Disputas comerciais entre países desenvolvidos e em desenvolvimento no Órgão de Solução de Controvérsias da Organização Mundial do Comércio

uma aplicação do modelo gravitacional

Autores

  • Andréa Freire de Lucena Universidade Federal de Goiás
  • Caroline Ferreira de Oliveira consultoria EY
  • Edson Roberto Vieira Universidade Federal de Goiás (UFG)

DOI:

https://doi.org/10.36311/2237-7743.2021.v10n3.p555-577

Palavras-chave:

Poder, Países desenvolvidos, Países em desenvolvimento, Órgão de Solução de Controvérsias, Organização Mundial do Comércio

Resumo

O Órgão de Solução de Controvérsias (OSC) da Organização Mundial do Comércio (OMC) tem tido papel relevante no equilíbrio do comércio global, devido à sua finalidade de contribuir para a fluidez do comércio internacional, dentro de um contexto caracterizado pela desigualdade econômica e social dos países, que incentiva as disputas comerciais. O objetivo do artigo é verificar se as relações de poder existentes entre os países desenvolvidos, em desenvolvimento e de menor desenvolvimento, no âmbito da organização, influenciaram o comércio bilateral entre os países que participaram de um contencioso comercial no período 2005-2017. A pesquisa fez uso do método Poisson Pseudo-Maximum-Likelihood (PPML), com dados de 124 países membros da OMC, para estimar uma equação gravitacional. Os resultados mostram que, em meio a uma realidade de interdependência entre os países, a assimetria das relações faz com que os países que possuem maior poder econômico tenham influência para aumentar seus benefícios nas relações comerciais entre as partes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andréa Freire de Lucena, Universidade Federal de Goiás

Doutora em Relações Internacionais (UnB). Professora associada da Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Ciências Econômicas (FACE) da Universidade Federal de Goiás (UFG). Áreas de interesse: Comércio exterior e organizações internacionais.

 

Caroline Ferreira de Oliveira , consultoria EY

Graduada em Comércio Exterior (PUC-SP) e em Ciências Econômicas (UFG).  Consultora em Corporate Finance na empresa de consultoria EY. Participou, durante a graduação, do Projeto de Extensão Industrial Exportadora (PEIEX), além de se dedicar ao trabalho de iniciação científica intitulado “Disputas comerciais brasileiras no Órgão de Solução de Controvérsias da Organização Mundial do Comércio: ganhos ou perdas?”. Participou da equipe organizadora do Encontro Nacional de Estudantes de Economia (ENECO) 2017, fez parte do Centro Acadêmico de Economia Paulo Bertran (UFG) e atuou como voluntária na aplicação social Crisálida. Área de interesse: comércio exterior. 

Edson Roberto Vieira, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Doutor em Economia Aplicada (UFU). Professor adjunto da Universidade Federal de Goiás (UFG) e Superintendente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em Goiás. Áreas de interesse: determinantes das exportações e teorias do comércio internacional.

Referências

ALMEIDA, Paulo Roberto. A longa marcha da OMC: do nascimento aos impasses atuais. Boletim Meridiano 47, Brasília, v. 16, n. 150, p. 16-22, jul./ago. 2015.

AMARAL, Renata Vargas. Retaliação Cruzada na OMC: disciplina e desafios para o sistema multilateral de comércio. 2012. Tese (Doutorado em Direito) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012.

CANESIN, Carlos Henrique. Uma proposta metodológica de modelagem multinível para o tratamento da participação dos países em desenvolvimento no Órgão de Solução de Controvérsias da OMC. 2016. Tese (Doutorado em Relações Internacionais) – Universidade de Brasília, Brasília, 2016.

CARVALHO, Maria Izabel Valladão. O Órgão de Solução de Controvérsias da OMC e os países em desenvolvimento: quais são os membros que contam? Boletim Meridiano 47, Brasília, v. 13, n. 133, p. 34-41, set./out. 2012.

