org/sparc/bm~doc/ir_final_release_102.pdf. Acessado: 28 out. 2020.

Fernandes, F. C. M. “Gestão dos Institutos Federais: O desafio do centenário da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica”. HOLOS, vol. 2, ano 25, pp. 3-9, out. 2009, http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/view/267. Acessado: 02 out. 2020.

Jain, P. “New trends and future applications/directions of institutional repositories in academic institutions”. Library Review, vol. 60, no. 2, pp. 125-141, 2011, https://www.emerald.com/insight/content/doi/10.1108/00242531111113078/full/html. Acessado: 28 out. 2020.

Kuramoto, H. “Repositórios institucionais: políticas e mandatos”. In: Sayão, Luís et al. Implantação e gestão de repositórios institucionais: políticas, memória, livre acesso e preservação. EDUFBA, 2009, https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ufba/473/3/implantacao_repositorio_web.pdf. Acessado: 28 out. 2020.

Lawrence, S. “Free online availability substantially increases a paper's impact.” Nature, vol. 411, no. 521, 2001, https://www-nature.ez54.periodicos.capes.gov.br/articles/35079151. Acessado: 28 out. 2020.

Leite, F. C. L. and Costa, S. “Repositórios institucionais como ferramentas de gestão do conhecimento científico no ambiente acadêmico”. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, vol.11, no. 2, 2006, pp. 206-219. ISSN 1981-5344, http://dx.doi.org/10.1590/S1413-99362006000200005. Acessado: 28 out. 2020.

Leite, F. C. L. Como gerenciar e ampliar a visibilidade da informação científica brasileira: repositórios institucionais de acesso aberto. IBICT, 2009, https://livroaberto.ibict.br/handle/1/775. Acessado: 28 out. 2020.

Lynch, C. A. “Institutional repositories: essential infrastructure for scholarship in the digital age”. ARL Bimonthly Report, vol. 26, 2003, https://muse-jhu-edu.ez54.periodicos.capes.gov.br/article/42865 Acessado: 28 out. 2020.

Magalhães, G. L. and Castioni, R. “Educação profissional no Brasil: expansão para quem?”. Ensaio: avaliação e políticas públicas em educação, vol. 27, no. 105, pp. 732-754, out. 2019, https://revistas.cesgranrio.org.br/index.php/ensaio/article/view/1647. Acessado: 02 out. 2020.

Mendonça, D. and Danin, G. and Pinto, A. and Rodrigues, A. and Berrio-Zapata, C. “Panorama dos repositórios institucionais nos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia do Brasil”. Ciência da Informação, vol. 48 no. 3 (Supl.), pp. 436-437, set./dez. 2019, http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/4910/4505. Acessado: 26 jan. 2021.

Mighelli, M. “Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia: um futuro incerto”. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, vol. 23, no. 51, pp. 157-165, jan./abr., 2018, https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/1518-2924.2018v23n51p157/35515. Acessado: 23 nov. 2020.

Moraes, M. A. C. “O SINAES nos Institutos Federais: adequação e pertinência no âmbito da avaliação institucional”. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, vol. 1, no. 6, pp. 30-39, abr. 2013, http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/3563. Acessado: 12 out. 2020.

Nascimento, M. M. and Cavalcanti, J. H. C.and Ostermann, F. “Dez anos de instituição da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica: o papel social dos Institutos Federais”. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, vol. 101, no. 257, pp. 120-145, jan./abr. 2020, http://rbepold.inep.gov.br/index.php/rbep/article/view/4420/pdf. Acessado: 31 out. 2020.

Nascimento, M. L. O. “A política de educação profissional e a mercantilização da educação: o público e o privado na execução do Pronatec”. Educação: teoria e prática, vol. 25, no. 50, pp. 549-562, dez. 2015, https://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/educacao/article/view/9793/7334. Acessado: 22 nov. 2020.

Oliveira, A. R. M. and Escott, C. M. “Políticas públicas e o ensino profissional no Brasil. Ensaio: avaliação e políticas públicas em educação”, vol. 23, no. 88, pp.717-738, 2015, https://www.scielo.br/pdf/ensaio/v23n88/1809-4465-ensaio-23-88-0717.pdf. Acessado: 22 nov. 2020.

Oliveira, B. C. and Cruz, S. P. S. “Verticalização e trabalho docente nos Institutos Federais: uma construção histórica”. Revista HISTEDBR On-line, vol. 17, no. 2, pp. 639-661, 2017, https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8645865. Acessado: 15 out. 2020.

Otranto, C. R. “Criação e implantação dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia – IFETs”. Retta, vol. 1, no. 1, pp. 98-108, jan./jul 2010, http://www.ufrrj.br/SEER/index.php?journal=retta&page=article&op=view&path%5B%5D=495&path%5B%5D=243. Acessado: 19 set. 2014.

Sayão, L. F. and Marcondes, C. H. “Software livres para repositórios institucionais: alguns subsídios para a seleção”. In: Sayão, Luís et al. Implantação e gestão de repositórios institucionais: políticas, memória, livre acesso e preservação. EDUFBA, 2009, https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ufba/473/3/implantacao_repositorio_web.pdf. Acessado: 21 out. 2020.

Ware, Mark. “Institutional repositories and scholarly publishing”. Learned publishing. vol. 17, no. 2, April 2004, https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1087/095315104322958490. Acessado: 28 out. 2020.

Downloads

Publicado

2021-07-15

Como Citar

Jesus, D. L. de, A. Sousa, J. Detoni, e M. Cunha. “Barreiras No Processo De Desenvolvimento De repositórios Institucionais Nos Institutos Federais Do Brasil”. Brazilian Journal of Information Science: Research Trends, vol. 15, julho de 2021, p. e02111, doi:10.36311/1981-1640.2021.v15.e02111.