Emancipação da mulher, formação integral e contribuições da expressão musical

Palavras-chave: Formação Integral, Gênero, Direitos Humanos das Mulheres, Expressão Musical

Resumo

O problema central do estudo é a condição da mulher na sociedade contemporânea. Pressupõe-se que em contexto social de regressão em relação aos direitos fundamentais da pessoa humana, as conquistas das mulheres ficam seriamente ameaçadas, fazendo-se necessário resistir e intervir de modo qualificado. O objetivo é problematizar o papel da educação escolar voltada para a formação integral e à emancipação da mulher, com destaque para as contribuições da expressão musical. Trata-se de estudo bibliográfico e de análise de experiências. O texto contém: parte introdutória buscando articular questões da cultura escolar, de gênero e expressões musicais no contexto atual; uma segunda parte versando sobre as conquistas históricas das lutas feministas e valorando a seriedade e a necessidade dos estudos de gênero com vistas à dignificação da mulher e; uma terceira parte acerca da música como possibilidade artística no ensino e estudos de gênero. Por fim, conclui-se que os estudos sobre gênero com os aportes artísticos, enaltecendo a música, possibilitam a sensibilização para com a humanização no processo educativo, além da conscientização de que, para mudar a cultura social, é necessário ressaltar a importância do conhecimento para com o aprendizado histórico da sociedade.

Recebido em: 30/06/2019.
Aprovado em:10/11/2019.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Laura Bonini Rodrigues de Souza, Centro Universitário Eurípedes Soares da Rocha de Marília

Graduada em Direito pelo Centro Universitário Eurípedes Soares da Rocha de Marília (UNIVEM); mestranda em Educação (UNESP, Marília). 

Mariane dos Santos Gomes, Universidade Estadual Paulista - UNESP, campus de Marília

Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Filosofia e Ciências, câmpus de Marília (2013 - 2017). Membro do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID- Projeto Interdisciplinar EJA- Educação de Jovens e Adultos- Unesp de Marília (2014 - 2017). Trabalho de Conclusão de Curso apresentado: 'Os Sons e a Apropriação Musical na Educação Infantil: Um estudo Introdutório'. Atualmente aluna bolsista CAPES de mestrado do Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Filosofia e Ciências, Câmpus de Marília, integrante do Grupo de Pesquisa "GP FORME - Formação do Educador".

Vandeí Pinto da Silva, Universidade Estadual Paulista - UNESP, campus de Marília

Possui graduação em Filosofia pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade Salesiana (1986), especialização em Metodologia do Ensino pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP (1988), mestrado em Educação pela UNESP (1993) e doutorado em Educação pela UNESP (1998). Desenvolveu estágio de Pós Doutorado no PPGE da Universidade Federal de Uberlândia (2017-2018). Atualmente é professor assistente doutor junto ao Departamento de Didática e ao Programa de Pós Graduação em Educação da Faculdade de Filosofia e Ciências da UNESP, campus de Marília. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Ensino e Aprendizagem e Filosofia da Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: filosofia, ensino médio, humanização, interdisciplinaridade e formação docente. Coordenou o subprojeto Filosofia PIBID/CAPES por quarto anos. Atuou como coordenador de gestão de processos educacionais do Projeto PIBID/CAPES da UNESP de 2014 a 2016. Foi contemplado no Edital Visita Docente ao Exterior (2014) financiado pela PROPG e PROGRAD da UNESP referente ao Programa Graduação Inovadora, em convênio com a Academia de Versailles, Paris.

