Oficina de Música:

A Compreensão da Música como Jogo e o Fazer Musical Criativo

Autores

  • Leandro Augusto dos Reis Universidade Estadual de Londrina
  • Francismara Neves de Oliveira Universidade Estadual de Londrina

DOI:

https://doi.org/10.36311/1984-1655.2013.v5n1.p147-168

Palavras-chave:

Educação, Educação Musical, Psicologia da Música, Jogos, Oficina de Música.

Resumo

O presente ensaio teórico objetivou discutir possíveis correspondências entre a ideia do jogo na perspectiva piagetiana e a compreensão da música como jogo em contexto de oficinas musicais. No entendimento do jogo no desenvolvimento do sujeito, relaciona-mos dois teóricos: Piaget (1896-1980) e Swanwick (1937-) quanto à visão dinâmica do desenvolvimento, concebida em espiral. Para Swanwick (1991), a música é uma forma de jogo que compreende três condutas lúdicas: domínio, imitação e jogo imaginativo. O sujeito pode manter sua relação com a música ao desempenhar três papéis distintos: criador: compositor ou improvisador; intérprete: instrumentista ou cantor e participan-te: ao apreciar uma música, ao assistir a um espetáculo, entre outros. Para Piaget (1946; 1975), o jogo requer a aplicação da estrutura cognitiva por parte do sujeito, a qual sofre contínuos e progressivos aprimoramentos pelo processo de equilibração. O jogo nesta perspectiva oferece um ambiente propício à instalação do conflito cognitivo, da cons-trução de estratégias e autorregulações, imprescindíveis ao progresso da estrutura de pensamento. Ao relacionarmos esses dois teóricos na compreensão da música como jogo, pudemos perceber correspondência entre o modo de compreender o desenvolvi-mento do sujeito como dinâmico e circularmente dialético (PIAGET, 1980) e o fazer musical criativo, tal como concebido por Swanwick (2003), Schafer (1991), Gainza (1983) e Koellreutter (1997) o que nos permitiu analisar o papel fundamental da com-posição musical. Nesse entendimento, as oficinas constituem-se um importante espaço para vivenciar a música por meio de jogos que possibilitem um fazer musical criativo e crítico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Lei nº 11.769/08, de 18 de agosto de 2008. Altera a Lei n.. 9394/96, para
dispor a obrigatoriedade do ensino de música na educação básica. Disponível
em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-
2010/2008/Lei/L11769.htm>. Acesso em: 09 out. 2011.
BRITO, Teca Alencar de. Koellreutter educador: o humano como objetivo da
educação musical. São Paulo: Peirópolis, 2001.
CAMPOS, Denise Álvares. Oficina de música: uma característica de sua
metodologia. 1988. Dissertação (Mestrado em Educação). Faculdade de
Educação, Brasília.
DELALANDE, François. A criança do sonoro ao musical. Trad. Bernadete
Zagonel. Anais do VII Encontro Anual da Associação Brasileira de Educação
Musical. Curitiba: ABEM, 1999.
FERNANDES, José Nunes. Oficinas de música no Brasil. Rio de Janeiro: Papéis
e Cópias, 1997.
FRANÇA, Cecília Cavalieri; SWANWICK, Keith. Composição, Apreciação e
Performance na educação musical: teoria, pesquisa e prática. Em Pauta, v. 13, n.
21, p. 5-41, 2002.
GAINZA, Violeta Hemsy de. La improvisación musical. Buenos Aires: Ricordi
Americana, 1983.
GARCIA, Heloiza Helena G. de Oliveira. Adolescentes em grupo: aprendendo
a cooperar em oficina de jogos. 2010. Tese (Doutorado em Psicologia).
Universidade de São Paulo, Campinas.
KOELLREUTTER, Hanz-Joachin. O ensino de música num mundo modificado.
In: KATER, Carlos (Org.). Educação Musical: Cadernos de estudo, n. 6. Belo
Horizonte: Atravez/EMUFMG/FEA/FAPEMIG, 1997, p. 37-44.
MACEDO, Lino de. Ensaios construtivistas. São Paulo: Casa do Psicólogo,
1994.
______. Jogos e procedimentos de ensino. 2012. No prelo.
______; PETTY, Ana Lúcia Sícoli; PASSOS, Norimar Chrite. Os jogos e o lúdico
na aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2005.
PAZ, Ermelinda A. Oficinas de música. In: Pedagogia musical brasileira no
século XX: metodologias e tendências. Brasília: Editora MusiMed, 2000.
Volume 5 Número 1 – Jan-Jul/2013 168
www.marilia.unesp.br/scheme
ISSN: 1984-1655
PIAGET, Jean (1946). A formação do símbolo na criança. Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan, 2010.
______. A equilibração das estruturas cognitivas. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.
______. A tomada de consciência. São Paulo: Melhoramentos; EDUSP, 1977.
______. Fazer e compreender. São Paulo: Melhoramentos, 1978.
______. O possível e o necessário: evolução dos necessários na criança. Porto
Alegre: Artes Médicas, 1986.
______ (1980). As formas elementares da dialética. Trad. Fernanda Mendes
Luiz. Coordenação Lino de Macedo. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1996.
SANTOS, Fátima Carneiro dos. Por uma escuta nômade: a música dos sons da
rua. São Paulo: EDUC, 2002.
SCHAFER, R. Murray. O ouvido pensante. Trad. Marisa Trench Fonterrada.
São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1991.
______. A afinação do mundo: uma exploração pioneira pela história passada
e pelo atual estado do mais negligenciado aspecto do nosso ambiente: a
paisagem sonora. Trad. Marisa Trench Fonterrada. São Paulo: Editora UNESP,
2001.
SWANWICK, Keith. Música, pensamiento y educación. Madrid: Morata, 1991.
______. Ensinando música musicalmente. São Paulo: Moderna, 2003.
TORRES, Márcia Zampieiri. Processos de desenvolvimento e aprendizagem de
adolescentes em oficinas de jogos. 2001. Tese (Doutorado em Psicologia) –
Universidade de São Paulo, São Paulo.

Downloads

Publicado

2013-09-02

Edição

Seção

Artigos