A cooperação Sul-Sul na política externa dos governos Lula da Silva: da margem ao centro da agenda/South-South cooperation in Brazilian foreign policy during Lula da Silva's administration: from margin to center of the agend

Autores

  • Raphael Camargo Lima San Tiago Dantas (UNESP, UNICAMP, PUC-SP)

DOI:

https://doi.org/10.36311/2237-7743.2015.v4n2.09.p356

Resumo

Resumo: Entre os anos 1930 e 1990, a política externa brasileira esteve orientada por uma ação diplomática que proporcionasse ganhos para o desenvolvimento econômico. A partir dos anos 1960, essa tônica motivou a diplomacia brasileira a aproximar-se de outros países periféricos para realizar esse projeto nacional. No mesmo período, países em desenvolvimento da Ásia, África e América Latina iniciaram coalizões e projetos conjuntos em organizações internacionais logrando o mesmo objetivo. Nesse contexto, foi criado o conceito de Cooperação Sul-Sul. Tal mecanismo foi recorrentemente utilizado pela política externa brasileira para atingir seus objetivos de desenvolvimento nacional. Contudo, a cada década, a ênfase foi adaptando-se, de acordo com as mudanças nos contextos doméstico e internacional. Nos anos 1980 e 1990, devido à crise econômica do Brasil e à adaptação neoliberal, a Cooperação Sul-Sul esteve menos presente na ação externa do país. Com o advento dos anos 2000, em especial nos dois governos de Lula da Silva (2003-2010), o mecanismo ganhou novos contornos nas formulações da política externa brasileira. Nesse sentido, o presente artigo debate o retorno da Cooperação Sul-Sul nas relações externas do Brasil e as novas características desse processo, com foco na cooperação para o desenvolvimento, coalizões e organismos internacionais.

Palavras-chave: Política Externa Brasileira; Cooperação Sul-sul; Governos Lula da Silva.

 

 

Abstract: Between  1930  and  1990,  the  Brazilian  foreign  policy  was  guided  towards  a diplomatic action seeking to provide gains for economic development. Since the 1960s, this concept motivated the Brazilian diplomacy to approach other peripheral countries in order to carry out this national project. At the same time, developing countries in Asia, Africa and Latin America have begun joint coalitions and projects in international organizations seeking to achieve the same goal. In this context, the concept of South-South cooperation was created. Such a mechanism was repeatedly used by Brazilian foreign policy to achieve their national development objectives. However, on every decade, its emphasis was adapted according to the changes in domestic and international contexts. In the 1980s and 1990s, due to the economic crisis in Brazil and the neoliberal adjustment, South-South Cooperation was less present on the country’s external action. During 2000s, especially Lula's administration (2003-2010), this mechanism has gained new dimensions in Brazilian foreign policy formulation. Hence, this article discusses the return of South-South Cooperation on Brazil’s external action and the new  features  of  this  process,  focusing  on  development  cooperation,  coalitions  and international organizations.

Keywords: Brazilian Foreign Policy; South-South Cooperation; Lula da Silva’s administration.



DOI: 10.20424/2237-7743/bjir.v4n2p356-383

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raphael Camargo Lima, San Tiago Dantas (UNESP, UNICAMP, PUC-SP)

Mestre em Relações Internacionais pelo Programa de Pós-Graduação San Tiago Dantas (UNESP, UNICAMP, PUC-SP). Membro do Grupo de Estudos de Defesa e Segurança Internacional (GEDES) e redator-colaborador do Observatório de Política Externa (OPEx). E-mail: raphael.camargolima@gmail.com

Downloads

Publicado

2015-09-03

Edição

Seção

Artigos