COMO APRENDEM OS ALUNOS ANSIOSOS? A DESCEN-TRAÇÃO E A TOMADA DE CONSCIÊNCIA COMO PRÁTICA PEDAGÓGICA DE PROFESSORES

Autores

  • Mariana do Nascimento Costa NASCIMENTO Universidade Estadual de Maringá-PR
  • Geiva Carolina CALSA Universidade Estadual de Maringá-PR

DOI:

https://doi.org/10.36311/1984-1655.2015.v7n2.p98-120

Palavras-chave:

Ansiedade. Descentração. Jogos de regras. Tomada de Consciência.

Resumo

A ansiedade está presente no comportamento humano, desde os tempos mais primitivos, visto que faz parte de sua natureza ter sentimentos de ameaça, perigo, enfim do que não é conhecido. Na contemporaneidade a ansiedade pode ser entendida como fruto da pós-modernidade e con-siderada “normal” para os sujeitos. Reportando-se ao âmbito educacional, estudos na área da psicopedagogia afirmam que a ansiedade em excesso pode influenciar negativamente na aprendizagem. Frente a esses estudos, a presente pesquisa objetivou investigar quais práticas pedagógicas podem auxiliar crianças com ansiedade a descentrar seu pensamento. E como hi-pótese inicial inferiu-se que o recurso cognitivo da descentração e tomada de consciência podem auxiliar na melhoria da aprendizagem de alunos em condições de ansiedade desde que mediado pelos docentes. Os aportes teóricos adotados foram os estudos de Piaget (1978a, 1978b, 1983, 1987, 1994, 2007, 2010), Bauman (2005, 2007, 2008, 2010, 2013) e da Psicanálise. Para con-cretização do estudo, buscou-se nos sítios BDTD e CAPES, durante o período de 2005 a 2014, trabalhos que relacionassem ansiedade e descentração. Os resultados dessa busca indicam que não há pesquisas que tratem simultaneamente das duas temáticas. Os estudos mostram também que os jogos de regras constituem-se instrumentos pedagógicos que podem auxiliar a redução da ansiedade dos indivíduos além de outros objetivos. Conclui-se que a descentração aliada aos jogos de regras podem se constituir ferramentas pedagógicas relevantes para auxiliar a redução da ansiedade dos alunos. Se acompanhados de intervenção adequada do docente favorece a tomada de consciência desses sujeitos sobre seu pensamento e o pensamento do outro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMARAL, T. C. Descentração e esfera pública dialógica nas primeiras séries escolares: um estudo exploratório. 2013. 109 F. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Estadual de
Maringá, Maringá, 2013.
AMERICAN PSYCATRIC ASSOCIATION. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos
Mentais – DSM-IV. Porto Alegre: Artmed, 2002.
_______. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais – DSM-V. Porto Alegre: Artmed, 2014.
ARAÚJO, L. C. Estudo da influência da iniciação ao Badminton centrado na tomada de consciência sobre o desenvolvimento psicomotor de jovens praticantes. 2012. 168 f. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2012.
ARAÚJO, S. R.; MELLO, M. T.; LEITE J. R. Transtorno de ansiedade e exercício físico. Revista
Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 29, n.2, p. 164-171, nov. 2006.
BAUMAN, Z. Identidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.
________. Tempos líquidos. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.
________. Medo líquido. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.
_______. Capitalismo parasitário. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.
Volume 7 Número 2 – Ago-Dez/2015 118
www.marilia.unesp.br/scheme
ISSN: 1984-1655
_______. Sobre educação e juventude. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.
BECKER, F. Da ação à operação: o caminho da aprendizagem em Jean Piaget e Paulo Freire. Rio
de Janeiro: DP&A, 1997.
_______. Tomada de consciência: o caminho do fazer ao compreender. In: ASSIS, M. C., ASSIS,
O. Z. M. Encontro Nacional de Professores do Proepre: educação, escola e autonomia, 1999,
Águas de Líndoia. Anais do XVI Encontro Nacional de Professores do PROEPRE: educação,
escola e autonomia. Águas de Lindoia: ... 1999, v.1, p. 17-22.
BERTI, N. M. A análise do erro sob a perspectiva didático-pedagógica no ensino da aprendizagem de matemática: um estudo de caso da 5ª série. 2007. 109 F. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2007.
BOAZ, C. Caracterização das queixas apresentadas por meninos e meninas encaminhadas a
clínicas-escolas. 2009. 49 F. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Universidade Católica do Rio
Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.
CAMARGO, L. S. A noção de cooperação: análise da gênese do conceito. 2012. 126 F. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.
