A formação dos formadores para a docência nas licenciaturas dos Institutos Federais

Autores

  • Rosenilde Paniago Instituto Federal Goiano

DOI:

https://doi.org/10.36311/2236-5192.2021.v22esp2.p199

Palavras-chave:

Desenvolvimento Profissional, Formação para a Docência, Instituto Federal de Educação

Resumo

Este ensaio objetiva discutir a importância da formação de formadores de professores para a docência nas Licenciaturas dos Institutos Federais de Educação (IFs) e para o seu Desenvolvimento Profissional Docente (DPD). Instituições que a partir da Lei 11.892/2008, passam de Centros Federais de Educação Tecnológica (CEFET) para Institutos Federais de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (IFs) com status de universidade, implicando uma nova organização administrativa e pedagógica. Inicialmente apresenta-se uma reflexão sobre a importância e necessidade da formação para a docência e desenvolvimento profissional docente. Em seguida problematiza-se a formação docente para a atuação no contexto do ensino verticalizado nos IFs que incluem cursos de educação profissional integrada e concomitante ao ensino médio, cursos do programa nacional de integração da educação profissional com a educação básica na modalidade de educação de jovens e adultos, cursos de formação inicial e tecnológica, cursos de bacharelado, Licenciaturas e cursos de pós-graduação latu sensu e strictu sensu; e, por fim, sinaliza-se a importância da formação continuada para a promoção do DPD, constituição dos saberes da docência, atuação docente nas atividades de ensino, pesquisa e extensão no ensino verticalizado, bem como para a melhoria do ensino-aprendizagem nos cursos de Licenciatura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosenilde Paniago, Instituto Federal Goiano

Doutora em Ciências da Educação pelo Instituto de Educação, Universidade do Minho, Portugal (2016); pós doutorado na Universidade do Minho, Portugal (2019); professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano - campus de Rio Verde, Goiás (Brasil).

Referências

ALMEIDA, Mª I. Formação do professor do ensino superior: desafios e políticas institucionais. São Paulo: Cortez, 2012.

ARANTES, F. Formação de professores nas Licenciaturas do IF Goiano: políticas, currículos e docentes. Dissertação de Mestrado, Instituto de Educação - Universidade Federal de Goiás, Campus Catalão, Brasil, 2013.

ARRUDA, M. C., ; PAULA, L. A. Os institutos federais como instituição formadora de professores: expectativas de contradições. XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino.Campinas: Junqueira&Marin, 2012, p.1538-1549.

BRASIL. Ministério de Educação. Lei 11.892 de 29 de dezembro de 2008 - Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Brasília, 2008.

BRASIL. Ministério de Educação. Resolução CNE/CEB nº 6, de 20 de setembro de 2012. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional Técnica de Nível Médio. Brasília, 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Brasília, 2014.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº 02 de 1 de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior e para a formação continuada. Diário Oficial [da] União, Brasília2015.

ESTOLA, E; UITTO, L.; SYRJÄLÄ, M. O processo narrativo de tornar-se professor: o caso finlandês. In: FLORES, M. A (Org.). Formação e desenvolvimento profissional de professores: contributos internacionais. Coimbra: Almedina, 2014, p.105-128.

FRIGOTTO, G. Indeterminação de identidade e reflexos nas políticas institucionais formativas dos IFs. In: FRIGOTTO, Gaudêncio (Org.). Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia Relação com o ensino médio integrado e o projeto societário de desenvolvimento. Rio de Janeiro: UERJ, LPP, 2018, p.125-151.

FLORES, M. A. Desafios atuais e perspetivas futuras na formação de professores: um olhar internacional, in M. A. Flores (Org.) Formação e desenvolvimento profissional de professores: contributos internacionais. Coimbra: Almedina, 2014, p.217-238.

FLORES, M. A. Contributos para (re)pensar a formação de professores, in CNE (Ed.) Lei de Bases do Sistema Educativo. Balanço e Prospetiva, Volume II (pp. 773-810), Lisboa: Conselho Nacional de Educação, 2017.

GATTI, B. A; Barretto, Elba. Siqueira. de S. (Coords.). Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO, 2009.

GATTI, B. A.; Barretto, Elba. Siqueira de S.; André, Marli. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília: UNESCO,2011.

GATTI B. A. et. al. Professores do Brasil: novos cenários de formação. Brasília: UNESCO, 2019.

GARCIA, M. Formação de professores: para uma mudança educativa. Porto: Porto editora. 1999.

GOMES, D. F. Implementação de licenciaturas para a formação de professores da educação básica nos institutos federais de educação, ciência e tecnologia. 2013. 164 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Brasília, Brasília, 2013.

IMBERNÓN, F. Qualidade do ensino e formação do professorado: uma mudança necessária. Tradução, Silvana C. Leite. São Paulo: Cortez, 2016.

LIMA, F. B. G. Os Institutos Federais como um novo locus de formação de professores. Movimento: Revista de educação. Faculdade de Educação Universidade Fluminense, v.3, n.4, 2016.

LIMA, F. B. G. A formação de professores nos institutos federais de educação, ciência e tecnologia: um estudo da concepção política. Natal: IFRN, 2014.

MACHADO, L. Diferenciais inovadores na formação de professores para a educação profissional. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica, 1, 2008,p.8-22.

MIZUKAMI, Mª Graça. Escola e desenvolvimento profissional da docência. In: GATTI, Bernaderte.A. et al. Por uma política nacional de formação de professores. São Paulo: Editora Unesp, 2013. p.23-54.

MIZUKAMI, Mª. Graça. Aprendizagem da docência: professores formadores. Revista E-Curriculum, São Paulo, v 1 n.1, p.1-17 Acedido Dezembro 21, 2019, emhttp://revistas.pucsp.br/index.php/curriculum/article/view/3106, 2005-2006.

OLIVEIRA, B. C. de. O trabalho docente na verticalização do Instituto Federal de Brasília. 170p. 2016. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade de Brasília. 2016.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e Docência. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2017.

PIMENTA, S. G; ANASTASIOU, L. G. C. Docência no ensino superior. 5 ed. São Paulo: Cortez, 2014.

SARMENTO, T. Percursos identitários de educadoras de infância em contextos diferenciados - cinco histórias de vida. Tese de Doutoramento - Universidade do Minho, Portugal,1999.

SARMENTO, T. Contextos de Vida e Aprendizagem da Profissão. Formosinho, J. (Org.), Sistemas de Formação de Professores: Saberes Docentes, Aprendizagem Profissional e Acção Docente.Porto: Porto Editora, 2009.

SILVA, Cintia Souza Dantas. Representações sociais sobre formação pedagógica de professores que atuam na educação profissional e tecnológica no contexto dos institutos federais. Tese de doutorado, Universidade Estácio de Sá, 2017.

SHULMAN, Lee. S. Knowledge and Teaching: Foundations of the New Reform. Harvard Educational Review, 57 (1), 1-22, 1987.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional.15 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

VERDUM, P. L. Formação inicial de professores para a educação básica, no contexto dos IFs: propondo indicadores de qualidade, a partir de um estudo de caso no ifrs. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação, PUCRS, 2015.

Downloads

Publicado

2021-12-22