TEORIA DA COMPLEXIDADE E EPISTEMOLOGIA GENÉTICA: APROXIMAÇÕES POR MEIO DA ANÁLISE

Autores

  • Francieli Motter Ludovico Professora da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR-DV) e doutoranda em Informática na Educação na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
  • Cíntia Lisiane Renz Professora do Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS) e doutoranda em Informática na Educação na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
  • Jaqueline Molon Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS) e doutoranda em Informática na Educação na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
  • Sérgio Roberto Kieling Franco Professor do Pós-Graduação em Informática na Educação, em Educação na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e professor da Faculdade de Educação na UFRGS
  • Patrícia da Silva Campelo Costa Barcellos Professora do Programa de Pós-Graduação em Informática na Educação e do Instituto de Letras (UFRGS) e doutora em Linguística Aplicada pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos))

DOI:

https://doi.org/10.36311/1984-1655.2021.v13n2.p5-27

Palavras-chave:

Processo de Aprendizagem, Teoria da Complexidade, Epistemologia Genética, Estudo de Caso

Resumo

Aprender significa estar em uma constante busca por equilíbrio, estabilidade, ordem, mas são os desequilíbrios, a desordem, que provocam as mudanças, adaptações, regulações, que possibilitam o aprender. A aprendizagem compreendida enquanto processo contínuo de construção é um aspecto central para as duas bases teóricas estudadas pelos autores deste trabalho, a Teoria da Com-plexidade (TC) e a Epistemologia Genética (EG). Considerando esses aspectos, o presente trabalho se deu na intenção de discutir e aproximar compreensões a respeito do processo de aprendizagem tendo como pressupostos teóricos a TC e a EG. Para tanto, neste artigo apresenta-se, por meio de cenas de aprendizagem, um estudo de caso sobre as trajetórias de construção de conhecimento percorri-das por uma estudante ao longo de uma disciplina de pós-graduação. A metá-fora “cenas de aprendizagem" foi utilizada para descrever alguns momentos vivenciados pelo sujeito investigado, destacando evidências de seu processo de aprendizagem no contexto analisado. As cenas de aprendizagem foram selecionadas a partir de dados coletados do diário de bordo da estudante. A aproximação entre essas duas teorias não pretendeu estabelecer um paralelismo, mas apresentar um elo de discussão entre as mesmas, destacando alguns aspectos convergentes e complementares. Notou-se que as abordagens sobre um mesmo objeto de estudo distinguem-se especialmente quanto à sua abrangência: en-quanto a TC é mais abrangente e analisa os aspectos de um sistema complexo de modo global, a EG volta-se a fenômenos mais circunscritos, procurando ex-plicar aspectos estruturais e funcionais do processo de construção do conhecimento humano, de acordo com o modelo da interação sujeito – objeto. Por fim, destaca-se que essas teorias não são excludentes e que o entendimento de ambas colaborou para a compreensão do processo de aprendizagem do sujeito es-tudado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

APRENDIZAGEM. Dicio: Dicionário Online de Português. Disponível em: https://www.dicio.com.br/aprender/ Acesso em: 15 out. 2020.

BECKER, Fernando. Um divisor de águas. Revista Viver Mente e Cérebro. Coleção Memória da pedagogia (Piaget), n.1, São Paulo, p. 24-33, 2005.

BLOOM, Sandra. Chaos, complexity, self-organization and US: Email From America, 2000. Disponível em:

https://www.researchgate.net/publication/242223549_Chaos_Complexity_Self-Organization_and_Us_Email_From_America Acesso em: 05 out. 2020.

DELVAL, Juan. Introdução à prática do método clínico: descobrindo o pensa-mento das crianças. Tradução Fátima Murad. Porto Alegre: Artmed, 2002.

FONSECA, João José Saraiva. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

GERHARDT, Tatiana Engel; SILVEIRA, Denise Tolfo. Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

LAMPREIA, Carolina. As propostas anti-mentalistas no desenvolvimento cognitivo: uma discussão de seus limites. Tese apresentada ao Departamento de Psicologia da PUC/RJ, 1992. Acesso em: 10 out. 2020. Disponível em: http://www2.dbd.pucrio.br/pergamum/tesesabertas/8526601_92_cap_02.pdf; http://www2.dbd.pucrio.br/pergamum/tesesabertas/8526601_92_pretextual.pdf

LARSEN-FREEMAN, Diane. Chaos/complexity science and second language acquisition. Applied Linguistics, v. 18, n. 2. Oxford: Oxford University Press, p. 141-165, 1997.

LARSEN-FREEMAN, Diane; CAMERON, Lynne. Complex Systems and Applied Linguistics. Oxford: Oxford University Press, 2008.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários para a educação do futuro. 3 ed. São Paulo/Brasília: Cortez, 2001.

MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulinas, 2011.

MONTANGERO, Jacques; MAURICE-NAVILLE, Danielle. Piaget ou a inteli-gência em evolução. Tradução Fernando Becker e Tânia Beatriz Iwaszko Marques. Porto Alegre: Artmed, 1998.

PAIVA, Vera. Caos. Complexidade e aquisição de segunda língua. In: PAIVA, Vera; NASCIMENTO, Milton (Org). Sistemas adaptativos complexos: lingua(gem) e aprendizagem. Campinas: Pontes, 2011, p. 187-203.

PIAGET, Jean. A tomada de consciência. Tradução de Edson Braga de Souza. São Paulo: Edusp, 1977.

PIAGET, Jean. A equilibração das estruturas cognitivas. Tradução Marion Merlone dos Santos Penna. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1976.

PIAGET, Jean. A epistemologia genética/ Sabedoria e ilusões da filosofia; Pro-blemas de psicologia genética. Tradução de Nathanael C. Caixeiro, Zilda Abujamra Daeir, Celia E. A. Di Piero. Os Pensadores. 2 ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

PIAGET, Jean. Biologia e conhecimento: ensaio sobre as relações entre as regu-lações orgânicas e os processos cognitivos. Tradução de Francisco M. Guimarães. Petropólis: Vozes, 1973.

PIAGET, Jean. Epistemologia genética. Tradução de Álvaro Cabral. 3 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

PIAGET, Jean. As relações entre a inteligência e a afetividade no desenvolvi-mento da criança. Tradução e organização: Cláudio J. P. Saltini e Doralice B. Cavenaghi. Rio de Janeiro: Wak, 2014.

Downloads

Publicado

2021-12-01

Edição

Seção

Artigos