MOVIMENTO E DESEJO EM PASCAL E HOBBES

  • Rodrigo Hayasi Pinto Professor de Filosofia na Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)

Resumo

O presente artigo discute acerca da questão do desejo em dois filósofos capitais do século XVII, Thomas Hobbes e Blaise Pascal. Tentaremos mostrar em que sentido cada um desses autores estabeleceu como pressuposto em suas teorias voluntaristas a superação dessa questão, tal como estava estruturada na filosofia antiga e medieval. Com efeito, ambos os filósofos refletem sobre o desejo a partir da ausência da noção de soberano bem, o que os leva a considerar o homem como tendo uma natureza estruturada apenas no movimento perpétuo e na insatisfação contínua. Por outro lado, ao ressaltar as diferenças entre os dois autores, perceberemos o delineamento de duas filosofias distintas, aquela defendida por Hobbes, que fundamenta o desejo a partir da noção de conatus, pautada na noção de prazer e aquela defendida por Pascal, nos fragmentos relacionados ao divertissement, que pensa o desejo a partir da idéia de desprazer.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-03-15
Seção
Artigos