Gerencialismo e Performatividade na Gestão da Educação Brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36311/2236-5192.2018.v19n1.06.p89

Palavras-chave:

Educação, Performatividade, Gerencialismo

Resumo

O objetivo deste artigo é identificar os principais elementos que fundamentam o gerencialismo e a performatividade na gestão educacional brasileira e que instituem parâmetros regulatórios e a cultura do desempenho. A expansão da performatividade na educação brasileira, pautada na racionalidade financeira e na produtividade, introduz uma nova perspectiva no processo educacional, legitimando a competitividade e a padronização do ensino. O presente trabalho constitui-se num ensaio teórico que buscou sistematizar as principais características do gerencialismo e da performatividade e suas consequências na gestão da educação brasileira. A análise do tema nos permitiu concluir que o fluxo performático que vem se estabelecendo na educação brasileira, tem modificado a concepção de educação, na medida em que exige do professor um alto grau de produtividade e de responsabilização no processo educacional.

Recebido em: 19/10/2016.
Aprovado em: 01/03/2018.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliano Mota PARENTE, Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Professor da Universidade Estadual de Maringá (UEM), Departamento de Teoria e Prática da Educação. Mestre em Educação (UNISAL) e Doutor em Educação (UNESP/Presidente Prudente). Endereço eletrônico: julianomparente@gmail.com

Referências

ARAÚJO, Suêldes de; CASTRO, Alda Maria Duarte Gestão educativa gerencial: superação do modelo burocrático? Ensaio: avaliação, política pública e educação, Rio de Janeiro, v. 19, n. 70, p. 81-106, jan./mar. 2011.
BALL, Stephen. Reformar escolas/reformar professores e os terrores da performatividade. Revista Portuguesa de Educação, Braga, v. 15, n. 2, p. 3-23, 2002.
BALL, Stephen. Performatividade, privatização e o Pós-Estado do Bem-Estar. Educação e Sociedade. Campinas, v. 25, n. 89, p. 1.105-1.126, set./dez. 2004.
BALL, Stephen. Performatividades e fabricações na economia educacional: rumo a uma sociedade performativa. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 35, n. 2, p. 37-55, maio/ago. 2010.
BROOKE, Nigel. O futuro das políticas de responsabilização educacional no Brasil. Cadernos de Pesquisa. Rio de Janeiro, v. 36, n. 128, maio/ago. 2006.
CARNOY, Martin. Mundialização e reforma da educação: o que os planejadores devem saber. Brasília: UNESCO, 2002.
CHANLAT, Jean-François. O gerencialismo e a ética do bem comum: a questão da motivação para o trabalho nos serviços públicos. In: Congresso Internacional del CLAD sobre La Reforma del Estado y de la Administración Pública, 7. ,2002, Lisboa. Anais... Lisboa: CLAD, 2002. p. 1-9.
DOLTON, Peter; GUTIERRES, Oscar D. If You Pay Peanuts do You Get Monkeys? A Cross Country Comparison of Teacher Pay and Pupil Performance. Economic Policy, v. 26, n. 65, p. 5-55, 2011. Disponível em: www.cepr.org/meets/wkcn/3/3537/papers/Dolton.pdf. Acesso em: 01 mar. 2018.
ESQUINSANI, Rosimar Serena Siqueira Performatividade e Educação: a política das avaliações em larga escala e a apropriação da mídia. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v 5, n. 2, p. 131-137, jul./dez. 2010.
FITZSIMONS, Patrick. Managerialism and Education. Encyclopedia of Philosophy of Education, Stanford, p. 1-7, jul. 1999.
GAJARDO, Marcela. Reformas educativas na América Latina: balanço de uma década. PREAL - Programa de Promoção da Reforma Educativa na América Latina e Caribe, n. 15, jul. 2000.
GARCIA, Maria Manuela Alves; ANADON, Simone Barreto. Reforma Educacional, intensificação e autointensificação do trabalho docente. Educação e Sociedade, Campinas, v. 30, n. 106, p. 63-85, jan./abr. 2009.
HYPÓLITO, Álvaro Moreira. Reorganização gerencialista da escola e do trabalho docente. Educação: teoria e prática. Rio Claro, v. 21, n. 38, p. 59-68, out./dez. 2011.
HOGGETT, Paul. New modes of control in the public service. Public Administration, London, v. 74, n. 1, p. 9-32, 1996.
HOOD, Christopher. Paradoxes of public-sector managerialism, old public management and public service bargains. International Public Management Journal. London, v. 3, p. 1–22, 2000.
LOPES, Alice Casimiro; LÓPES, Silvia Braña. A performatividade nas políticas de currículo: o caso do ENEM. Educação em Revista. Belo Horizonte, v. 26, n. 1, p. 89-110, abr. 2010.
MOREIRA, Antônio Flávio. A cultura da performatividade e a avaliação da Pós-graduação em Educação no Brasil. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 25, n. 3, p. 23-42, dez. 2009.
NEWMAN, Janet; CLARKE, John. Gerencialismo. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 37, n. 2, p. 353-381, maio/ago. 2012.
Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Económico, Declaração de Paris sobre a eficácia da ajuda ao desenvolvimento. Fórum de Alto Nível. Paris: março de 2005. Disponível em: https://www.oecd.org/dac/effectiveness/38604403.pdf. Acesso em: 01 mar. 2018.
OLIVEIRA, Dalila Andrade. As reformas educacionais e suas repercussões sobre o trabalho docente. In: OLIVEIRA, Dalila Andrade. Reformas educacionais na América Latina e os trabalhadores docentes. Belo Horizonte: Autêntica, p. 13-35, 2003.
PARENTE, Juliano Mota. Gerencialismo e performatividade na gestão educacional do estado de São Paulo. 2016. 134 f. Tese (doutorado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Presidente Prudente, 2016.
PAULA, Ana Paula Paes. Administração pública brasileira entre o gerencialismo e a gestão social. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 46, n. 1, p. 36-49, jan./mar. 2005.
SANTOS, Lucíola Licínio. Formação de professores na cultura do desempenho. Educação e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1.145-1.157, set./dez. 2004.
SHIROMA, Eneida Oto. Profissionalização e gerencialismo na educação. Jornal do SINPEEN, São Paulo, p. 1-7, 2003.
SIMKINS, Tim. Education reform and managerialism: comparing the experience of schools and colleges. Jornal Education Policy, London, v. 15, n. 3, p. 317-332, 2000.
VIÑAO, Antonio. Culturas escolares y reformas: sobre La naturaleza histórica de los sistemas e instituiciones educativas. Teias, Rio de Janeiro, v.1, n. 2, p. 1-25, jul./dez. 2000.
WITTMANN, Lauro Carlos. Autonomia da Escola e Democratização de sua Gestão: novas demandas para o gestor. Em Aberto, Brasília, v. 17, n. 72, p. 88-96, fev./jun. 2000.

Downloads

Publicado

2018-05-25

Edição

Seção

Artigos