CAPOEIRA: MUSICALIDADE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL

Palavras-chave: Atividade Motora Adaptada, Capoeira, Ritmo, Deficiência Intelectual

Resumo

Através de frequências, vibrações, pulsos e ritmos pode-se sentir a música e reproduzi-la de várias
maneiras, sendo um instrumento facilitador para o desenvolvimento motor, social e afetivo de pessoas
com Deficiência Intelectual. Neste sentido, o objetivo deste estudo foi avaliar o desenvolvimento da
coordenação motora global através da aprendizagem do “Movimento da Palma” e do “Batuque no
pandeiro” em três intensidades rítmicas, sendo 64 bpm, 120 bpm e 184 bpm. Foram participantes
12 pessoas com Deficiência Intelectual com idade entre 18 e 65 anos. A coleta de dados ocorreu antes
e após a realização de uma sequência pedagógica para a aprendizagem do Movimento da Palma e do
Batuque no Pandeiro. A análise dos dados ocorreu com o Software para Análises Estatísticas SPSS versão
21. Os resultados apontam diferenças significativas entre as médias apresentadas pelos participantes
antes e pós-intervenção pedagógica. Conclui-se que o ensino do movimento “Batuque no Pandeiro”
aliado à expressão rítmica e o ensino do “Movimento da Palma” na baixa velocidade (64 bpm) podem
ser considerados facilitadores para o processo de aprendizagem da musicalidade rítmica da pessoa com
deficiência intelectual, além de promover aprimoramento rítmico e da coordenação motora global.

Recebido em: 16/05/2020
Reformulado em: 27/05/2020
Aceito em: 28/05/2020

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anderson Rodrigues de Carvalho, Faculdade Peruíbe - Fpbe

Estudante do curso de Licenciatura em Educação Física 

Andreia Salvador Baptista, Faculdade Peruíbe - Fpbe

Professora pela UNISEPE Faculdade de Peruíbe. Doutora em Ciências da Saúde pela Unifesp

Milena Pedro de Morais, Faculdade Peruíbe - Fpbe / Universidade São Judas Tadeu

Professora na Faculdade Peruíbe no curso de Educação Física e Doutoranda na Universidade São Judas Tadeu. 

Referências

ARTAXO,I.; MONTEIRO. G. a. Ritmo e Movimento Teoria e Prática, Phorte Editora, 2007.

BENTO, D. C et al. O Ensino da Capoeira como conteúdo possível nas escolas para pessoas com deficiência na cidade de Aracaju - SE. In: IV Colóquio Internacional Educação e Contemporaneidade de 2010, p. 3-14, 2013.

BOATO, E. M. Metodologia de abordagem corporal para autistas. In: Os professores como intelectuais: Novas perspectivas didático-pedagógicas na Educação Física Escolar Brasileira. Curitiba: Editora CRV, p. 231-242, 2018.

BRAGA, A. L.; OLIVEIRA, R. G. D. Educação física e musica – uma visão dos professores sobre a música na educação física. In. Os professores como intelectuais: Novas perspectivas didático-pedagógicas na Educação Física Escolar Brasileira. Curitiba: CRV, p. 231-242, 2018.

CAMARGO, C. M. O ensino na perspectiva da poética, da práxis e da teoria - processo de formação alternativos da à indústria da cultura. In: ARTAXO,I.;MONTEIRO. G. A. Ritmo e movimento teoria e pratica. Editora Phorte, p. 55-60, 2007.

CAMPOS B.R.P. et al. A contribuição da música e da dança no desenvolvimento da psicomotricidade de pessoas com Deficiência Intelectual. Archives of Health Investigation, v.4, n.2, 2015.

CHARRO, M.A. et al. Manual de avaliação física, Editora Phorte, 2010.

MEDEIROS, J. S, SILVA, A. P. A. Capoeira para portadores de barreiras de aprendizagem no contexto da educação física escolar. VIII Encontro Fluminense de Educação Física. p. 1-3, 2004.

NASCIMENTO, G. N. et al. A musicalização infantil e a inclusão social. Integratio, v. 2, n. 2, p. 47-53, Ago. – Dez, 2016.

PALMA L. E. et al. Ensino da Capoeira para Pessoas com Deficiência Intelectual. Revista da Sobama, v. 13, n.1, p. 27-30, Junho, 2012.

TEIXEIRA BV, MOTA CG. A prática da capoeira por pessoas com síndrome de Down: uma revisão da literatura. Acta Fisiátrica, v.25, n.1, p.40 – 45, 2018.

THOMAS, J. R; NELSON, J. K; Métodos de pesquisa em atividade física. Trad. Ricardo Petersen et al, 3 ed; Porto Alegre, ArtMed, 2002.

VIEIRA, S. Bioestatística: tópicos avançados. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier: Campus, 2010.
Publicado
2020-06-02