Processualidade e constituição do sujeito revolucionário: apropriações dramatúrgicas e performáticas do tempo-espaço político

Autores

  • Clarisse Gurgel Doutora em Ciência Política pelo IESP/UERJ. Professora da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO).

DOI:

https://doi.org/10.36311/0102-5864.2016.v53n2.07.p113

Palavras-chave:

Sujeito revolucionário. Dramaturgia. Processualidade.

Resumo

Este artigo pretende abordar um tipo de ação política, por nós denominado de ação performática, tendo como objetivo superar seus limites, a partir da noção de processo, como alternativa à dicotomia entre ação espontânea e ação organizada.  A partir do conceito que desenvolvemos de ação performática, buscamos compreender o caráter e potencial de ações da esquerda revolucionária centradas no tempo presente e no caráter histriônico e extraordinário do uso espaço como forma de furar o bloqueio midiático e ganhar visibilidade de massa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2016-12-20

Como Citar

Gurgel, C. (2016). Processualidade e constituição do sujeito revolucionário: apropriações dramatúrgicas e performáticas do tempo-espaço político. Revista Novos Rumos, 53(2), 113–138. https://doi.org/10.36311/0102-5864.2016.v53n2.07.p113

Edição

Seção

Artigos