CASTILHO, A. R. et al. Transtorno de ansiedade. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v.
20, n. 3, p. 20-23, dez.2000. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1516-
44462000000600006&script=sci_arttext>. Acesso em: 29 de maio de 2015.
D’ABREU, L. C. F. Identificação de problemas de saúde mental associado a queixa escolar segundo DAWBA. 2008. 101 F. Dissertação (Mestrado em Saúde Mental). Faculdade de Medicina
de Ribeirão Preto, Ribeirão Preto, 2008.
D’AGLI, B.A.V. ; BRENELLI, R. P. O jogo descubra o animal: um recurso no diagnóstico psicopedagógico. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 12, n.3, p. 563-572, set./dez. 2007.
DIPE, V. C.; GAIO, R. Educação Física, a construção do brinquedo e a descentração do pensamento infantil. Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, v. 7, n.10, p. 246-262,
jan./junho 2007.
FAETI, P.V. Jogos de regras em Piaget: relação entre a cooperação cognitiva e a competição para
as construções reciprocas entre o eu e o outro na escola. 2013. 150 F. Dissertação (Mestrado em
Educação). Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2013.
FOLQUITTO, C.T.F. Desenvolvimento psicológico e estratégias de intervenção em crianças com
Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). 2013. 195 F. Tese (Doutorado em
Psicologia). Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.
FRIAS, E.R. Jogo das representações (RPG) e aspectos da moral autônoma. 2009. 110 F. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo,
2009.
HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.
KAMII, C. A criança e o número. Campinas: Papirus, 1990.
Volume 7 Número 2 – Ago-Dez/2015 119
www.marilia.unesp.br/scheme
ISSN: 1984-1655
KLEIN, M. Inveja e gratidão: e outros trabalhos 1946-1963. Rio de Janeiro: Imago, 1991.
LOCH, A. Ansiedade normal e patológica. São Paulo, Revista Psiq. [online]. 2009. Disponível
em: <http://www.psiq.med.br/index.php?opcao=ver_tema&id_tema=19&id_cat=3>. Acesso
em: 18 de fevereiro de 2015.
MACEDO, L. Ensaios construtivistas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1994.
______. Jogo e diversidade na escola em uma perspectiva piagetiana. Maringá, Universidade
Estadual de Maringá, 06 de fevereiro de 2013. Entrevista concedida ao Grupo de Estudos e Pesquisa em Psicopedagogia, Aprendizagem e Cultura.
MARGIS, R. et al. Ansiedade. Revista de Psiquiatria, Rio Grande do Sul, v. 25, n.1, s/p., abr.
2003. Disponível em: <http://virtualpsy.locaweb.com.br/index.php?art=181&sec=96>. Acesso
em: 30 abril de 2012.
MARQUES, T.B.I. Do Egocentrismo à Descentração: a docência no ensino superior. 2005. 264 F.
Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre,
2005.
MARTINS, L.D.C. Abstração reflexioante e aprendizagem da promoção: ensino de matemática
na sexta série. 2007. 124 F. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal do Rio
Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.
MONTANGERO, J.; NAVILLE-MAURICE, D. Piaget ou a inteligência em evolução. Porto Alegre: Artmed, 1998.
PIAGET, J. A tomada de consciência. São Paulo: Melhoramentos, 1978a.
______. Fazer e compreender. São Paulo: Melhoramentos, 1978b.
______. Problemas de psicologia genética. In: Coleção Pensadores. São Paulo: Abril Cultural,
1983.
______. Nascimento da inteligência na criança. São Paulo: L.C., 1987.
______. O juízo moral na criança. São Paulo: Summus, 1994.
______. Abstração Reflexionante: relações lógico-matemáticas e ordem das relações espaciais.
Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.
______. Epistemologia Genética. São Paulo: Martins Fontes, 2007.
______. Seis estudos de Psicologia. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.
______. Relações entre a afetividade e a inteligência no desenvolvimento mental da criança. Rio
de Janeiro: Wak, 2014.
RABASSI, L.K.B.C. Brincadeira cantadas: uma intervenção pedagógica para a construção da
estratégia rítmica binária. 2011. 145 F. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2011.
Volume 7 Número 2 – Ago-Dez/2015 120
www.marilia.unesp.br/scheme
ISSN: 1984-1655
SALTINI, C. J. P. Afetividade e inteligência. Rio de Janeiro: Wak, 2008.
SANTOS, B. S. Um discurso sobre as ciências. Lisboa: História e Ideias, 2010.
WEISS, M.L.L. A avaliação e a instituição escolar. In: BOSSA, Nadia Aparecida; OLIVEIRA,
Vera Barros de (Orgs.) Avaliação psicopedagógica de criança de 7 a 11 anos. Petropólis: Vozes,
2010, p. 166-173.

Downloads

Publicado

2016-01-31

Edição

Seção

Artigos