CEPII - CENTRE FOR PROSPECTIVE STUDIES AND INTERNATIONAL INFORMATION. GeoDist. Disponível em: http://www.cepii.fr/CEPII/en/bdd_modele/presentation.asp?id=6. Acesso em: 18 nov. 2020.

HOEKMAN, Bernard; KOSTECKI, Michel. The political economy of the world trading system. Oxford: Oxford University Press, 1995.

KEOHANE, Robert O.; NYE, Joseph S. Power and interdependence. New York: Longman, 2001.

KNORR, Klaus. The power of nations – The political economy of International Relations. New York: Basic Books Inc. Publishers, 1975.

LIMA, Thiago. O Desafio de Ganhar e Levar: um estudo sobre a reação dos EUA em contestações agrícolas na OMC. Cadernos CEDEC, São Paulo, n. 84, p. 7-29, 2009.

LOPES, Inez. Órgão de Solução de Controvérsias da OMC: acesso aos países em desenvolvimento? Direito. UnB, Brasília, v. 1, n. 2, p. 33-66, jul./dez. 2014.

LEUSIN JÚNIOR, Sérgio. O efeito fronteira das regiões brasileiras: uma aplicação do modelo gravitacional. 2008. Dissertação (Mestrado em Economia) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2008.

LIDA, Keisuke. Is WTO Dispute Settlement effective? Global Governance, Boulder, v. 10, n. 2, p. 207-225, apr./jun. 2004.

NASCIMENTO, Emmyline Chistine; ALMEIDA, Jordênia Adelaide. Do GATT a OMC: A Dinâmica dos Estados em Desenvolvimento. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE PÓS GRADUAÇÃO EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS, 1., 2012, Brasília. Anais [...]. Belo Horizonte: ABRI, 2012. Disponível em: http://www.seminariopos2012.abri.org.br/conteudo/view?ID_CONTEUDO=798. Acesso em: 17 abr. 2020.

NASCIMENTO, Fábio; PREGARDIER JÚNIOR, Dilmar. A Evolução do Modelo Gravitacional na Economia. Saber Humano, Restinga Seca-RS, v. 3, n. 4, p. 163-175, 2013.

REIS, Magno; SANTAROSSA, Eduardo Trapp; AZEVEDO, André Filipe Zago; PÔRTO JÚNIOR, Sabino da Silva. A OMC Continua Promovendo o Comércio de Forma Desigual: Novas Evidências a Partir dos Anos 1990. Revista Brasileira de Econometria, Rio de Janeiro, v. 69, n. 3, p. 389-404, jul./set. 2015.

SILVA, J. M. C. S.; TENREYRO, S. The Log of Gravity. Review of Economics and Statistics, Cambridge, v. 88, n. 4, p. 641-658, 2006.

THORSTENSEN, Vera. A OMC – Organização Mundial do Comércio e as negociações sobre investimentos e concorrência. Revista Brasileira de Política Internacional, Brasília, v. 41, n. 1, p. 57-89, jan./jun. 1998.

TREBILCOCK, M. J.; HOWSE, R. The regulation of International Trade. London: Routledge, 1999.

UNITED NATIONS. UN Comtrade Database. Disponível em: https://comtrade.un.org/. Acesso em: 10 nov. 2020.

WORD BANK. Indicators. Disponível em: https://data.worldbank.org/indicator. Acesso em: 20 nov. 2020.

WTO - WORLD TRADE ORGANIZATION. Disputes by country/territory. Disponível em: https://www.wto.org/english/tratop_e/dispu_e/dispu_by_country_e.htm. Acesso em: 15 out. 2020.

WTO - WORLD TRADE ORGANIZATION. Building trade capacity. Disponível em: https://www.wto.org/english/tratop_e/devel_e/build_tr_capa_e.htm. Acesso em: 15 dez. 2021.

Downloads

Publicado

2021-12-30

Edição

Seção

Artigos