JOGO DE REGRAS XADREZ SIMPLIFICADO E O PROCESSO DE TOMADA DE CONSCIÊNCIA: O QUE REVELAM AS CONDUTAS LÚDICAS DAS CRIANÇAS?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36311/1984-1655.2020.v12n2.p139-171

Palavras-chave:

Epistemologia Genética, Tomada de Consciência, Xadrez Simplificado, Método Clínico

Resumo

O estudo apoiou-se no referencial teórico-metodológico da Epistemologia Genética e tomou o experimento piagetiano “Um sistema de deslocamentos espaçotemporais” (xadrez simplificado) como instrumento, fundamentado nos princípios do método clínico. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, exploratória desenvolvida em um município norte-paranaense envolvendo 7 participantes entre 8 e 11 anos de idade. O estudo objetivou identificar, nas condutas lúdicas de jogadores de Xadrez Simplificado, momentos exemplificadores do processo de tomada de consciência da ação empregados pelos sujeitos na elaboração de estratégias para resolução de conflitos cognitivos nas situações produzidas no contexto do jogo. Nesse aporte teórico, o jogo se constitui uma possibilidade de ações e interações, sendo um importante instrumento para promover a atividade construtiva, o desenvolvimento cognitivo, afetivo e social. Ao provocar conflitos internos, o jogo permite a busca de modificação da ação, enriquecendo e favorecendo a reelaboração das estruturas cognitivas dos indivíduos. Os resultados deste estudo permitiram apontar o jogo xadrez simplificado como um instrumento importante para reconhecer o gradativo e progressivo processo de afastamento dos aspectos figurativos para os centrais, relações de interdependência entre peças, jogadores e nível de estratégias empregadas, além de raciocínios importantes às aprendizagens escolares, evidenciados no jogo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, I.P. Níveis de construção dialética espaço-temporal no jogo de xadrez e desenvolvimento de possíveis em escolares. 2006. Dissertação (Mestrado Educação) - Faculdade de Educação - Universidade de Campinas, Campinas.

ANJOS, L. dos. O Jogo e a dimensão humana: uma possível classificação antropológica. Revista Digital- Buenos Aires – Año 10, n. 90. Noviembre de 2005. S/P. Link de acesso: https://www.efdeportes.com/efd90/jogo.htm26/05/2010 Acesso em: 26 mai. 2020.

BRENELLI, R. P. O jogo como espaço para pensar. A construção de noções lógicas e aritmética. Campinas, SP. Papirus, 1996b.

CALLOIS, R. Lês jeux et lês hommes. Lisboa: Cotovia, 1990.

CEZAR, K. P. L. Acentolândia: criação e aplicações de um jogo de regras sobre acentuaçã gráfica para séries iniciais do Ensino Fundamental. 2009. Dissertação (Mestrado em Letras). Universidade Estadual de Maringá, Maringá, PR, 2009.

DELVAL, J. Introdução à prática do Método Clínico: descobrindo o pensamento das crianças. Porto Alegre: Artmed, 2002.

HUIZINGA J. Homo ludens. São Paulo: Perspectiva, 1938.

KIMURA, C. F. K. O jogo como ferramenta no trabalho com números negativos: um estudo sob a perspectiva da Epistemologia Genética de Jean Piaget. 2005. Tese (Doutorado Educação). USP, São Paulo, 2005.

LOPES, A. C. O jogo de xadrez e o estudante: uma relação que pode dar certo na resolução de problemas matemáticos. 2012. 161 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2012.

LOPES, A. C. O jogo de xadrez e o estudante: uma relação que pode dar certo na resolução de problemas Matemáticos. Educação Matemática Pesquisa, 2012, v.14, n.2. ISSN: 1983-3156. Link de acesso: https://revistas.pucsp.br/emp/article/view/11037 Acesso em: 27 julho 2020.

MACEDO, L. Ensaios Construtivistas. 2. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1994.

MACEDO, L. Os jogos e sua importância na escola. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, (93): 5-10, 1995.

MACEDO, L. de.; PETTY, A.L.S.; PASSOS, N.C. Quatro cores, Senha e Dominó: oficinas de jogos em uma perspectiva construtivista e psicopedagógica. Casa do Psicólogo, 1997.

MACEDO, L. de. (Org.). Jogos, psicologia e educação: teoria e pesquisas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2009.

