CENTRO, PERIFERIA OU SEMIPERIFERIA NAS CADEIAS GLOBAIS DE VALOR? AS POSIÇÕES DO BRASIL E DA CHINA NA ECONOMIA-MUNDO CONTEMPORÂNEA (2005-2015)

Autores

  • Gabriela Tamiris Rosa Corrêa Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

DOI:

https://doi.org/10.36311/2237-7743.2023.v12n1.p61-90

Palavras-chave:

Brasil; China; Cadeias Globais de Valor; Economia-Mundo;

Resumo

De que forma a inserção de Brasil e China na divisão internacional do trabalho (DIT) expressa e condiciona os seus respectivos posicionamentos na economia-mundo contemporânea? O objetivo deste trabalho é verificar como a agregação de valor no comércio de bens e serviços de Brasil e China nas cadeias globais de valor (CGV), entre 2005 e 2015, se relaciona com suas respectivas disposições na economia-mundo contemporânea (centro, periferia ou semiperiferia). Para atender a este objetivo, definimos uma amostra de países para cada estrato da economia-mundo, a partir da classificação pela renda nacional bruta per capita do Banco Mundial (2020). Posteriormente, analisamos, comparativamente, a inserção de Brasil e China nas CGV entre 2005 e 2015 e, então, mensuramos os dados sobre o comércio de valor agregado disponíveis no portal Trade In Value-Add (OCDE/OMC) para os três estratos da economia-mundo capitalista. Encontramos que os valores do comércio de valor agregado chinês se assemelham mais aos padrões centrais nos últimos anos, enquanto os brasileiros têm se assemelhado, cada vez mais, aos periféricos. Portanto, apesar de Brasil e China ainda pertencerem ao estrato semiperiférico do sistema-mundo, em partes devido aos padrões de renda semelhantes, o Estado asiático encontra-se mais próximo do centro capitalista do que o Brasil, denotando a continuidade de suas políticas domésticas para o desenvolvimento nacional e para o upgrading nas CGV. Observamos, assim, um processo de bifurcação na semiperiferia da economia-mundo capitalista, onde a China tem se diferenciado positivamente na divisão internacional do trabalho em relação às suas contrapartes semiperiféricas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Gabriela Tamiris Rosa Corrêa, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais da Universidade Federal de Santa Maria (PPGRI-UFSM). Bacharela em Relações Internacionais pela mesma universidade. Foi bolsista PIBIC/CNPq de iniciação científica na área de política externa latino-americana e análise qualitativa-comparativa. Atualmente, é estudante vinculada ao Grupo de Estudos em Capacidade Estatal, Segurança e Defesa (GECAP/UFSM) e pesquisadora no Grupo de Estudos Ásia-Pacífico (GEAP/UFSM). Participa do projeto de extensão Paralelo 33. Tem interesse de pesquisa nas áreas de (i) Economia Política Internacional, com ênfase no desenvolvimento do sistema-mundo capitalista e na reemergência da China; e (ii) Análise de Política Externa latino-americana, especialmente brasileira. Publicou, em 2021, em duas revistas de iniciação científica, sendo um dos artigos relacionados à competição sino-americana e outro ao complexo industrial-militar-acadêmico dos Estados Unidos.

Downloads

Publicado

2023-05-01

Como Citar

ROSA CORRÊA, G. T. CENTRO, PERIFERIA OU SEMIPERIFERIA NAS CADEIAS GLOBAIS DE VALOR? AS POSIÇÕES DO BRASIL E DA CHINA NA ECONOMIA-MUNDO CONTEMPORÂNEA (2005-2015). Brazilian Journal of International Relations, Marília, SP, v. 12, n. 1, p. 61–90, 2023. DOI: 10.36311/2237-7743.2023.v12n1.p61-90. Disponível em: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/bjir/article/view/13110. Acesso em: 14 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos