ACESSIBILIDADE PARA CADEIRANTES EM ACADEMIAS DE GINÁSTICA DA ZONA SUL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

Autores

Palavras-chave:

Pessoa com Deficiência Física. Reconhecimento Social. Barreiras Arquitetônicas. Academias. Cadeira de Rodas.

Resumo

o objetivo do presente estudo é analisar o nível de acessibilidade à cadeirantes de academias da Zona Sul da cidade do Rio de Janeiro. Foi realizada uma pesquisa de campo descritiva e transversal. Para coleta de dados foi aplicada a Escala de Vidor. Foram analisadas 20 academias, através dos funcionários para responder as perguntas do questionário. Com os dados coletados foi possível concluir que todas as academias pesquisadas não apresentaram acessibilidade necessária para cadeirantes.

Recebido em: 03/08/2020

Reformulado em: 16/01/2021

Aceito em: 18/01/2021

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Yan Ramos Razuck, Universidade Estácio de Sá - UNESA

Professor de Educação Física - UNESA

Jardson Luis Batista do Nascimento, Universidade Estácio de Sá - UNESA

Professor de Educação Física - UNESA

Francisco Dayvid Gomes Sampaio, Universidade Estácio de Sá - UNESA

Professor de Educação Física - UNESA

Maria Juliana da Silva, Universidade Estácio de Sá - UNESA

Professora de Educação Física - UNESa

Estêvão Rios Monteiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutorando em Educação Física - UFRJ

Felipe da Silva Triani, Universidade Estácio de Sá - UNESA

Mestre em Humanidades, Culturas e Artes - UNIGRANRIO

Victor Gonçalves Corrêa Neto, Centro Universitário Gama e Souza; Universidade Estácio de Sá

Doutor em Educação Física - UFRJ

Referências

BRASIL. Constituição. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BRASIL, Lei N.º 10.098 de 19 de dezembro de 2000. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Brasília, Diário Oficial da União, 20 dez. 2000.

BRASIL, Decreto Nº 5.296 de 2 de dezembro 2004. Regulamenta as Leis nos 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida. Brasília, 2 de dezembro de 2004. Diário Oficial da União, Brasília: Artigo 08, Inciso IV da Constituição, 02 dez. 2004.

COSTA, F. M.; FERRAZ, M. O. Acessibilidade para grupos com mobilidade reduzida em academias do bairro de Jacarepaguá. Trabalho de Conclusão de Curso – UNESA – UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ, Rio de Janeiro, 2014.

FARIA, M. D.; CARVALHO, J. L.; FERREIRA, D. A. Estratégias de Marketing e Consumidores com Deficiências: Diretrizes para Empresas de Serviços de Lazer Extra Doméstico. INGEPRO (Inovação, Gestão e Produção), v. 2, n. 12, p. 74-85, 2010.

FERREIRA et al. O acesso para cadeirantes em academias de ginástica: um estudo realizado na zona oeste do Rio de Janeiro. Revista da Associação Brasileira de Atividade Motora Adaptada, Marília, v. 19, n. 1, p. 39-48, 2018.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Censo demográfico de 2010. Rio de Janeiro, RJ: ISSN: 01043145.

MARQUES et al. Esporte olímpico e paraolímpico: coincidências, divergências e especificidades numa perspectiva contemporânea. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 23, n. 4, p. 365-77, 2009.

MEDOLA et al. Acessibilidade de um Centro de Treinamento Esportivo para Usuários de Cadeira de Rodas. Revista Neurociências, v. 19, n. 2, p. 244-249, 2011.

MUTTI, L. C.; SALLES, B. F.; LEMOS, A. Os Benefícios dos Exercícios Resistidos na Melhoria da Capacidade Funcional e Saúde dos Paraplégicos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, v. 16, n. 6, p. 465-470, 2010.

REILY, L. Escola inclusiva: linguagem e mediação. São Paulo. 4ª edição, Papirus Editora, 2011.

RODRIGUES et al. Nível de acessibilidade à cadeirantes em empresas fitness no RJ em relação à escala de Vidor. Trabalho de Conclusão de Curso – Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro, 2006.

SERNAGLIA, M. B.; DUARTE, E.; DALLA DÉA, V. H. S. Avaliação do autoconceito em cadeirantes praticantes de esporte adaptado. Pensar a Prática, Goiânia, v. 13, n. 3, p. 1-18, 2010.

THOMAS, J. R.; NELSON, J. K.; SILVERMAN, S. J.; Métodos de pesquisa em atividade física. 6ª edição, Porto Alegre: Artmed; 2012.

VÍNCULA, P. R. Acessibilidade para cadeirantes em academias localizadas em copacabana na cidade do Rio de Janeiro. Trabalho de Pós-Graduação – UniFOA – Centro Universitário De Volta Redonda, Rio de Janeiro, 2011.

Downloads

Publicado

2021-04-05 — Atualizado em 2021-04-06

Versões