MACEDO, L. de; PETTY, A. L. S.; PASSOS, N. C. Aprender com jogos e situações problemas. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

MIGUEL, L.R.; OTT, F.P.R.; MARTINS, K.C. SOUZA, L.M.M; WISNIEWSKI, M. O desenvolvimento dos processos cognitivos através do jogo de xadrez: melhorando as futuras tomadas de decisões. Anais da XVII Jornada Científica dos Campos GeraisPonta Grossa, 23 a 25 de outubro de 2019. S/P. Link de acesso: file:///C:/Users/Usuario/Downloads/1569-Texto%20do%20artigo-4141-1-10-20191025.pdf. Acesso em: 26 mai. 2020.

OLIVEIRA, F.N. de. Um estudo das interdependências cognitivas e sociais em escolares de diferentes idades por meio do jogo xadrez simplificado. 2005. Tese (Doutorado em Educação) – UNICAMP, Campinas, 2005.

OLIVEIRA, F. N. de, & BRENELLI, R. P. O jogo xadrez simplificado como instrumento de diagnóstico da perspectiva social e cognitiva em escolares. Ciências & Cognição, 13(2), 2008 109-124. Link de acesso: http://www.cienciasecognicao.org/revista/index.php/cec/article/view/223 Acesso em: 27 julho 2020.

PALHARES, O. Análise de processos cognitivos em crianças no jogo Traverse. Dissertação de Mestrado. UNICAMP, Campinas, 2003.

PIAGET, J. A tomada de Consciência. Trad. Edson Braga de Souza. São Paulo, Melhoramentos/USP, 1977.

PIAGET, J. Fazer e Compreender. Trad. de Christina Larroudé de Paula Leite. São Paulo: Melhoramentos/USP, 1978.

PIAGET, J. As formas elementares da dialética. Trad. Fernanda Mendes Luiz; coordenação Lino de Macedo. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1996.

PIAGET, J. A representação do mundo na criança. Aparecida, SP: Ideias & Letras, 2005.

REBEIRO, G.B.F. Fatores protetivos e o Jogo de Regras Rummikub: Um estudo com alunos do 6º ano do ensino fundamental. 2012. 119f. Dissertação. (Mestrado em Educação) - Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2012.

REBEIRO, Gisele Bueno de Farias; OLIVEIRA, Francismara Neves; CALSA, Geiva Carolina. O jogo de regras Rummikub e as possibilidades de negociação interpares. Psicol. Esc. Educ. Maringá, v. 16, n. 2, p. 247-255, dez. 2012. Link de acesso: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-85572012000200007&lng=pt&nrm=iso Acesso em: 24 jul. 2020.

RIBEIRO, M.P.O.; ROSSETTI, C.B. Os jogos de regras em uma abordagem piagetiana: o estado da arte e as perspectivas futuras. In: MACEDO L. (Org.). Jogos, psicologia e educação: teoria e pesquisas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2009.

SARAVALI, E. G.; GUIMARÃES, K. P. Dificuldades de Aprendizagem e conhecimento: um olhar à luz da teoria piagetiana. Rev. Olhar de Professor, Ponta Grossa, v. 10. N2, p.117-139. Jun-dez de 2007.

SILVA, Wilson da. Raciocínio lógico e o jogo de xadrez: em busca de relações. 2009. Tese. (Doutorado Educação). Universidade Estadual de Campinas, SP, 2009.

SOUZA, Herycksara Santos de. Aspectos cognitivos e metodológicos na utilização do jogo xeque-mate soccer. 2013a. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Ciências Humanas e Naturais.

SOUZA, Herycksara Santos de, QUEIROZ, Sávio Silveira de. Xeque-mate Soccer: Um jogo de regras entre futebol e xadrez. Revista Eletrônica de Psicologia e Epistemologia Genéticas. Volume 5 Número 2 – Ago-Dez/2013b. Link de acesso: http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/scheme/article/view/3576

VALENTIM, M.L. Métodos de Pesquisa em Ciência da Informação. São Paulo: Polis, 2005.

ZAIA, L.L. Jogar para desenvolver e construir conhecimento. In: MOLINARI, A. et al (Org). Jogar e Aprender Matemática. São Paulo: Book, 2010.

ZAIA, L.L. A construção das relações espaciais: do jogo de exercícios ao jogo de regras. In MOLINARI, A. et al (Org). Aprender Matemática e conquistar autonomia. São Paulo: BOOK, 2014.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Edição

Seção

Artigos