INCLUSÃO E O ESPORTE ADAPTADO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: O QUE PENSAM OS PROFESSORES DA REDE PÚBLICA DE ENSINO?

Palavras-chave: Atividade Motora Adaptada, Educação Física Adaptada, Criança com deficiência, Inclusão

Resumo

A criança, a deficiência e o Esporte Adaptado compõem a gama de assuntos relevantes e recorrentes na área da Educação Física Escolar Adaptada, influenciando a discussão sobre novas possibilidades metodológicas no processo educacional. Neste sentido, buscamos perspectivas e novos caminhos para o Esporte Adaptado como conteúdo na Educação Física Escolar Adaptada. Assim, o objetivo deste trabalho foi identificar a inclusão e o Esporte Adaptado na Educação Física Escolar a partir da perspectiva dos professores da rede pública de ensino da cidade de Campinas, enfatizando as dificuldades e as possibilidades de atuação no processo inclusivo de ensino. Para isso, adotou-se a abordagem metodológica quali-quantitativa, com a utilização de um roteiro para entrevista semiestruturada, delineado a partir do Projeto Piloto, composto por anamnese inicial e nove perguntas abertas, divididas em três eixos temáticos específicos: inclusão e a criança com deficiência, Educação Física Adaptada e suporte e apoio institucional. Foram entrevistados oito professores de Educação Física Escolar da rede pública em 2019, com idade média de 44 anos, concluíram a graduação há aproximadamente 20 anos e trabalhavam com 10 crianças com deficiência. Os resultados mostraram que, apesar da compreensão efetiva da aplicabilidade dos Esportes Adaptados, a eficácia de sua aplicação ainda é ineficiente. A vertente norteadora abordada neste artigo é relativa aos Esportes Adaptados como conteúdo da Educação Física Adaptada. Abrimos, assim, uma janela de possibilidades científicas fundamentais para o desenvolvimento de investigações no esporte adaptado. Portanto, despertam-se caminhos, e por ser processo e não fim, possibilitam-se novas propostas científicas e proposições interdisciplinares.

Recebido em: 17/04/2020

Reformulado em: 23/05/2010

Aceito em: 24/05/2010

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AINSCOW, M. O que significa Inclusão? Entrevista e Relato de Experiência. Centro de Referência em Educação Mário Covas. São Paulo/SP, 2009.
ALVES, M.L.T.; DUARTE, E. A exclusão nas aulas de Educação Física: Fatores associados com participação de alunos com deficiência. Revista Movimento, Porto Alegre/RS, v. 19, n. 01, p. 117-137, 2013.
ALVES, M.L.T.; STORCH, J.A.; HARNISCH, G.; STRAPASSON, A.; FURTADO, O.L.P.; LIEBERMAN, L.; ALMEIDA, J.J. G.; DUARTE, E. A aula de Educação Física e a Inclusão da criança com deficiência: Perspectiva de Professores Brasileiros. Revista Movimento, Porto Alegre/RS, v.23, n. 04, p. 1229-1244, 2017.
BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Reimpressão - 6ª Ed. São Paulo: Edições 70, 2011.
BARRETO, M. A.; FRANCISCO, E.A.; VALE, L.H. Análise das publicações sobre inclusão de pessoas com deficiência nas aulas de Educação Física Escolar. Revista Pensar a Prática, Goiás, v. 17, p. 530-545, 2014.
BLOCK, M.E.A. Teacher’s Guide to Including Students with Disabilities: General Physical Education. 3a. ed. Baltimore: Paul H. Brookes Publishing Co., 2007.
BORGMANN, T.; ALMEIDA, J.J.G. Esporte Paralímpico na Escola: Revisão Bibliográfica. Revista Movimento, Porto Alegre/RS, v. 21, n. 1, p.53-68, 2015.
BRASIL. DCN. Lei 9.394/96 – Lei nº 9.394, 20 de dezembro de 1996. Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica. Ministério da Educação. 1996.
BRASIL. DCN. Lei 9.394/96 – Lei nº 9.394, 20 de dezembro de 1996. Atualizações de Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica. Ministério da Educação 2013.
______. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: UNESCO, 1994.
______. LBI. Lei 13.146/15 – Lei nº 13.146/15, de 06 de julho de 2015. LBI - Lei Brasileira da Inclusão. Estatuto da Pessoa com Deficiência - Mara Gabrilli (Rel.), 2015.
______. PCN. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais PCNs (Livro da Educação Física para Ensino Fundamental), MEC, Brasília, 1997.
______. PCN. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais PCNs (Livro da Educação Física para Ensino Fundamental), MEC, Brasília, 2000.
CARVALHO, C.L.; ARAÚJO, P.F.; Inclusão escolar de alunos com deficiência: Interface com os conteúdos da Educação Física. Rev. Educación Física y Ciencia, Universidad Nacional de La Plata, Argentina/BA, vol. 20, n. 1, e041, 2018.
CENSO DEMOGRÁFICO 2010. Características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. Rio de Janeiro: IBGE, 2012. Disponível em://ftp.ibge.gov.br/Censos/ Censo_Demografico_2010. Acesso em: Agosto/2019.
CONSTITUIÇÃO FEDERAL - Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial, 1988.
FERREIRA, A.F.; RAMOS, G. N. S. (Orgs.). Educação Física Escolar e Praxiologia Motriz: Compreendendo as práticas corporais. Ed. CRV, v. 22, Curitiba/PR, 2017.
GIMENEZ, R.; FREITAS, A. (Orgs.). Educação Física Inclusiva na Educação Básica: Reflexões, Propostas e Ações. Ed. CRV, Curitiba/PR, 2015.
MELLO, M.T.; WINCKLER, C.O.F. Esporte Paralímpico. São Paulo: Atheneu, 2012.
MUNSTER, M.A.; ALVES, M.L.T. Educação Física e Inclusão de Estudantes com Deficiência no Brasil: Contrapontos entre Legislação e Produção Científica. Revista da Sobama. Marília/SP, v. 19, n. 2, 171-184, 2018.
MUNSTER, M.A.; LIEBERMAN, L. GRENIER, M. Universal Design for Learning and Differentiated Instruction in Physical Education. Human Kinetics. 2019.
NAHAS, M.V.; MANTA, S.; SILVA, K.; RECH, R.; COSTA, B.; ILHA, T.; LOPES, A.S. Changes in the perception of school climate among Brazilian high school students. International School Health, v. 4, 42774-42779, 2017.
ROMERO, C.R.; CARMONA, E.K. Educação Física Inclusiva e Paradesporto: semelhanças e diferenças. Revista Thema, Porto Alegre/RS, v. 14, n. 1, p 29-42, 2017.
SILVA, O.O.N. A Formação e produção acadêmica na Educação Física Adaptada: uma discussão à luz das diretrizes da Educação Inclusiva no Estado da Bahia. Rev. Espaço Acadêmico. Bahia, v. 18, n. 214, 10-23, 2019.
Publicado
2020-05-24