ALGUNS EQUÍVOCOS EM RELAÇÃO À EPISTEMOLOGIA E PSICOLOGIA GENÉTICAS

Autores

  • Nelson Pedro SILVA Universidade Estadual Paulista - Assis-SP

DOI:

https://doi.org/10.36311/1984-1655.2015.v7n2.p04-34

Palavras-chave:

Piaget; Epistemologia Genética; Psicologia Genética; Psicologia do Desenvolvimento.

Resumo

O construtivismo piagetiano tem se prestado a equívocos. Como Piaget não é um teórico de fácil compreensão, iniciantes costumam ter acesso à sua obra mediante fonte secundária. Geralmente, são livros que fazem uma síntese dos pontos essenciais e os apresentam em linguagem compreensível. Considerando tal aspecto, analisamos uma dessas obras. Os resultados apontaram que, no texto analisado: 1) não é dada a devida importância ao papel da interação no desenvolvimento e ao papel do sujeito; 2) o uso da expressão “fatores maturacionais” subsidia a ideia de que Piaget é inatista, o que é um equívoco; 3) afirma-se que o sujeito conhece o mundo, mas, para Piaget, ele o constrói conforme suas estruturas e interesses; 4) não se mencionou que o sujeito só constrói a si mesmo e o mundo quando o estímulo torna-se observável para ele; 5) não se trata de o sujeito conhecer o mundo, mas de construí-lo; 6) a aquisição de conhecimento é um processo que pode ocorrer durante toda a vida do sujeito e não somente na infância e início da adolescência; 7) Piaget não desconsidera a interação social e, tampouco, atribui-lhe peso reduzido no desenvolvimento, como sugerido; 8) em relação à equilibração, ao dissertar-se sobre os mecanismos responsáveis (assimilação e acomodação) pelo processo de equilibração, não se indica o sujeito, o que pode levar o aprendiz a inferir que eles dependem da vontade dele; 9) insinua-se que Piaget coloca o sujeito a fórceps em fases; 10) ao se afirmar que “o desenvolvi-mento passa” acaba-se contribuindo para que os aprendizes vejam Piaget como inatista; 11) não se sublinha que, para Piaget, a inteligência sensório-motora é essencialmente prática; 12) sugere-se equivocadamente que, em determinada idade, a criança apresentará certa inteligência e até moralidade; 13) não se menciona que não há meios de se garantir que os estímulos apresentados serão vistos como desafios pelos indivíduos; 14) sugere-se que Piaget deu pouca importância ao aprendizado, mas ele apenas se mostrou contrário a certas ilusões pedagógicas, como a do controle sobre a aprendizagem; 15) afirma-se que Piaget considera só o desenvolvimento ou lhe atribui papel de primazia, quando, na verdade, ele propõe uma dialética entre desenvolvimento e aprendizagem. Concluímos que a obra analisada minimizou o sujeito psicológico, reafirmando, assim, certa visão inatista, retirando a originalidade da teoria piagetiana, bem como seus atributos de teoria da possibilidade, estruturalista, genética, construtivista e interacionista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARANHA, M. L. de A.; MARTINS, M. H. P. Filosofando: introdução à filosofia. São Paulo: Moderna, 1986.
BECKER, F. A epistemologia do professor: o cotidiano da escola. Petrópolis: Vozes, 2008.
______. O caminho da aprendizagem em Jean Piaget e Paulo Freire: da ação à operação. Petrópolis: Vozes, 2010.
BECKER, F.; FERREIRA, R. dos (Orgs.). Discussão virtual sobre "Interação em epistemologia
genética". Schème, v. 1, p. 190-235, 2013.
BLIKSTEIN, I. Kaspar Hauser ou a fabricação da realidade. São Paulo: Cultrix, 1990.
BOTTOMORE, T. (Editor). Dicionário do pensamento marxista. Rio de Janeiro: Jorge Zahar
Editor, 2001.
BRINGUIER, J. - C. Conversando com Jean Piaget. Rio de Janeiro: Difel, 1978.
CASTORINA, J. A. et al. A psicología genética e os procesos de aprendizagem. In: ___. Psicologia genética: aspectos metodológicos e implicações pedagógicas. Porto Alegre: Artes Médicas,
1988. p. 13-31.
CASTORINA, J. A. Psicogênese e ilusões pedagógicas. In: CASTORINA, J. A. et al. Psicologia
genética: aspectos metodológicos e implicações pedagógicas. Porto Alegre: Artes Médicas, 1988.
p. 45-57.
DAVIS, C. L. F.; OLIVEIRA, Z. M. R. de. Psicologia na Educação. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1990.
v. 1.
DEWEY, J. Democracy and education: an introduction to the philosophy of education. New
York: Macmillan, 1916.
FERREIRO, E.; TEBEROSKY, A. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artes Médicas,
1985.
FREITAG, B. Sociedade e consciência: um estudo piagetiano na favela e na escola. São Paulo:
