ESPAÇOS ESTIMULADORES PARA BEBÊS E CRIANÇAS BEM PEQUENAS NA CRECHE: CONTRIBUIÇÕES DA EPISTEMOLOGIA GENÉTICA

Palavras-chave: Ambiente, Creche, Epistemologia Genética, Espaço

Resumo

Neste artigo, pretendemos focar os espaços da creche, enquanto estimuladores do desenvolvimento e da aprendizagem dos bebês e de crianças bem pequenas, refletindo sobre as contribuições da Epistemologia Genética. Ainda que Piaget não tenha escrito, de forma direta, sobre questões pedagógicas relacionadas ao atendimento de crianças pequenas, suas pesquisas trazem valiosas contribuições ao entendimento da concepção de criança ativa e ao planejamento de uma práxis pedagógica estimuladora na creche. Para tanto, elegemos o espaço como eixo de reflexão e análise, apresentando o relato de uma experiência de reorganização de uma creche municipal de uma cidade de médio porte do interior do estado de São Paulo. Os resultados da reorganização dos espaços demonstram que a alteração intencional e planejada dos ambientes proporciona novas formas de interações físicas e sociais e ratifica as possíveis contribuições da Epistemologia Genética para o tema

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGOSTINHO, Kátia Adair. O Espaço da Creche: que lugar é este? Dissertação (Mestrado em Educação) –Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2003.

ALVARENGA, P; PICCININI, C. A. O Impacto do Temperamento Infantil, da Responsividade e das Práticas Educativas Maternas nos Problemas de Externalização e na Competência Social da Criança. Psicologia: Reflexão e Crítica, 20 (2), 314-323.2007.

AYRES, A. J.; HOBBINS, J. Sensory integration and the child: understanding hidden sensory challenges. 25.ed. Los Angeles: Western Psychological Services, 2005.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB 9394/96. Brasília: MEC, 1996.

BRASIL. Diretrizes Curriculares nacionais para a Educação Infantil. SEB – Brasília: MEC, 2010.

CALKINS, S. D. O temperamento e seu impacto no desenvolvimento infantil: comentários sobre Rothbart, Kagan e Eisenberg. Enciclopédia sobre o desenvolvimento na primeira infância. University of North Carolina, USA, setembro de 2005.

CAMPOS, R. F., “Política pequena” para as crianças pequenas? Experiências e desafios no atendimento das crianças de 0 a 3 anos na América Latina. Revista Brasileira de Educação v. 17 n. 49 jan.-abr. 2012.

COMITÊ CIENTÍFICO DO NÚCLEO CIÊNCIA PELA INFÂNCIA. Estudo I: O impacto do desenvolvimento na primeira infância sobre a aprendizagem. 2014. Disponível em www.ncpi.or.br

DE VRIES, R. & ZAN, B. A ética na Educação Infantil: o ambiente sócio moral na escola. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

FALK, J. (Org.). Educar os três primeiros anos: a experiência de Lóczy. Araraquara: Junqueira e Marin, 2011.

FIORENTINO, M. A. Basis for Sensorimotor Development: Normal and Abnormal. Springfield, Illinois: Charles C. Thomas, 1981.

GUIMARAES, D.; ARENARI, R. Na creche, cuidados corporais, afetividade e dialogia. Educ. rev., Belo Horizonte , v. 34, e186909, 2018 .

HORN, M. G. S. Sabores, cores, sons, aromas: a organização dos espaços na educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 2004.

MALAGUZZI, L. História, ideias e filosofia básica. In. EDWARDS, C. (Org). As cem linguagens da criança: a abordagem de Reggio Emília na educação da primeira infância. Porto Alegre, Penso, 2016.

MARÇAL, V. E. R.; LEPRE, R. M. A construção do conhecimento em crianças do período sensório-motor: relato de uma experiência com educadoras de creche. Momento, Rio Grande, 19 (2): 37-46, 2010. p.37-46.

MARÍN, I.; PENÓN, S. Que brinquedo escolher? Revista Pátio Educação Infantil, ano I, n. 3, p. 29-31, dez. 2003/mar. 2004.

MEDINA, J. A ciência dos bebês: da gravidez aos 5 anos. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

OLIVEIRA, L. A construção do espaço, Segundo Piaget. Sociedade & Natureza, Uberlândia, 17 (33), 105-117, Dez. 2005.

PATTERSON, G. R., DEGARMO, D. S., KNUTSON, N. Hyperactive and antisocial behaviors: Comorbid or two points in the same process? Development and Psychopathology, 12, 91-106, 2000.

PIAGET, J. O nascimento da inteligência na criança. 4.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

PIAGET, J. Para onde vai a educação? São Paulo: José Olympio, 1988.

PIAGET, J. Seis estudos de psicologia. 22. Ed. Rio de Janeiro; Forense Universitária, 1997.

PIAGET, J. O juízo moral na criança. São Paulo: Summus, 1994.

PIAGET, J. INHELDER, B. La representation de l´espace chez l’ enfant. Paris; PUF, 1948.

TADEU, B.; AGUIAR, C. A Qualidade Observada em Salas de Berçário. Psic.: Teor. e Pesq., Brasília, v. 32, n. 4, 2016 .

VINHA, T. P. O Educador e a moralidade infantil: uma visão construtivista, Campinas, SP: Mercado das Letras; São Paulo: Fapesp, 2000.
Publicado
2020-08-06
Seção
Artigos