Regras Escolares:

O que Pensam os Alunos de Ensino Fundamental I e II

Autores

  • Ana Kuasne Grigolon Rede Municipal de Ensino - Campinas-SP
  • Caroline Duarte Rede Municipal do Ensino - Campinas-SP
  • Júlia Verginassi Oraggio Rede Municipal de Ensino de Paulínia
  • Renata MARSON Rede Municipal de Ensino - Paulínea-SP
  • Sandra Cristina de Carvalho Dedeschi Universidade de Franca

DOI:

https://doi.org/10.36311/1984-1655.2013.v5n1.p96-127

Palavras-chave:

Regras Escolares, Ambiente Democrático, Ensino Fundamental, Desenvolvimento Moral.

Resumo

Esta pesquisa, de origem qualitativa, teve como objetivos identificar a concepção que os alunos de Ensino Fundamental I e II têm a respeito da construção de regras, além de analisar semelhanças e diferenças entre as concepções dos sujeitos de escola pública e particular. A escola, visando a uma melhor organização e convivência social em seu cotidiano, cria inúmeras normas, na maior parte das vezes com o objetivo de favorecer o bem-estar coletivo e atingir suas metas educacionais. O que se averigua, entretanto, é que, de modo recorrente, os estudantes não as cumprem. Acredita-se com isso que a concepção dos alunos sobre a construção dessas regras é a de que elas são construídas em bases hierárquicas, ou seja, provém da autoridade, o que faz com que eles desco-nheçam os princípios morais que as embasam e o objetivo de cumpri-las. Agindo dessa maneira, a escola perde a oportunidade de auxiliar o aluno a desenvolver um pensa-mento autônomo. Constitui-se, assim, uma obediência superficial e heterônoma que, quando se efetiva, ora se dá pelo medo de punições, ora pela expectativa de recompen-sas. A amostra compõe-se de uma turma de 2º, uma de 5º, e uma de 8º anos de uma escola particular e de duas escolas públicas, selecionadas por conveniência em uma cidade do interior paulista. Foram entrevistados quatro alunos de cada classe, escolhi-dos aleatoriamente. A coleta de dados ocorreu por meio de entrevistas semi-estruturadas, baseadas no método clínico, que foram gravadas para serem posterior-mente transcritas. A análise dos dados foi baseada na perspectiva construtivista piage-tiana. Os resultados da pesquisa apontaram que as regras, na maioria das vezes, são impostas pela autoridade e não fundamentadas em princípios morais, o que conse-quentemente gera a recusa dos alunos em cumpri-las, com isso desencadeia o aumento de novas regras como meio de controle de condutas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASSIS, O. Z. M.; ASSIS, M. C. PROEPRE: fundamentos teóricos da Educação
Infantil II. Campinas, SP: Graf. FE; R. Vieira, 2002.
BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições Setenta, 1994.
CAETANO, L. M. O conceito de obediência na relação pais e filhos. São
Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, 2005.
DEDESCHI. S. C. de C. Bilhetes reais e/ ou virtuais: uma análise construtivista
da comunicação entre escola e família. Campinas, SP. 2011. XXX f. 278 fls.
Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade
Estadual de Campinas.
DEVRIES, R. Fazendo regras na classe. In: ASSIS, M. C.; ASSIS, O. Z. M.
Proepre: fundamentos teóricos e prática pedagógica para a educação infantil.
Campinas, SP: Faculdade de Educação, Unicamp, 2003, p. 175-177.
LA TAILLE, Y. de. Autoridade na escola. In: Aquino, J. G. (org.). Autoridade e
autonomia na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 1999.
______. Moral e ética: dimensões intelectuais e afetivas. Porto Alegre: Artmed,
2006.
LDB: Lei n. 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da
educação nacional. 5. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Coordenação
Edições Câmara, 2010. 60 p. (Série Legislação; n. 39)
LEWIN, K. (2002a). Experimentos com o espaço social. Instituto Mexicano de
Relaciones Grupales y Organizacionales, n. 99. Cidade do México. Disponível
em: <http://www.continents.com/Art99.htm>. Acesso em: 25 set. 2011.
______ (2002b). Os processos educacionais. Instituto Mexicano de Relaciones
Grupales y Organizacionales, n. 116. Cidade do México. Disponível em:
<http://www.continents.com/Art106.htm>. Acesso em: 25 set. 2011.
MOLINARI, A. M. C. (org.). Coletânea de textos de vários autores elaborada
para o Seminário de Jogos Cooperativos para o curso As relações interpessoais
na escola e a construção da autonomia moral. Unifran, Campinas, 2009.
NEVES, J. L., Pesquisa qualitativa: características, uso e possibilidades. Caderno
de pesquisas em administração, São Paulo, v.1, n. 3, 2º sem., 1996. Disponível
em: <http://www.ead.fea.usp.br/cad-pesq/arquivos/C03-art06.pdf>. Acesso
em: 18 jul. 2011.
Volume 5 Número 1 – Jan-Jul/2013 127
www.marilia.unesp.br/scheme
ISSN: 1984-1655
OLIVEIRA, A. M. Literatura infantil: o trabalho com o processo de construção
de valores morais na educação infantil. In: Educação: teoria e prática. Rio Claro,
SP: Unesp, 2007.
PARRAT-DAYAN, S. Como enfrentar a indisciplina na escola. Trad. Silvia
Beatriz Adoue; Augusto Juncal. São Paulo: Contexto, 2008.
PIAGET, J. O juízo moral na criança. 4. ed. São Paulo: Summus, 1994.
PUIG, J.M., et al. Democracia e participação escolar: propostas de atividades.
São Paulo: Moderna, 2000.
TOGNETTA, L. R. P.; VINHA, T. P. Quando a escola é democrática: um olhar
sobre as práticas das regras e assembléias na escola. Campinas: Mercado das
Letras, 2007.
VINHA, T. P. O educador e a moralidade infantil: uma visão construtivista.
Campinas: Mercado das Letras, 2000.
VINHA, T. P.; TOGNETTA, L. R. P. A construção da autonomia moral: a
intervenção nos conflitos interpessoais e a aprendizagem dos valores. In: Anais
do VIII Congresso Nacional de Educação da PUCPR – EDUCERE e o III
Congresso Ibero-Americano sobre Violências nas Escolas – CIAVE. Curitiba:
PUC, 2008.
XAVIER, M. L. M. (org.). Disciplina na escola: enfrentamento e reflexões.
Porto Alegre: Mediação, 2002.

Downloads

Edição

Seção

Artigos