Cortez/Autores Associados, 1984.
______. Piaget e a filosofia. São Paulo: Unesp, 1991.
______. Itinerários de Antígona: a questão da moralidade. Campinas: Papirus, 1992.
HOUAISS, A.; VILLAR, M. S. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.
KANT, I. (1786). Fundamentação da metafísica dos costumes. Lisboa: Edições 70, 1960.
LA TAILLE, Y. de. Desenvolvimento moral princípios, sentimentos, valores. São Paulo: Atta
Mídia e Educação. Série Encontros. 1 VHSD, s.d.
Volume 7 Número 2 – Ago-Dez/2015 33
www.marilia.unesp.br/scheme
ISSN: 1984-1655
______. O lugar da interação social na concepção de Jean Piaget. In: ___ (Org.). Piaget,
Vygotsky, Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. São Paulo: Summus, 1992a. p. 11-21.
______. Desenvolvimento do juízo moral e afetividade na teoria de Jean Piaget. In: (Org.)
.Piaget, Vygotsky, Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. São Paulo: Summus, 1992b. p.
47-73.
MACEDO, L. de. Ensaios construtivistas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1985.
______. de. Para uma psicopedagogia construtivista. In: ALENCAR, E. S. de (Org.). Novas contribuições da psicologia aos processos de ensino e aprendizagem. São Paulo: Cortez, 1992. p.
119-140.
MENIN, M. S. de S. Refletindo com pais e professores. In: MACEDO, L. de. Cinco estudos de
educação moral. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1996. p. 37-104.
MONTOYA, A. O. D. Piaget e a criança favelada: epistemologia genética, diagnóstica e soluções. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996.
______. Pensamento e linguagem: percurso piagetiano de investigação. Psicologia em estudo,
Maringá, v. 11, n. 1, p. 119-127, jan./abr. 2006.
______. Teoria da aprendizagem na obra de Jean Piaget. São Paulo: Unesp, 2009.
PEDRO-SILVA, N. Equívocos na leitura da teoria de Jean Piaget. Schème: Revista Eletrônica de
Psicologia e Epistemologia Genéticas. Marília, SP, v. 4, n. 2, p. 3-25, 2012.
PIAGET, J. La représentation du monde chez l’enfant. Paris: PUF, 1947.
______. (1932). Le jugement moral chez l’enfant. Paris: PUF, 1957.
______. Étude d’épistemologie génétique. Paris: PUF, 1959.
______. (1937). La construction du réel chez l’enfant. 3. Neuchâtel: Delachaux et Niestlé, 1963.
______. Cognitive development in children. Development and Learning. Journal of Research in
Science Teaching, USA, v. 2, p. 176-186, 1964.
______. Development and learning. In: RATHS, J.; PANCELLA, J. R.; VAN NESS, J. S. Sttudying
and teaching. New York: Prentice-Hall, 1971. p. 1-10 (tradução de Amélia A. D. de Castro).
______. (1964). Estudos sociológicos. Rio de Janeiro: Forense, 1973a.
______. (1964). Seis estudos de psicologia. Rio de Janeiro: Forense Universitária Ltda., 1973b.
______. (1967). Biologia e conhecimento. Petrópolis (RJ): Vozes, 1973.
______. (1936). O nascimento da inteligência na criança. Rio de Janeiro: Zahar, 1975a.
______. (1946). A formação do símbolo na criança. Rio de Janeiro: Zahar, 1975b.
______. (1974). Fazer e compreender. São Paulo: Melhoramentos/EDUSP, 1978.
Volume 7 Número 2 – Ago-Dez/2015 34
www.marilia.unesp.br/scheme
ISSN: 1984-1655
______. (1969). Sabedoria e ilusões da filosofia. In: ___. A epistemologia genética; Sabedoria e
ilusões da filosofia; Problemas de psicologia genética. São Paulo: Abril Cultural, 1983 (Os Pensadores). p. 65-208.
______. (s.d). Inconsciente afetivo e inconsciente cognitivo. In: ______. A epistemologia genética;
Sabedoria e ilusões da filosofia; Problemas de psicologia genética. São Paulo: Abril Cultural,
1983 (Os Pensadores). p. 226-241.
PIAGET, J.; INHELDER, B. (s.d.). A psicologia da criança. Rio de Janeiro: Bertrand, 1993.
POPPER, K. R. (1959). A lógica da pesquisa científica. São Paulo: Cultrix, 1975.
RAMOZZI-CHIAROTTINO, Z. Piaget: modelo e estrutura. Rio de Janeiro: José Olympio, s.d.
______. Sistemas lógicos e sistemas de significação na obra de Jean Piaget. Psicologia – USP, v. 2
(1/2), p. 21-23, jan.-dez. 1991.
______. Piaget segundo seus próprios argumentos. Psicologia – USP, v. 21, n. 1, p. 11-30, mar.
2010.
RONCA, A. C. C. O modelo de ensino de David Ausubel. In: PENTEADO, W. M. A. Psicologia
e ensino. São Paulo: Papelivros, 1980. p. 59-83.
VYGOTSKY, L. S. (s.d.). A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 1984.

Downloads

Publicado

2016-01-31

Edição

Seção

Artigos