A FORÇA TRANSFORMADORA DA NARRATIVA EM PAUL RICOEUR: ENFRENTAMENTO DO “ANALFABETISMO” EXISTENCIAL-CULTURAL

  • Marcius Tadeu Maciel Nahur Mestre em Direito pelo Centro Universitário Salesiano de São Paulo – Unisal – Lorena/SP. Professor do Unisal (Lorena/ SP) e da Faculdade Canção Nova (Cachoeira Paulista/SP) https://orcid.org/0000-0001-8729-9719
  • Jefferson da Silva Doutorado em Filosofia pela PUC-SP, professor do Centro Universitário Salesiano de São – Unidade Lorena e da Faculdade Canção Nova – Cachoeira Paulista/SP https://orcid.org/0000-0002-2671-4621
Palavras-chave: Narrativa, Ação, Identidade, Educação, Cultura

Resumo

O presente artigo busca discutir a questão da narrativa no pensamento de Paul Ricoeur (1913-2005) e seu poder transformador na identidade de um sujeito e, consequentemente, da cultura em que habita. Procurando refletir a respeito das narrativas, capazes de compor, de forma significativa, elementos heterogêneos das ações dos homens e da cultura, é possível acompanhar como tais elementos podem colaborar para a transformação de uma sociedade. É incentivando a reflexão e a leitura que se pretende realizar um movimento contrário a certo analfabetismo existencial-cultural. As artes, as grandes obras literárias e o estímulo do desenvolvimento cultural parecem, cada vez mais, distantes de uma sociedade que vem da dando prioridade para o tecnicismo e as informações desencontradas. As obras encontram-se aí para serem apreendidas, lidas e relidas, para uma possível transformação cultural, mas é necessário um empenho de todos nessa transformação, e é o que se propõe refletir com esse trabalho, baseando-se em pesquisa bibliográficas, na argumentação e na reflexão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASCOMBE, G.E.M. Intention. Cambridge: Harvard University Press, 2000.

HENRIQUES, F. Filosofia e literatura. Um percurso hermenêutico com Paul Ricoeur. Porto: Edições Afrontamento, 2005.

GENTIL, H. S. Para uma poética da modernidade – uma aproximação à arte do romance em Temps et Récit de Paul Ricoeur. Loyola: São Paulo, 2004.

______. “O que é interpretar? O mundo da ação e o mundo do texto”. In: Mente, cérebro e filosofia – fundamentos para a compreensão contemporânea da psique. v. 11, p.16-25, 2008.

KANT, I. Resposta à pergunta: “Que é o Iluminismo?” Trad. de Artur Mourão. Lisboa: Ediçoes 70, 1980.

KEMP, P. Ethique et narrativité: a propos de l’ouvrage de Paul Ricoeur. Temps et Récit. Aquinas, v. 29, a.2, p.211-232,1986.

PIERCEY, R. Paul Ricoeur in the ethical significance of reading. Philosophy Today, Chicago, DePaul University Press, v. 54, n. 3, 2010, p. 290.

REIS, J. C. História da consciência histórica ocidental contemporânea: Hegel, Nietzsche, Ricoeur. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

RICOEUR, P. História e verdade. Trad. de F. A. Ribeiro. Rio de Janeiro: Companhia Editora Forense, 1968.

______. O conflito das interpretações: ensaios de hermenêutica. Trad. de Hilton Japiassu. Rio de Janiero: Imago, 1978.

______. Do texto à ação: ensaios de hermenêutica. Trad. de Alcino Cartaxo e Maria José Sarabano). Porto-Portugal: Rés-editora, 1989.

______. Interpretação e Ideologias. Trad. de Milton Japiassu. 4. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1990.

______. O si mesmo como um outro. Trad. de Lucy Moreira Cesar. Campinas–SP Papirus, 1991.

______. Tempo e narrativa. Trad. de Claudia Berliner – revisão da tradução de Márcia Valéria Martinez de Aguiar. São Paulo: Martins Fontes, 2010.v. Ia

______. Tempo e narrativa - O tempo narrado. Trad. de Claudia Berliner – revisão da tradução de Márcia Valéria Martinez de Aguiar. São Paulo: Martins Fontes, 2010. v. IIIb.

SILVA, J. Entre Ricoeur e Freud: você é quem pensa ser? A desapropriação e a reapropriaçãoda consciência. Curitiba:CRV, 2018.

TARRICONE, J. A metáfora e o estranhamento. In: XII Congresso Internacional da ABRALIC – Associação Brasileira de Literatura Comparada, 18-22 205 jul. 2011. Centro, Centros – Ética, Estética. Curitiba: UFPR – Universidade Federal do Paraná, 2011.

TAYLOR, R. Action and Purpose. Englewood Cliffs: Prentice-Hall, 1996.

WITTGENSTEIN, L. Tratado Lógico-Filosófico. Trad. de M.S. Lourenço. 2. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1995.
Publicado
2020-07-20
Seção
Artigos