Referências

ANDRADE. J. E. J. O Feminismo Marxista e a demanda pela socialização do cuidado para com as crianças. In: Teles, M. A. de A.; Santiago, F.; Faria. A. L. G. de (Orgs.). Por que a creche é uma luta das Mulheres? Inquietações femininas já demonstraram que as crianças pequenas são de responsabilidade de toda a sociedade. São Carlos: Pedro & João Editores, 2018, p. 117-144.
BBC NEWS. Rosa nem sempre foi “cor de menina” - nem o azul, “de menino” (4/1/2019). Disponível em: . Acesso em: 20/02/2019.
BRASIL. Constituição (1988). Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF. Disponível em:. Acesso em: 02/01/2019.
BRASIL. LDB nacional [recurso eletrônico]: Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da Educação nacional. 11. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2015. Acesso em: 02/01/2019.
BRASIL. (1948). Declaração Universal dos Direitos Humanos. Biblioteca Unicef. Disponível em: . Acesso em: 02/01/2019.
BRASIL. Projeto de Lei no. 7.180/2014. Escola sem partido. 2014. Disponível em: . Acesso em: 05/01/2019.
BRASIL. Lei no. 7.716/ 1989. Crimes de Preconceito e Discriminação Racial (Lei de Racismo) 1989. Disponível em: . Acesso em: 05/01/2019.
BRASIL. Lei no. 11.340/2006. Maria da Penha. 2006. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11340.htm>. Acesso em: 01/03/2019.
BRITO, Teca Alencar de. Música na Educação Infantil: propostas para a formação integral das crianças. São Paulo: Peirópolis, 2003.
DIAS, E. Lei Maria da Penha: a terceira melhor lei do mundo. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/36178/lei-maria-da-penha-a-terceira-melhor-lei-do-mundo. Acesso em:01/03/2019.
FACCHINI, R.; FERREIRA. C. B. C. Feminismos e violência de gênero no Brasil: apontamentos para o debate. Ciência e Cultura, v. 68, 2016, p. 4-5.
GRANT, C. Direito, gênero e arte: A música popular brasileira como instrumento de reflexão acerca das categorias de gênero presentes no direto – para continuar o debate. In: GALUPPO, M. C.; RUIZ. I. A.; TRINDADE, A. K. (Coords.). XXII Encontro Nacional do CONPEDI/ Sociedade global e seus impactos sobre o estudo e a efetividade do Direito na contemporaneidade, 2013, São Paulo. Anais... São Paulo: UNINOVE, 2013, p. 240-267. Disponível em: http://www.publicadireito.com.br/artigos/?cod=970fb1f772fc2c31. Acesso em: 15/02/2019.
KRAMER, S. A Política do pré-escolar no Brasil: a arte do disfarce. São Paulo: Cortez, 2003.
LAFER, C. A reconstrução dos direitos humanos: um diálogo com o pensamento de Hannah Arendt. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.
LÁZARO. A.; MONTECHIARE. R. Presença das mulheres na Educação superior: conquistas e desigualdade persistente. In: BARRETO, A. A mulher no Ensino Superior: Distribuição e Representatividade. Cadernos do GEA, Rio de Janeiro, no. 6, jul./dez. 2014
LIMA. F. O projeto do Escola Sem Partido é arquivado em comissão da Câmara. Brasil, 2018. Disponível em: . Acesso em: 20/02/2019.
LIMA. E. A.; AKURI, J. G. M. Um currículo em defesa da plenitude da formação humana. In: COSTA, S. A.; MELLO, S. A. (Orgs.). Teoria histórico-cultural na Educação Infantil: Conversando com professores e professoras. Curitiba, PR: CRV, 2017.
LIMA. C. D.; SANCHES. N. P. L. A construção do Eu Feminino na música popular brasileira. Caderno Espaço Feminino, Uberlândia/MG, v. 21, no. 1, jan./jul. 2009.
LOURO, G. L. O corpo educado. Pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.
MARX, K. Manuscritos económico-filosóficos. Lisboa: Ed. 70, 1993.
MURGEL, A. C. A. T. Entre Capitus, Gabrielas, Tigresas e Carolinas: o olhar feminino na canção popular brasileira contemporânea. Labrys. Estudos Feministas (Edição em português. Online), v. 11, 2007.
PAOLETTI. J. Misticismo e gênero. Blog: 2018. Disponível em: . Acesso em: 03 mar. 2019.
PEDERIVA, P. L. M.; COSTA, S. A.; MELLO, S. A. Uma teoria para orientar nosso pensar e agir docentes na Educação infantil. In: COSTA, S. A.; MELLO, S. A. (orgs.). Teoria histórico-cultural na Educação Infantil: Conversando com professores e professoras. Curitiba, PR: CRV, 2017.
SÃO PAULO, M.P. Vozes pela igualdade de gênero. 2016. Disponível em: http://www.mpsp.mp.br/portal/page/portal/noticias/noticia?id_noticia=15909226&id_grup=118>; https://mpd.org.br/05122016-vozes-pela-igualdade-de-genero-premia-vencedores/>. Acesso em: 02/03/2019.
SAVIANI, Dermeval. Pedagogia Histórico-crítica: primeiras aproximações. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.
SAVIANI. Dermeval. O conceito dialético de Mediação na Pedagogia Histórico-Crítica em Intermediação com a Psicologia Histórico-Cultural. In: BARBOSA, M. V.; MILLER, S.; MELLO, S. A. (orgs.). Teoria Histórico-Cultural: Questões Fundamentais para a Educação Escolar. Marília: Oficina Universitária; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2016, p. 77-103.
SILVA. N. P; SMITH. K. Concurso Vozes pela Igualdade de gênero: Primeiro Passo. Disponível:. Acesso em: 02/03/2019.
SILVA, V. P.; SILVA, J. R. M.; CASTRO, R. M. Interdisciplinary Formation and Social Integration in Present-Day. Creative Education, v. 6, no. 17, october/2015.
SOUZA, R. F. Espaço da Educação e da civilização: origens dos Grupos Escolares no Brasil. In: SOUZA, R. F.; VALDEMARIN, V. T.; ALMEIDA, J. A. O legado educacional do século XIX. Araraquara-SP: UNESP – Faculdade de Ciências e Letras, 1998. p. 19-62.
SCHIFINO, R. S. A luta das mulheres operárias por creche: do “balde” ao direito à Educação. Revista Olh@res, São Paulo, v. 4, n. 2, p. 94-111, 2016.
SWANWICK, K. A basis for Music Education. London: Routledge, 1979.
TELES, M. A. A. Breve história do feminismo no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1993.
VÁZQUEZ, A. S. As ideias estéticas de Marx. São Paulo: Expressão Popular, 2011.
VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
Publicado
2020-03-17
Seção
Artigos